Home Page > Raças & Espécies > Cães > Coton de tuléar

Coton de tuléar

cotondetulear

País Patrono: França
Nome no país de origem: Coton de Tuléar
Utilização: Companhia
Sem prova de trabalho
RESUMO HISTÓRICO: introduzido na França, muito tempo antes de seu
reconhecimento ofi cial em 1970, este cão recémchegado
de Madagascar, rapidamente,
adquiriu uma posição de primeira ordem entre os cães de companhia desse país.
Atualmente ele é disseminado no mundo inteiro.
APARÊNCIA GERAL: pequeno, pê;los longos, cão de companhia, com uma pelagem
branca de textura de algodão, com olhos escuros, redondos e uma expressão viva e
inteligente.
PROPORÇÕES IMPORTANTES
· a altura na cernelha em relação ao comprimento do corpo é de 2 para 3.
· o comprimento da cabeça em relação ao do corpo é de 2 para 5.
· o comprimento do crânio em relação ao do focinho é de 9 para 5.
COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: de caráter alegre, equilibrado e muito
sociável com os humanos e com outros cães. Adaptase
perfeitamente a qualquer estilo
de vida. O temperamento do Coton de Tuléar é uma das principais características da
raça.
CABEÇA: curta; vista de cima, triangular.
REGIÃO CRANIANA
Crânio: visto de frente, ligeiramente arredondado, bastante largo em relação ao seu
comprimento. Arcadas superciliares pouco desenvolvidas. O sulco frontal assim
como a protuberância e a crista occipital são pouco marcados. Arcadas zigomáticas
bem desenvolvidas.
Stop: ligeiro.
REGIÃO FACIAL
Tr ufa: em prolongamento da cana nasal. Cor preta; marrom é tolerado; narinas bem
abertas.
Focinho: reto.
Lábios: fi nos, aderentes, da mesma cor da trufa.
Maxilares / Dentes: dentes bem alinhados. Mordedura em tesoura, torquê;s ou tesoura
invertida, sem perder contato. A ausê;ncia dos P1 não será penalizada; os M3 não são
levados em consideração.
Bochechas: magras.
Olhos: redondos, escuros, vivos, bem separados; as bordas das pálpebras são bem
pigmentadas de preto ou marrom de acordo com a cor da trufa.
Orelhas: pendentes, triangulares, inseridas altas no crânio, fi nas nas pontas; portadas
rentes às bochechas, alcançando a comissura labial. Cobertas por pê;los brancos ou
com tons de cinza claro ( mistura de pê;los brancos com pretos que dá uma aparê;ncia
de cinza claro) ou vermelho ruão (mistura de pê;los brancos com fulvo que dá uma
aparê;ncia de vermelho ruão).
PESCOÇO: bem musculoso, ligeiramente arqueado. Pescoço bem inserido nos
ombros. Proporção pescoço/corpo = 1/5. Pescoço limpo, sem barbelas.
TRONCO: linha superior ligeiramente convexa. Cão mais longo do que alto.
Cernelha: ligeiramente marcada.
Dorso e lombo: dorso forte, linha superior muito ligeiramente arqueada. Lombo bem
musculoso.
Garupa: oblíqua, curta e musculosa.
Peito: bem desenvolvido; bem descido até o nível dos cotovelos; longo. Costelas
bem arqueadas.
Linha inferior: esgalgada, mas não excessivamente.
CAUDA: inserida baixa, no eixo da coluna vertebral.
· Em repouso: portada abaixo do jarrete, a ponta sendo levantada.
· Em movimento: portada alegremente curvada sobre o dorso, com a ponta em
direção à nuca, cernelha, dorso ou lombo. Em cães com pelagem abundante, a
ponta pode repousar na região dorsolombar.
MEMBROS
Anter iores: as pernas dianteiras são bem aprumadas.
Ombros e Braços: ombros oblíquos, musculosos. Ângulo escápuloumeral
mais ou
6
menos 120°. O comprimento dos braços corresponde aproximadamente ao da escápula.
Antebraços: ângulo úmeroradial
de mais ou menos 120°. Os antebraços são verticais e
paralelos, bem musculosos, com bons ossos. O comprimento do antebraço corresponde
aproximadamente ao do braço.
Carpos: a continuação da linha do braço.
Metacarpos: fortes; vistos de perfi l, ligeiramente oblíquos.
Patas dianteir as: pequenas, redondas, dedos fechados, arqueados; almofadas
pigmentadas.
Posteriores: aprumados. Apesar de não serem valorizados, a presença de ergôs não
é penalizada.
Coxas: fortemente musculosas, formando um ângulo coxofemoral de 80°.
Per nas: oblíquas, formando com o fê;mur um ângulo de mais ou menos 120°.
Articulação do jarrete: seca, bem defi nida, ângulo de mais ou menos 160°.
Metatarsos: verticais.
Patas posteriores: idê;nticas às anteriores.
MOVIMENTAÇÃO: livre e fl uente, sem cobrir muito o solo. Durante a movimentação,
o dorso se mantém fi rme e sem sinal de movimento irregular.
PELE: fi na e bem aderente ao corpo em cada uma de suas partes. É de cor rosa, mas
pode ser pigmentada.
PELAGEM
Pê;lo: é a maior característica desta raça, da qual seu nome deriva. Muito macia e
fl exível com a textura do algodão, nunca dura ou áspera; a pelagem é densa, profusa
e pode ser levemente ondulada.
COR: cor de base: branca. Uma ligeira sombra de cor cinza claro (mistura de pê;los
brancos com pê;los pretos) ou vermelho ruão (mistura de pê;los brancos com pê;los
fulvos) é permitida nas orelhas. Nas outras partes do corpo, esses tons podem ser
tolerados se não alterarem a aparê;ncia geral de uma pelagem branca, mas não são
desejados.
TAMANHO / PESO
Machos: 26 a 28 cm, tolerância de 2 cm para cima e 1 cm para baixo.
Fê;meas: 23 a 25 cm, tolerância de 2 cm para cima e 1 cm para baixo.
Peso: Machos: de 4 kg. Máximo de 6 kg.
Fê;meas: de 3,5 kg. Máximo de 5 kg .
FALTAS: qualquer desvio dos termos desde padrão deve ser considerado como falta
e penalizado na exata proporção de sua gravidade.
 



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletA Cobra e a Rolinha

bulletVagalume pato fu

bulletPasse em Casa

bulletCarneirinho, carneirão

bulletPaga pau



Dicas Veterinárias:

bulletCarapatos - babesiose e erliquiose

bulletCinomose

bulletTabela de vacinação de cavalos/éguas/equinos

bulletO condrossarcoma da laringe e traquéia em cães

bulletSeu cão é bem socializado?



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Desirée Schiffer Mariotti, Médica Veterinária, Pósgraduanda em Diagnóstico por Imagem, Indaiatuba/SP desiree.veterinaria@hotmail.com tel 19 98633617>

bullet sergio villa santi svillasanti@aolcom
embaixador da oster no brasil
república dos c?es
avorozimbo maia, 1515, cambui, campinas/sp
fone: (19) 3255-1578>

bullet Kadu Camargo Professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, responsável pelo G.E.R.E. (Grupo de Estudos em Reprodução Equina PUCPR); Doutorando do Programa de Pós Graduação em Medicina Animal: Equinos, na área da Reprodução Equina da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). E mail: kaducamargo@gmail.com Leia mais sobre esse assunto em https://www.revistahorse.com.br/imprensa/cuidados durante a gestacao de eguas os primeiros 60 dias sao os mais criticos/20170410 175102 j086>

bullet Chani Blue http://www.epochtimes.com.br/equoterapiaeficazcombateproblemaspsicologicos/>

bullet Virgínia Figuerôa (11) 55061144 / virginia@ecco.inf.br>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletO cachorro (el perro)

bulletManda-chuva o filme (don gato y su pandilla)

bulletDeu a louca nos bichos

bulletK-9 - um policial bom pra cachorro (k-9)

bulletO mar não está prá peixe: tubarões à vista! (the reef 2: high tide)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletVida de cão

bulletA arca de noé

bulletLivro definitivo de dicas e sugestoes de jardinagem

bulletExplicação dos pássaros

bullet4 vidas de um cachorro

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos