Home Page > Raças & Espécies > Pássaros > Caturrita

Caturrita

caturrita
Estado de conservação
status iucn31 lc ptsvg
pouco preocupante (iucn 31)
classificação científica
reino: animalia
filo: chordata
classe: aves
ordem: psittaciformes
família: psittacidae
subfamília: psittacinae
género: myiopsitta
espécie: m monachus
nome binomial
myiopsitta monachus
(boddaert, 1783)
a caturrita (myiopsitta monachus), também conhecida como catorra ou cocota, é uma ave da da família psittacidae a caturrita é nativa das regiões subtropical e temperada da américa do sul são encontradas nos pampas à leste dos andes na bolívia, paraguai, uruguai e sul do brasil até a região da patagônia na argentina a caturrita também é conhecida no brasil por catorra, cocota, periquito barroso, papo branco e outros nomes, dependendo da região
as caturritas têm penas verdes no dorso, que contrastam com a barriga, peito, garganta e testa acinzentados o bico é pequeno e alaranjado no peito, a plumagem é escamada e nas asas e cauda possuem penas longas azuladas as caturritas adultas têm 28 a 30 cm de comprimento total
as caturritas são aves gregárias, que vivem em bandos de 15 a 20 aves (bandos maiores, até de 100 aves, não são incomuns), e não migratória a época de reprodução decorre de julho a novembro
a caturrita é a única espécie de psitacídeos que constrói o seu próprio ninho todos os outros membros do grupo (papagaios, araras, etc) fazem ninhos em buracos ocos de árvores, barrancos ou cupinzeiros os casais de caturritas nidificam com o resto do seu bando e podem formar ninhos comunitários com, no máximo, um metro de diâmetro e 200 kg de peso os ninhos são estruturas cilíndricas fechadas, unidas aos ninhos vizinhos através das paredes externas as caturritas constroem os ninhos com gravetos, nos galhos mais altos de diferentes tipos de árvores os ninhos são usados durante todo o ano quando não estão no período reprodutivo, as caturritas usam-nos para dormir ou como protecção em caso de tempestades as caturritas chega a por 11 ovos por postura, sendo que cerca de 7 dos filhotes conseguem chegar a idade adulta
na natureza, a alimentação das caturritas é composta por frutos, verduras, legumes, sementes de arbustos e capins, flores e brotos, e mesmo em cativeiro, não é recomendado o uso de alimentos fora desse padrão
subespécies
são conhecidas quatro sub-espécies de caturritas:
m m monachus, encontrada no sul do brasil, uruguai e nordeste da argentina;
m m calita, encontrada no oeste e sul da argentina;
m m cotorra, que vive no sudeste da bolívia, paraguai, norte da argentina, e sul do brasil, e;
m m luchsi, uma população isolada na bolívia, que são menores e exibem comportamentos de nidação diferentes
praga
no sul do brasil, na argentina e no uruguai, a caturrita é considerada praga em zonas de cultivo de milho e sorgo e em pomares com o desaparecimento das matas onde viviam, as caturritas começaram a procurar alimento nas culturas que hoje ocupam seu habitat natural com alimento fácil e a extinção progressiva de seus predadores, como o gavião, a população da espécie aumentou facilmente
o cultivo de eucalipto, originário da austrália e introduzido no brasil entre os anos de 1855 e 1870, também tem um papel importante na explosão populacional das caturritas a caturrita encontrou no eucalipto um local perfeito para nidificar, construindo ninhos nos galhos mais altos do eucalípto (a 10 metros de altura), os ovos, filhotes e adultos ficam muito bem protegidos do ataque dos seus inimigos naturais e dificultando o controle populacional por parte do homem
em outras regiões, onde não há uma agricultura de gramíneas muito extensa, como é o caso do pantanal matogrossense, as caturritas causam danos localizados, mas de pouca expressão a presença de predadores naturais e espécies competidoras as mantém em níveis populacionais compatíveis
nos estados unidos, exemplares fugidos do cativeiro se reproduziram e agora também estão presentes em new york, new jersey, flórida e virgínia, preocupando as autoridades ambientais americanas
também na europa existem comunidades nidificantes, nomeadamente na espanha e na bélgica foram libertadas no inicio do século xx num dos parques da cidade de bruxelas e é hoje em dia possível encontrá-los numa parte significativa dos espaços verdes urbanos[1] entretanto começam a surgir possíveis avistamentos da espécie noutras áreas urbanas próximas

Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletPedaço de chão

bulletA cabritinha

bullet15 mil por mês

bulletCavalo rodrigo amarante

bulletO portão



Dicas Veterinárias:

bulletConvivendo com a nova família

bulletGlândula anal canina inflamada e limpeza

bulletQual a forrageira utilizar?

bulletPiodermite

bulletCuidado: a raiva mata se você cria gado ou cavalos, isto lhe interessa!



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet sergio villa santi svillasanti@aolcom
embaixador da oster no brasil
república dos c?es
avorozimbo maia, 1515, cambui, campinas/sp
fone: (19) 3255-1578>

bullet Fábio Brito do http://vida estilo.estadao.com.br/blogs/conversa de bicho/festa junina e pets diversao com seguranca/>

bullet Jeronimo Ribeiro http://www.showdebicho.com>

bullet Archivaldo Reche, professor de veterinária da USP.>

bullet Giorgia Bach advocacia@praticaclinica.com.br>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletThe dark knight (2008)

bulletSoltando os cachorros (the shaggy dog)

bulletO pássaro das plumas de cristal (l uccello dalle piume di cristallo)

bulletMadagascar ii

bulletMeu cachorro skip (my dog skip)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletCães de guerra

bulletO homem que amava os cachorros

bulletGato que gostava de cenoura

bullet97 maneiras de fazer seu cachorro sorrir

bulletA arca de noé

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos