Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]


Home Page > Raças & Espécies > Cães > Perdigueiro português

Compartilhe em suas redes sociais:

Perdigueiro português

perdigueiroportugues

País de origem: Portugal
Nome no país de origem: Perdigueiro Portuguê;s
Utilização: Cão de caça.
Sujeito à prova de trabalho para campeonato internacional.
RESUMO HISTÓRICO: o cão Perdigueiro Portuguê;s é originário da Península
Ibérica e descende do antigo Perdigueiro Peninsular, ancestral comum de outros cães
de aponte. Evoluiu adaptando-se ao clima, ao terreno, à caça e por uma seleção
sócio-cultural imposta pela especificidade dos portugueses que os estavam criando
há séculos com o propósito da caça. A raça conserva as características morfológicas
e funcionais semelhantes às atuais. Sua existê;ncia em Portugal pode ser documentada,
pelo menos, desde o século XII. No século XIV era conhecido como “Podengo de
Mostra”, já evidenciando a sua capacidade para a caça como esporte. Era criado em
canis da realeza e da nobreza e utilizados na falcoaria. No século XVI, já nomeado
“Perdigueiro” (derivado de perdiz), que era comumente usado pelos plebeus. A
definição das atuais características e a disseminação por um grupo de criadores e
caçadores começou no primeiro quarto do século XX.
APARÊNCIA GERAL: de tamanho médio, retilíneo, tipo bracóide, forte, mas de
construção harmoniosa, aliada à uma grande elasticidade de movimentos. Visto de
perfil, a linha superior e a inferior formam uma elegante silhueta.
PROPORÇÕES IMPORTANTES: corpo quadrado ou quase quadrado. A relação
entre o crânio e o focinho é de 6:4; e a relação entre a altura na cernelha e a profundidade
do peito é de 2:1.
COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: é um cão do tipo extremamente
afetivo, forte, capaz de grande resistê;ncia e devoção. Calmo e muito sociável, mas
um pouco arrogante com outros cães. Curioso por natureza, trabalha com persistê;ncia
e vivacidade. Um cão de caça sempre entusiasmado, permanecendo sempre em
contato com o caçador.
CABEÇA: de tamanho proporcional em relação ao corpo, bem construída e
harmoniosa em suas dimensões. Dá a impressão de ser maior do que é. Ligeiramente
volumosa, nem ossuda nem carnuda. Revestida de pele flácida, fina e sem rugas.
Retilínea, quando vista de perfil e quadrada, quando vista de frente. Convergê;ncia
dos eixos crânio-faciais longitudinais superiores.
REGIÃO CRANIANA
Crânio: quadrado, linha superior quase plana, quando vista de frente e ligeiramente
arqueada, quando vista de perfil, com um comprimento que não deve exceder 6/10
do comprimento total da cabeça, com índice cefálico de 60%. Visto de frente, a testa
é quase plana, alta, larga e simétrica, ligeiramente arqueada de perfil. Arcos superciliares
bem desenvolvidos. Sulco frontal largo e pouco profundo. Protuberância occipital
apenas perceptível.
5
Stop: bem definido (90-100°).
REGIÃO FACIAL
Trufa: o ângulo entre a cana nasal e o lábio superior é de 90°. Trufa de boa
conformação, com narinas bem desenvolvidas, úmidas e abertas. Preta.
Focinho: retilíneo e horizontal, adequadamente largo em toda sua extensão, sendo
seu comprimento 4/10 do comprimento da cabeça.
Lábios: lábios superiores pendentes, quadrados de perfil, formando um ângulo reto
com a cana nasal, semicircular nas bordas, quando vistos de perfil. Vistos de frente,
formam um ângulo agudo na borda inferior. Unem-se aos lábios inferiores por
comissuras flácidas e pregueadas, com os cantos caídos. Boca medianamente fechada,
com mucosas irregularmente pigmentadas, deve ter uma boa oclusão permitindo
uma normal sobreposição dos lábios superiores.
Maxilares / Dentes: dentição saudável, correta e completa, com a mordedura em
tesoura.
Bochechas: paralelas. Prega retro-comissural apenas perceptível, com a região da
parótida cheia.
Olhos: expressivos, com vivacidade, marrons, de cor mais escura que a da pelagem;
de forma oval, tendendo a serem arredondados; grandes mas não em demasia, de
inserção nivelada e preenchendo a órbita; pálpebras finas e bem abertas, com
pigmentação preta.
Orelhas: inseridas altas,acima do nível dos olhos, na parte posterior da cabeça;
pendentes, em superfície quase plana, com um ou dois sulcos longitudinais quando
em atenção; triangulares, mais largas na base que nas pontas, numa proporção de 2,5
x 1, e com as pontas arredondadas. O comprimento das orelhas deve ser ligeiramente
superior ao do crânio. Finas, macias, revestidas de pelos finos, densos e muito
curtos.
PESCOÇO: reto; ligeiramente arqueado no terço superior; comprimento não inferior
ao comprimento da cabeça, não muito grosso e com uma curta barbela na garganta.
O pescoço deve unir-se à cabeça de uma maneira elegante, com uma inclinação de
aproximadamente 90°; sua união com o tórax não deve ser acentuada.
6
TRONCO
Linha superior: retilínea, elevando-se ligeiramente da garupa à cernelha.
Cernelha: não muito alta.
Dorso: curto, largo, retilíneo e ligeiramente inclinado até a região lombar, a qual deve
unir-se de maneira uniforme.
Lombo: curto, muito largo, com fortes músculos, ligeiramente arqueado e em perfeita
união com a garupa.
Garupa: de largura proporcional em relação ao lombo, de conformação harmoniosa,
com um eixo ligeiramente oblíquo e com uma garupa levemente caída.
Peito: profundo e largo, com boa amplitude de tórax, que deve ser mais desenvolvido
no sentido da altura e profundidade do que na largura, descendo até os cotovelos.
Costelas bem arqueadas e bem largas na sua parte superior, dando à cavidade torácica,
por elas circunscrita, a forma de uma ferradura com as partes terminais dos seus
ramos encontrando-se no esterno.
Linha inferior e ventre: ligeiramente elevada do esterno à virilha. Um delgado ventre
se une ao quadril formando uma circunferê;ncia; a distância que separa o quadril da
última costela, dá aos flancos uma aparê;ncia curta e bem acoplada.
CAUDA
Natural: de comprimento médio, não devendo ultrapassar o jarrete. Reta, de inserção
média, grossa na base e afilando ligeiramente para a ponta. Bem inserida, em perfeita
continuidade com a linha da garupa. Em repouso, a cauda cai naturalmente, mas
nunca entre as pernas. Em movimento, a cauda eleva-se horizontalmente ou ligeiramente
acima da linha superior, mas nunca verticalmente ou em forma de foice. A cauda
balança de um lado para o outro, quando o cão se movimenta.
Cortada: de modo a cobrir os genitais, sem ultrapassá-los.
MEMBROS
Anteriores: retos, quando vistos pela frente e perfeitamente paralelos com a linha
central do corpo. Vistos de perfil, são verticais e dão uma aparê;ncia geral de grande
estabilidade, apoio e facilidade natural de movimento.
7
Ombros: longos, com inclinação média, bem inseridos e fortemente musculosos.
Ângulo escápulo-umeral de 120°.
Braços: rentes ao tórax. Seu comprimento deve estar de acordo com os ombros e
sua angulação deve ser proporcional.
Cotovelos: separados do tórax pela axila, secos, bem descidos, equidistantes da
linha central do corpo, não virando nem para dentro, nem para fora. Ângulo úmeroradial
de 150°.
Antebraços: separados do tronco, longos, retos e perpendiculares ao solo, quando
vistos de frente ou de perfil.
Carpos: em perfeita continuação com o antebraço.
Metacarpos: largos, ligeiramente inclinados.
Patas: proporcionais ao tamanho dos membros, com tendê;ncia a serem mais para
redondas do que longas, mas sem terem aparê;ncia de “patas de gato”. Dedos bem
formados, juntos, uniformes e fortes para darem um bom apoio. Almofadas fortes e
bem desenvolvidas, pretas, grossas, duras e resistentes. Unhas fortes, duras e
preferencialmente pretas.
Posteriores: aprumados, quando vistos por trás, e preferentemente paralelos com a
linha central do corpo; com aprumos normais, quando vistos de perfil.
Coxas: longas, largas e bem musculosas. As nádegas formam uma linha curva mais
ou menos acentuada, longa e com uma musculatura ligeiramente elástica. Ângulo
coxofemoral de 95°.
Joelhos: ligeiramente abaixo do abdômen, mas não muito afastados dele; ligeiramente
proeminentes e ligeiramente virados para fora. Ângulo fê;muro-tibial de 120°.
Pernas: bem posicionadas, seu comprimento deve ser proporcional ao da coxa;
suas obliquidades devem estar em proporção à inclinação da garupa.
Jarretes: suficientemente angulados e bem posicionados, secos, largos e grossos.
Ângulo tíbio-társico de 145°.
Metacarpos: de altura média, verticais, quase cilíndricos, de espessura regular e
delgados.
8
Patas: idê;nticas às anteriores, porém, ligeiramente mais longas.
MOVIMENTAÇÃO: com passada normal, fácil e elegante. Polivalente em seu
trabalho e adaptável aos diferentes terrenos, climas e tipos de caça; o movimento
alterna entre um simples galope de suspensão e um trote amplo, fácil e rítmico.
PELAGEM
Pelo: curto, forte, bem assentado, duro e denso, cobrindo o corpo uniformemente,
com exceção das axilas, virilhas e regiões perianal e genital, onde o pelo é mais ralo e
macio. É mais fino e curto na cabeça, especialmente nas orelhas, onde tem uma
aparê;ncia aveludada. Não tem subpelo.
COR: amarelo nas tonalidades claras, médias e escuras; sólida ou com marcas brancas
na cabeça, pescoço, peito e nas extremidades inferiores dos membros, abaixo dos
cotovelos e jarretes e na ponta da cauda, quando não cortada.
TAMANHO / PESO
altura na cernelha: machos: 56 cm +/- 4cm.
fê;meas: 52cm +/- 4cm.
Peso: machos: 20 – 27 kg
fê;meas: 16 – 22 kg
FALTAS: qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como
falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade e seus efeitos na saúde e bem
estar do cão.
• Comportamento: timidez
• Cabeça: a relação crânio / focinho muito diferente de 6/4. Estreita. Protuberância
occipital pronunciada. Seios frontais muito desenvolvidos. Sulco frontal
pronunciada. Presença de rugas.
• Trufa: de outra cor que não seja a preta.
• Focinho: curto ou longo.
• Lábios: superiores não quadrados. Comissuras não perceptíveis. Incorreta
pigmentação das mucosas.
• Mordedura: em pinça.
• Olhos: pequenos, claros, inexpressíveis; muito redondos.
• Orelhas: de inserção média, muito grandes ou pequenas, bordas pontudas.
9
• Pescoço: muito curto. Sem barbela ou barbela muito pronunciada.
• Corpo: peito pouco desenvolvido.
• Cauda: muito curta quando natural, de inserção muito baixa ou de porte atípico
(vertical ou em forma de foice).
• Membros e patas: viradas para dentro ou para fora; patas espalmadas.
• Pelagem: pelo macio.
FALTAS GRAVES
• Comportamento: muito tímido.
• Cabeça: a relação crânio / focinho muito diferente de 6/4. Stop pouco definido.
Eixos crânio-faciais superiores paralelos.
• Focinho: inclinado.
• Olhos: inclinados. Estrabismo.
• Orelhas: carnudas, de inserção baixa; excessivamente dobradas ou enroscadas.
• Corpo: linha superior selada ou carpeada. Garupa muito inclinada. Tronco muito
longo, tórax redondo. Ventre esgalgado.
• Pelagem: manchas brancas fora dos limites estabelecidos pelo padrão.
• Tamanho: gigantismo ou nanismo.
FALTAS ELIMINATÓRIAS
• Comportamento: agressividade ou timidez excessiva.
• Cabeça: atípica, com o focinho convexo; muito longo ou curto demais; crânio
muito estreito. Eixos crânio-faciais superiores divergentes.
• Trufa: totalmente despigmentada.
• Maxilares: prognatismo inferior ou superior.
• Olhos: desiguais na forma ou no tamanho; de cores diferentes. Olhos marmorizados,
cegueira congê;nita.
• Surdez: congê;nita ou adquirida.
• Corpo: completamente atípico, mostrando sinais de cruzamento com outras raças.
• Pelagem: pelo diferente do tipo da raça.
• Cor: albinismo. Outra cor além das descritas no padrão.
NOTAS:
• os machos devem apresentar os dois testículos, de aparê;ncia normal, bem descidos
e acomodados na bolsa escrotal.
• todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento
deve ser desqualificado.



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletJoao de Barro

bulletReceita de Mulher

bulletLamento de um cavalo

bulletCachorro na feira os paralamas do sucesso

bulletFoi daquele jeito



Dicas Veterinárias:

bulletIntoxicação alimentar

bulletO cavalo bretao no brasil

bulletRearticulação glenoumeral em cão com utlização de fisioterapia no pós cirurgico ortopédico

bulletComportamento animal

bulletCuidados com os pássaros



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Eng. Agr. Aliomar Gabriel da Silva, MS, PhD Celular: (16) 9 8149-7557 e E-mail: aliomargabrieldasilva@hotmail.com >

bullet Heloísa Helena Amaro>

bullet Dra Cleuma Ferreira, Medica Veterinária, telefone 11 41164783, Rua Jacira, 80 Moema São Paulo/SP, contato@dracleumaferreira.com, www.dracleumaferreira.com, instagram @endocrinopatinha, facebook/endocrinopatinha>

bullet Alexandre Cury Instrutor de Hipismo
centro hípico mirassol
(19) 32460423 ? 91322162
e-mail: mrpccury@uol.com.br>

bullet Helena Monkevic Casarin clinica veterinária Julius 19 996242435 Av. José Pancetti 887 Jd. Aurelia , Campinas/SP>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletComo cães e gatos (cats e dogs)

bulletManda-chuva o filme (don gato y su pandilla)

bulletO gato preto (the black cat)

bulletA lenda do homem crocodilo (the legend of gator face)

bulletBatman begins (2005)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletCães de guerra

bulletUm gato entre os pombos

bulletVira-lata? não! também sou cachorro

bulletLivro definitivo de dicas e sugestoes de jardinagem

bulletEnfermidades dos cavalos

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos