Home Page > Raças & Espécies > Cães > Parson russell terrier

Parson russell terrier

parsonrussellterrier

País de origem: Grã-Bretanha
Nome no país de origem: Parson Russell Terrier
Utilização: Cão de trabalho com habilidade para caça.
Sujeito à prova de trabalho para campeonato internacional.
RESUMO HISTÓRICO: por muitos anos existiu grande controvérsia nas fileiras
de admiradores de terriers acerca de um tipo de terrier vagamente chamado de
algo como “o Jack Russell”. Pedidos de registro foram recebidos pelo “The
Kennel Club” de um número considerável de admiradores de uma linhagem
de “Fox Terriers” criados por um pastor caçador Vitoriano, o Reverendo John
Russell. Eventualmente, este terrier de trabalho e de tipo robusto foi reconhecido
e a ele dado o nome da raça - Parson Russell Terrier.
APARÊNCIA GERAL: cão de trabalho, ativo e ágil, sem exagero. Construído
para vigor e resistê;ncia, a imagem geral é de equilíbrio e flexibilidade. Cicatrizes de
trabalho são permitidas.
PROPORÇÕES IMPORTANTES: bem balanceado. O comprimento da ponta
do ombro ao ponto do ísquio (nádega) é ligeiramente mais longo do que a altura da
cernelha ao solo. O comprimento da trufa ao stop é ligeiramente mais curto do que o
do stop ao occipital.
COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: originalmente um “terrier” criado
para o trabalho de caça à raposa; um cão confiante, enérgico e feliz, que tem a
capacidade e estrutura para “ir ao solo” (caçar). Corajoso e amigável.
CABEÇA: formato cuneiforme.
REGIÃO CRANIANA
Crânio: plano, moderadamente largo, estreitando-se gradualmente em direção aos
olhos.
Stop: pouco marcado (raso).
REGIÃO FACIAL
Trufa: preta.
4
Maxilares / Dentes: maxilares fortes, musculosos. Dentes de bom tamanho.
Mordedura em tesoura perfeita, regular e completa, isto é, os dentes superiores
sobrepondo-se aos dentes inferiores e são inseridos ortogonalmente aos maxilares.
Bochechas: não proeminentes.
Olhos: escuros, amendoados, nunca proeminentes. Vivos, de expressão inteligente.
Orelhas: proporcionais ao tamanho da cabeça. Em formato em “V”, caindo para
frente; a ponta da orelha deve estar no mesmo nível do canto externo do olho. A
dobra não acima do topo do crânio. Couro de espessura moderada.
PESCOÇO: seco, musculoso, de bom tamanho, gradualmente se alargando e bem
inserido nos ombros.
TRONCO
Dorso: forte, reto e flexível.
Lombo: forte e ligeiramente arqueado.
Peito: de profundidade moderada, não ultrapassando a ponta do cotovelo. Capaz de
ser envolvido por detrás dos ombros por mãos de tamanho médio. Costelas portadas
bem para trás, não excessivamente arqueadas nem planas nas laterais.
CAUDA: anteriormente era costume ter a cauda cortada.
Cortada: o comprimento complementa o corpo. Forte, preferivelmente reta, de
inserção moderadamente alta, portada bem erguida quando em movimento, mas pode
ser portada mais baixa quando relaxada.
Não Cortada: de comprimento moderado, preferivelmente reta, dando equilíbrio ao
cão. Grossa na base e afilando em direção à ponta. Inserção moderadamente alta,
portada bem erguida quando em movimento, mas pode ser portada mais baixa quando
relaxada.
MEMBROS
Anteriores
Aparê;ncia geral: moderada largura entre os membros, bem colocados abaixo do
tronco.
5
Ombros: longos e inclinados, bem voltados para trás, claramente marcados na
cernelha.
Braços: de comprimento igual ao do ombro e em um ângulo tal que as pernas estão
bem para trás, sob o corpo, abaixo da ponta da cernelha.
Antebraços: fortes e retos, não virando nem para dentro nem para fora. O
comprimento dos antebraços deve ser ligeiramente maior que a profundidade do
tronco.
Cotovelos: rentes ao corpo, trabalhando livremente nas laterais.
Metacarpos: fortes e flexíveis.
Patas: compactas, com almofadas firmes, dedos moderadamente arqueados, nunca
achatados ou abertos, não virando nem para dentro nem para fora.
Posteriores
Aparê;ncia geral: fortes, musculosos, com boa angulação.
Joelhos: bem angulados, sem exageros.
Pernas: bem desenvolvidas.
Jarretes: curtos.
Metatarsos: paralelos, dando muita propulsão.
Patas: idem às anteriores.
MOVIMENTAÇÃO: passadas livres; movimento com boa cobertura de solo, sem
exageros. Os passos devem ser de bom alcance, nunca forçados ou com passadas
de ação alta dos membros. Posteriores proporcionando boa propulsão. Bem
coordenada; ação reta de frente e por trás.
PELE: espessa e solta.
6
PELAGEM
Pelo: seja áspero, quebrado ou liso, naturalmente duro, acamado, reto, fechado e
denso, com bom subpelo. Resistente às intempéries. Ventre e linha inferior recobertos
por pelos. A pelagem preparada (isto é, trimada) deve parecer natural, nunca cortada.
COR: inteiramente ou predominantemente branco com marcações castanho, limão
ou pretas, ou qualquer combinação dessas cores. A cor preferivelmente limitada à
cabeça e/ou à raiz da cauda, mas, um pouco dela no corpo é aceitável.
TAMANHO
Altura na cernelha: machos, ideal na cernelha: 36 cm.
fê;meas, ideal na cernelha: 33 cm.
O mais importante é que a solidez e o equilíbrio devem ser mantidos, levando-se em
conta que este “terrier”, criado para o trabalho com raposas, deve ser capaz de ser
apanhado por detrás dos ombros, por mãos de tamanho médio. De qualquer forma,
com estas ressalvas, alturas menores são aceitáveis.
FALTAS: qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como
falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade e seus efeitos na saúde e bem
estar do cão e em sua habilidade para executar seu trabalho tradicional.
FALTAS DESQUALIFICANTES
• agressividade ou timidez excessiva.
• todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento
deve ser desqualificado.
NOTA:
• os machos devem apresentar os dois testículos, de aparê;ncia normal, bem descidos
e acomodados na bolsa escrotal.



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletEstilo cachorro

bulletCachorro quente wanderlei studio

bulletJingle bell rock

bulletDona

bulletGatinha Manhosa



Dicas Veterinárias:

bulletDor (agudo, crônica e pós-operatória) em cães

bulletVisão noturna dos cães

bulletOrelha coçando depois do banho

bulletComo salvar um cachorro engasgado

bulletGato não gosta de carinho



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet SKS Promoções Silvia Milani sksprom@uol.com.br>

bullet Rosmeire de O.S.Jacinavicius Médica Veterinária Acupunturista tel: (19)999971911 email: stuffzinha@gmail.com>

bullet Marco Antonio Gioso FMVZ USP>

bullet Gabriela Rodrigues Zootecnista, trabalho com nutrição animal e consultoria. (013)99192 3249 @gabriela.zootecnista Facebook: Gabriela Rodrigues Zootecnista>

bullet LUIZA CERVENKA DE ASSIS http://emais.estadao.com.br/blogs/comportamento animal/morte e luto o que fazer quando o cachorrogato morre/>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletAquele gato danado (that darn cat!)

bulletUm homem chamado cavalo (a man called horse)

bulletGato negro (black cat (gatto nero))

bulletFlipper (1996)

bulletBatman (1966)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bullet4 vidas de um cachorro

bulletO encantador de cães

bulletO homem que amava os cachorros

bulletUrologia e nefrologia do cão e do gato

bulletOs passaros e suas doencas

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos