Home Page > Raças & Espécies > Cães > Dogo canário

Dogo canário

dogocanario

País de origem: Espanha
Nome no país de origem: Dogo Canario
Utilização: Cão de guarda e proteção do gado
Sem prova de trabalho.
RESUMO HISTÓRICO: cão molossóide originário das Ilhas Tenerife e Grande
Canária, no arquipélago Canário. Surgiu como resultado do cruzamento entre o
“majorero”, cão pastor pré-hispânico oriundo das ilhas e cães molossóides que
chegaram ao arquipélago. Estes cruzamentos originaram um agrupamento étnico de
cães do tipo dogo, de tamanho médio a grande, de cor tigrado ou fulvo e manchados
de branco, de morfologia robusta, própria de um cão molosso, porém com agilidade
e força, de bom temperamento, rústico e de caráter ativo e fiel. Durante os séculos 16
e 17 sua população aumentou consideravelmente, existindo numerosas referê;ncias
ao mesmo nos textos históricos anteriores à conquista e sobretudo aos “Cedularios
del Cabildo”, nos quais se explicam as funções que realizavam, especialmente como
guardiões e no cuidado dos rebanhos bovinos.
APARÊNCIA GERAL: cão molossóide, de tamanho médio a grande, de perfil
retilíneo e máscara preta. Robusto e bem proporcionado.
PROPORÇÕES IMPORTANTES: o corpo é mais longo que sua altura na
cernelha. Esta característica é mais acentuada nas fê;meas. A proporção
crânio:focinho é de 60:40%. A largura do crânio é 3/5 do comprimento total da
cabeça. A distância do cotovelo ao solo deve ser de 50% da altura na cernelha
nos machos e um pouco menos nas fê;meas.
COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: olhar calmo, expressão atenta. É
especialmente adequado como cão de guarda e tradicionalmente utilizado para cuidar
do gado. Seu temperamento é equilibrado e muito seguro de si mesmo. Latido baixo
e profundo. Obediente e dócil com os membros da família, muito devoto ao seu
dono, mas pode ser reservado com estranhos. Atitude confiante, nobre e um pouco
distante. Quando está alerta, sua postura é firme, com atitude alerta.
CABEÇA: maciça, braquicefálica e de aparê;ncia compacta, coberta de pele grossa.
Sua forma tende a ser um cubo levemente alongado. As linhas crânio-faciais são
paralelas ou levemente convergentes.
4
REGIÃO CRANIANA
Crânio: ligeiramente convexo em sentido antero-posterior e transversal. O osso frontal
tende a ser plano. Sua largura é quase idê;ntica ao seu comprimento. Os arcos
zigomáticos são pronunciados, com os músculos das bochechas e mandíbulas bem
desenvolvidos, mas não proeminentes, cobertos por pele solta. Crista occipital só
levemente marcada.
Stop: é definido, mas não abrupto. O sulco entre os lobos frontais é bem definido e
de aproximadamente 2/3 do tamanho do crânio.
REGIÃO FACIAL
Trufa: larga e fortemente pigmentada de preto. Ela esta colocada na mesma linha da
cana nasal. Fossas nasais grandes para facilitar a respiração.
Focinho: mais curto que o crânio, sendo, no geral, aproximadamente 40% do
comprimento total da cabeça. Sua largura é de 2/3 da largura do crânio. Sua base é
bem larga, afinando levemente até a trufa. A cana nasal é plana e reta, sem sulcos.
Lábios: os lábios superiores são pendurados, ainda que sem excesso. Vistos de
frente, os lábios superior e inferior se unem, formando um “V” invertido. Bordos
labiais ligeiramente divergentes. O interior dos lábios é de cor escura.
Maxilares / Dentes: mordedura em tesoura ou levemente prognata, sendo em no
máximo 2 mm. Admite-se a mordedura em torquê;s, embora não desejada devido
ao desgaste dentário que provoca. Os caninos apresentam ampla distância transversal.
Os dentes são largos, com fortes bases de implantação. Molares grandes, incisivos
pequenos e caninos bem desenvolvidos.
Olhos: ligeiramente ovalados, de tamanho médio a grande. Colocados bem separados,
mas nunca profundos ou protuberantes. Pálpebras pretas e bem aderentes, nunca
caídas. A cor varia do castanho escuro ao médio, de acordo com a cor da pelagem.
Nunca devem ser claros.
Orelhas: de tamanho médio, bem separadas, de pelo curto e fino. Caem naturalmente
em ambos os lados da cabeça. Se dobradas, são em forma de rosa. Sua inserção é
ligeiramente acima da linha dos olhos. Orelhas com inserções muito altas ou muito
juntas se consideram atípicas. Nos países onde a amputação é permitida, devem ser
eretas.
PESCOÇO: mais curto que o comprimento total da cabeça. A pele na sua parte
inferior é solta, formando uma leve barbela. Sólido e reto, tendendo a ser a cilíndrico
e musculoso.
5
TRONCO: comprido, largo e profundo.
Linha superior: reta, sem deformações, sustentada por uma musculatura bem
desenvolvida, porém, pouco visível. Ligeiramente ascendente desde a cernelha até a
garupa. A altura na garupa é 1-2cm maior que a altura na cernelha.
Garupa: comprimento médio, larga e arredondada. Não deve ser longa porque limitaria
sua movimentação. Nas fê;meas, normalmente, é mais larga.
Peito: de grande amplitude e com músculos peitorais bem definidos. Visto tanto de
frente quanto de perfil, deve estar bem descido, pelo menos até o nível dos cotovelos.
O perímetro torácico é normalmente igual à altura na cernelha mais 45% desta. Costelas
bem arqueadas.
Linha inferior e ventre: ligeiramente recolhida e nunca em linha descendente. Os
flancos só levemente pronunciados.
CAUDA: grossa na base, afinando-se até a ponta e não deve ultrapassar o jarrete. De
inserção média. Em ação eleva-se, em forma de sabre, mas sem encurvar-se ou
apoiar-se sobre o dorso. Em repouso é reta, com uma ligeira curvatura na ponta.
MEMBROS
ANTERIORES
Ombros: com boa inclinação.
Braços: bem angulados, oblíquos.
Antebraços: bem balanceados, retos. Ossos fortes e com boa musculatura.
Cotovelos: nem muito aderentes às costelas, nem muito afastados.
Metacarpos: muito sólidos e ligeiramente inclinados.
Patas: “pés de gatos” com dedos arredondados, não muito juntos. As almofadas
plantares são muito bem desenvolvidas e pretas. As unhas são escuras. As unhas
brancas não são desejadas, ainda que possam aparecer em função da cor da pelagem.
POSTERIORES
Aparê;ncia geral: vistos por trás, fortes e paralelos, sem desvios.
Coxas: longas e bem musculosas.
6
Joelhos: a angulação não é muito pronunciada, mas não deve ser insuficiente.
Metatarsos: sempre bem descidos.
Patas: ligeiramente mais longas que as anteriores e com características similares.
MOVIMENTAÇÃO: durante o movimento, o Dogo Canário é ágil e elástico,
cobrindo bem o solo. Passo longo. A cauda é portada baixa e a cabeça é elevada
apenas levemente por sobre o nível do dorso. Quando em atenção, a cauda e a
cabeça são portadas alto.
PELE: grossa e elástica. Mais solta sobre e ao redor do pescoço. Quando em
atenção, a pele sobre a cabeça forma pregas simétricas que se moldam desde o sulco
entre os lobos frontais.
PELAGEM
Pelo: curto, áspero, liso, sem subpelo (pode aparecer sobre o pescoço e na parte
posterior das coxas; um tanto mais áspero ao toque). Muito curto e fino nas orelhas;
ligeiramente mais longo na cernelha e na parte posterior das coxas.
COR: tigrado em todos os tons, desde um marrom escuro até um cinza claro ou
vermelho. Todos os tons de tigrado até cor de areia. Aceitam-se marcas brancas
sobre o peito, na base do pescoço ou na garganta, nas patas anteriores e dedos das
patas posteriores, mas este deve ser mínimo. Máscara sempre preta, mas sem
ultrapassar o nível dos olhos.
TAMANHO / PESO
Altura na cernelha: machos: 60 a 66 cm
fê;meas: 56 a 62 cm.
Em casos de exemplares muito típicos, admitir-se-á 2 cm de tolerância acima ou
abaixo dos limites.
Peso mínimo: machos: 50kg Peso máximo: machos: 65kg.
fê;meas: 40 kg fê;meas: 55kg.



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletO menino da porteira

bulletA dança da tartaruga asa de águia

bulletBoi bumbá

bulletPassarinho

bulletGatinha Manhosa



Dicas Veterinárias:

bulletCães precisam de exercícios

bulletO que falta para você ter o seu gato ?

bulletCães ? solta, problemas ? vista

bulletPosso dar osso ao meu cachorro?

bullet18 alimentos saudáveis que vão fortalecer a imunidade do seu cachorro



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet LUIZA CERVENKA DE ASSIS http://emais.estadao.com.br/blogs/comportamento animal/morte e luto o que fazer quando o cachorrogato morre/>

bullet Rosmeire de O.S.Jacinavicius Médica Veterinária Acupunturista tel: (19)999971911 email: stuffzinha@gmail.com>

bullet UniversoEquino.com.br
Médica Veterinaria Mariana Marcantonio Coneglian>

bullet Jo?o Kleinerdr jo?o alfredo kleiner dvm, msc especialista em oftalmologia e clínica cirúrgica geral acvo ophthalmology course wisconsin, madison ? 1998 e-mail: docjak@vetweb.com.br>

bullet Vicente Moreno Médico Veterinário CRMVSP 6613 Clínica Veterinária Vicente Moreno Av. Independ?ncia, 1062 Valinhos SP Fone: (19) 38491274 >



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletRio

bulletLoup - uma amizade para sempre

bulletDoce pássaro da juventude (sweet bird of youth)

bulletBatman begins (2005)

bulletAnimais unidos - jamais serão vencidos



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletAves-simbolos dos estados brasileiros, as

bulletPasso, trote, galope - uma familia e seus cavalos

bulletExplicação dos pássaros

bulletUm gato indiscreto e outros contos

bulletPássaros amarelos

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos