Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]


Home Page > Raças & Espécies > Pássaros > Macuco

Compartilhe em suas redes sociais:

Macuco

macuco
O macuco é um Tinamiforme da família Tinamidae. Nome de origem tupi-guarani: Mogoico-erê". É o maior representante dos tinamídeos na Mata Atlântica. É espécie cinegética (caçada).
Características
Atinge até 52 cm e entre 1,5 a 2,0 Kg de peso médio. As fêmeas geralmente são maiores e mais pesadas que os machos. Possui coloração geral acinzentada com matiz verde-oliva, e desenho críptico nas penas traseiras (retrizes).
Alimentação
Alimenta-se de sementes, bagas, frutas (ex: merindiba, coquinhos de palmiteiro), insetos e vermes.
Reprodução
Como na maioria dos tinamiformes, o macho do Macuco incuba os ovos (3 a 5) por 19 a 21 dias. Os ovos são de coloração verde-azulada. Cria os filhotes com grande cuidado parental. Seu ninho é rudimentar, normalmente localizado entre as raízes de grandes árvores ou ao lado de troncos caídos. Quando no choco, é possível aproximar-se muito do ninho, e alguns mateiros conseguem capturar a ave com as mãos, característica que certamente contribuiu e ainda contribui para a sua entrada na lista de aves ameaçadas de extinção.
Sua reprodução em cativeiro é bem sucedida, devendo ser incentivada para o repovoamento das florestas remanescentes, paralelamente ao replantio de mata nativa, em áreas desflorestadas ou degradadas. Garantindo a preservação futura dessa espécie, e de outras tantas da Mata Atlântica.
Hábitos
Habita a Mata Atlântica primária, sempre próximo a riachos. Sua vocalização principal consiste eu um único pio meio agudo e bem espaçado, sendo o pio do macho mais curto que o da fêmea. Emitem também um chororocado, e na época da reprodução quando empoleiram, emitem três pios seguidos. As fêmeas são dominantes e territoriais. Tomam banho constantemente e um casal geralmente se localiza no limite de audição do pio de outro casal, ou seja, aproximadamente a cada 200-250 metros.
A principal ameaça que contribui para o risco de extinção dessa espécie é a do desmatamento, pois a ave não se adapta à mata secundária, por essa não apresentar as mesmas características de biótopo da mata primária. A caça criminosa e predatória ainda existe, mas dadas às dificuldades em atrair essa arisca espécie no pio, mesmo na época do acasalamento, não seria um fator decisivo de ameaça, embora esta prática certamente não concorra para se evitar a extinção da espécie.
Os tinamídeos do gênero Tinamus (no Brasil: T. solitarius, T. major, T.tao e T. guttatus), empoleiram para dormir, e como quase não têm o dedo de trás, o fazem em galhos grossos (entre 4 e 12 metros do solo) usando os tarsos serrilhados para se equilibrarem. Os dedos ficam extendidos à frente, sem tocar na madeira. É comum haver sobre o poleiro escolhido, uma abertura na folhagem que permite o vôo de fuga da ave.
Os macucos geralmente frequentam trilhas na mata. Tal comportamento talvez esteja ligado à possibilidade de avistarem mais facilmente a aproximação de predadores.
Em áreas bem povoadas por macucos, mateiros para os atrairem, entre outros métodos, riscavam" o solo com o pé ou facão, expondo a terra úmida numa faixa de 15 a 20 metros por meio metro de largura. A ave sentia o odor da terra exposta e era atraída pela possibilidade de encontrar vermes facilmente.
Essa técnica auxiliar em conjunto com a do pio, também pode ser utilizada por birdwatchers ou fotógrafos, para registrá-lo. Convém estar bem abrigado nas proximidades, em uma choça feita com folhas de palmeiras espetadas no solo, ou mesmo usando cortina" de tecido camuflado, recoberta por galhos
texto por Marcos Massarioli

Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletquadradinho tipo borboleta

bulletMeu Jumento

bulletOnça pintada

bulletVoa, canarinho, voa

bulletFeliz pra cachorro



Dicas Veterinárias:

bulletataque de abelhas como se proteger e o que fazer?

bulletO que fazer enquanto o veterinário não vem?? episódio 1 ? feridas

bulletBanho e tosa: 4 maneiras de aumentar o faturamento desses serviços

bulletAlimentação das aves

bulletA intoxicação por veneno de sapo em cães



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet João Kleinerdr joão alfredo kleiner dvm, msc especialista em oftalmologia e clínica cirúrgica geral acvo ophthalmology course wisconsin, madison ? 1998 e-mail: docjak@vetweb.com.br>

bullet CEPAV Centro de Patologia Clínica Veterinária Ltda. Rua Tanabi, 185 Água Branca São Paulo SP. CEP. 05002 010 Tel.: (11) 3872 9553>

bullet Eduardo Lobo, 11 973119698, Rua Lomas Valentinas 358 saude SP, eduardolobo.vet@gmail.com, http://www.equilibriumcursos.com.br , http://www.Facebook.com/Equilibriumvet >

bullet Dalva Marques http://www.infohorse.com.br/2018/03/18/a marcha dos muares/>

bullet tatiana lermontov - fr? 8331- rj fonoaudióloga, psicomotricista, eerapeuta al 24 de outubro 78 icaraí - niterói - rj (21) 2611-5626 / 9691-6646 centro de eqerapia pratique>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletNo olho do gato (dans l oeil du chat)

bulletMato sem cachorro

bulletÁgua para elefantes

bulletO cachorro que salvou o natal (the dog who saved christmas)

bulletUm gato em paris (une vie de chat)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletSucesso na criação de pássaros canários e periquitos

bulletAtlas colorido de anatomia veterinária do cão e gato

bulletO estranho caso do cachorro morto

bulletGato que gostava de cenoura

bulletVira-lata? não! também sou cachorro

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos