Home Page > Raças & Espécies > Cães > Bouvier des flandres

Bouvier des flandres

bouvierdesflandres

País de origem: Bélgica / França
Nome no país de origem: Bouvier des Flandres / Vlaamse Koehond
Utilização: Originalmente, o Bouvier de Flandres foi empregado
como condutor de gado, como cão de tração e como
cão batedor. A modernização dos equipamentos das
fazendas modificou sua utilização inicial e, atualmente,
o Bouvier de Flandres serve, principalmente, como cão
de guarda da propriedade e das fazendas, cão de defesa
e policial. Suas aptidões físicas e mentais, suas
excelentes qualidades olfativas, sua iniciativa e
inteligê;ncia permitem que ele seja utilizado como cão
de faro, estafeta ou perseguidor de caçadores de caça
proibida.
Sujeito à prova de trabalho para campeonato internacional.
RESUMO HISTÓRICO o Bouvier des Flandres, como indica seu nome, é originário
da região de Flandres, região essa considerada tanto belga quanto francesa, sem qualquer
fronteira natural separando. Os boiadeiros e condutores de gado de Flandres, que
precisavam de bons cães para conduzir seus rebanhos, selecionavam os cães de
acordo com suas qualidades, comportamento e físico. Qualidades que o atual Bouvier
des Flandres herdou.
APARÊNCIA GERAL: brevilíneo. Com tronco curto e atarracado, membros
fortes e bem musculosos. O Bouvier de Flandres dá uma impressão de potê;ncia sem
rusticidade. Deve ser julgado em sua posição natural, sem nenhum contato com o
apresentador.
PROPORÇÕES IMPORTANTES
• o comprimento do corpo, da ponta do ombro à ponta da nádega, deve ser,
sensivelmente, igual à altura na cernelha.
• a proporção do comprimento do crânio em relação ao comprimento do focinho
é de 3:2.
COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: possui temperamento calmo,
sensível, equilibrado e destemido. Pelo fogo do olhar, ele revela inteligê;ncia, energia e
audácia. Deve conservar, absolutamente, suas aptidões para o trabalho. Qualquer desvio
que possa prejudicá-las deverá ser penalizado.
CABEÇA: de aparê;ncia massuda; mais acentuada ainda pela barba e pelos bigodes.
É proporcional ao tronco e ao porte. Revela-se bem cinzelada ao toque.
REGIÃO CRANIANA: bem desenvolvida e plana; um pouco mais longa que larga.
As linhas superiores do crânio e do focinho são paralelas. O sulco frontal é apenas
marcado.
Stop: pouco marcado, mais aparente que real em virtude dos supercílios elevados.
4
REGIÃO FACIAL
Trufa: de perfil, continua a linha superior do focinho em suave arco convexo na
ponta. Bem desenvolvida, de narinas bem abertas, bordas arredondadas e sempre de
cor preta.
Focinho: grande, poderoso, ossudo, de linha superior reta, diminuindo para a frente,
sem ser pontudo. Mais curto que o crânio na proporção de 3:2, e, seu perímetro,
medido logo à frente dos olhos, é quase igual ao comprimento da cabeça.
Lábios: bem fechados e fortemente pigmentados.
Maxilares / Dentes: poderosos, de igual comprimento, podendo articular os dentes
incisivos, igualmente, com a mordedura em tesoura, ou tocando-se de topo com a
mordedura em torquê;s. Dentes fortes, brancos e sadios. A dentição deve ser completa.
Bochechas: planas e secas. Arcos zigomáticos pouco salientes.
Olhos: de expressão franca e enérgica; nem proeminentes nem profundos nas órbitas.
De formato ligeiramente oval, são inseridos numa linha horizontal. A cor deve ser a
mais escura de acordo com a pelagem. Os olhos claros ou de rapina devem ser
severamente penalizados. Pálpebras de cor preta, sem sinal de despigmentação. As
conjuntivas não devem nunca ser aparentes.
Orelhas: cortadas em forma de triângulo; portadas bem retas; inseridas altas e móveis;
recomenda-se que o corte seja proporcional ao tamanho da cabeça.
Orelhas não amputadas:
Posição: de inserção alta, acima do nível dos olhos, a dobra
não deve ultrapassar o plano superior do crânio.
Forma e porte: semi-longas, em forma de um triângulo eqüilátero, levemente
arredondadas nas pontas, caindo rentes às faces, salvo um leve afastamento junto à
inserção; nem dobradas nem cacheadas; proporcionais ao tamanho da cabeça;
revestidas de pelos rasos.
PESCOÇO: deverá ser livre e suficientemente elevado. Forte, musculoso, alargandose
gradualmente para os ombros; seu comprimento é ligeiramente menor que o da
cabeça. Nuca poderosa e ligeiramente arqueada. Sem barbelas.
5
TRONCO: poderoso, robusto e curto.
Linha superior: linha superior do dorso e do lombo horizontal, esticada e firme.
Cernelha: ligeiramente saliente.
Dorso: curto, largo, musculoso e bem substancioso; sem aparê;ncia de fraqueza, ainda
que flexível.
Lombo: curto, largo, musculoso; flexível e sem aparente fraqueza.
Garupa: em continuação à linha superior fundindo-se imperceptivelmente à cintura
pélvica. De largura moderada nos machos e mais desenvolvida nas fê;meas. A garupa
caída é um defeito.
Peito: largo e bem descido até o nível dos cotovelos. Ele não deve ser cilíndrico. As
primeiras costelas são ligeiramente arqueadas; as outras, bem arqueadas e muito
inclinadas para trás, conferindo o comprimento desejável ao peito. As costelas planas
serão severamente penalizadas. A distância entre a parte anterior do esterno e a última
costela deve ser grande, mais ou menos 7/10 da altura na cernelha.
Linha inferior: a parte inferior do peito se levanta muito ligeiramente para o ventre
levemente esgalgado. Os flancos são curtos, especialmente nos machos.
CAUDA: inserida relativamente alta, devendo estar no alinhamento da coluna vertebral.
Alguns cães podem apresentar anurismo congê;nito, não devendo ser penalizados. A
cauda deve ser cortada na semana do nascimento, deixando duas ou trê;s vértebras.
Nos países onde a caudectomia é proibida, a cauda inteira é admitida.
MEMBROS
ANTERIORES: de ossatura forte, bem musculosos. São perfeitamente retos e
paralelos vistos de frente.
Ombros: escápulas relativamente longas, musculosas, sem serem pesadas;
moderadamente anguladas; do mesmo comprimento que o úmero.
Braços: moderadamente oblíquos.
Cotovelos: trabalhando bem ajustados e paralelos; rentes ao tórax e corretamente
direcionados para a frente, não virando nem para fora nem para dentro.
6
Antebraços: vistos de qualquer ângulo, paralelos e verticais. Bem musculosos com
uma forte ossatura.
Carpos: no mesmo prumo do antebraço. O osso pisiforme é a única parte saliente.
Ossatura forte.
Metacarpos: muito curtos e de pouquíssima inclinação. Ossatura forte.
Patas: curtas, redondas e compactas, não viradas nem para fora nem para dentro.
Dedos fechados e arqueados. Unhas fortes e pretas. Almofadas espessas e duras.
POSTERIORES: poderosos, com musculatura pronunciada, bem aprumados.
Vistos por trás, perfeitamente paralelos; devem se mover no mesmo plano dos
anteriores.
Coxas: largas, bem musculosas, estão direcionadas paralelamente ao plano mediano
do corpo. O fê;mur não deverá ser nem muito reto, nem muito inclinado. A nádega é
bem descida e firme.
Joelhos: sensivelmente colocados sobre uma linha imaginária, partindo do ponto mais
elevado da anca (crista ilíaca) e perpendicular ao solo.
Pernas: moderadamente longas, bem musculosas, moderadamente anguladas.
Metatarsos: robustos e secos, mais para cilíndricos; perpendiculares ao solo quando
o cão está em “stay” natural. Sem ergôs.
Jarretes: curtos, largos, musculosos e firmes. Vistos por trás, são retos e paralelos em
posição de stay. Em movimento, não devem virar nem para dentro nem para fora.
Patas: redondas, sólidas, dedos cerrados e arqueados. Unhas fortes e pretas;
almofadas plantares, espessas e duras.
MOVIMENTAÇÃO: o Bouvier des Flandres deve ser harmoniosamente
proporcionado, de maneira a permitir uma movimentação livre, fluente e confiante. O
passo e o trote são a sua movimentação habitual, embora existam igualmente os que
fazem o passo travado ou passo de camelo. Em trote normal, o Bouvier des Flandres
cobre as suas pegadas dianteiras com seus passos traseiros.
7
PELE: firmemente aderida, sem frouxidão significativa. As bordas das pálpebras e
dos lábios são sempre bem escuras.
PELAGEM
Pelo: bem farto, forma com o subpelo uma capa protetora perfeitamente adaptada
às bruscas variações climáticas da terra de origem da raça. Rústico ao toque, seco e
fosco, nem muito longo nem muito curto (em torno de 6 cm), ligeiramente eriçado sem
ser lanoso ou encaracolado. Sobre a cabeça é mais curto, e quase raso na face externa
das orelhas, cujo pavilhão interno é protegido por uma pelagem moderadamente longa.
O lábio superior guarnecido de bigodes e o queixo de uma barba cerrada e eriçada,
conferindo a expressão barbuda característica da raça. Sobrancelhas revestidas de
pelos levantados, acentuando a forma das arcadas superciliares, sem velar os olhos.O
pelo é, particularmente, espesso e cheio sobre a parte superior do dorso, encurtando
em direção aos membros, mas permanecendo todo áspero. Deve-se evitar o pelo
raso, porque denota uma falta de subpelo. O subpelo é uma camada de pelos finos e
cerrados que ficam sob o pelo de cobertura, formando com ele um manto impermeável.
COR: é geralmente cinza, tigrado ou encarvoado. A pelagem preta é igualmente aceita
sem ser favorecida. A pelagem clara não é admitida. Uma estrela branca no peito é
tolerada.
TAMANHO / PESO
Altura na cernelha: de 62 a 68 cm para os machos.
de 59 a 65 cm para as fê;meas.
Com tolerância de mais ou menos 1 cm. Em cada sexo, a altura ideal é a média dos
dois limites, ou seja, 65 cm para os machos e 62 cm para as fê;meas.
Peso: aproximadamente: de 35 a 40 quilos para os machos.
de 27 a 35 quilos para as fê;meas.
FALTAS: qualquer desvio dos termos deste padrão deverá ser considerado como falta
e penalizado na exata proporção de sua gravidade.
8
FALTAS GRAVES
• cão tímido.
• aspecto molossóide; cão muito pesado.
• corpo nitidamente longo demais (ligeira tolerância para as fê;meas); muito leve.
• cabeça maciça demais; stop muito marcado.
• sulco frontal marcado; apófises zigomáticas muito salientes.
• crânio abobadado, estreito; crista occipital muito pronunciada; total falta de
paralelismo entre o crânio e o focinho.
• focinho muito longo; trufa pontiaguda.
• lábios flácidos ou espessos.
• torção de mandíbula; má oclusão; dentes pequenos, doentes e mal alinhados.
• olhos claros, globulosos; olhar atípico.
• orelhas inteiras franzidas, formando dobras (lobulares).
• pescoço cilíndrico; barbelas.
• dorso selado ou carpeado.
• importantes defeitos de aprumos; jarretes muito angulados; cão muito parado.
• pelo sedoso; ausê;ncia de subpelo; pelo volumoso, brilhante, preparado.
• falta de guarnição na cabeça.
• defeitos de pigmentação: trufa, lábios e pálpebras.
FALTAS ELIMINATÓRIAS
• cão medroso e agressivo.
• falta de tipicidade.
• trufa despigmentada ou de outra cor senão o preto.
• focinho pontudo.
• prognatismo superior ou inferior.
• falta de qualquer outro dente que não seja o PM1.
• olhos de cores diferentes.
• entrópio ou ectrópio; pálpebras despigmentadas.
• pelagem de cor marrom chocolate, branco, sal e pimenta, cor desbotada, qualquer
cor loura, do claro ao vermelho, mesmo encarvoado.
• tamanho fora dos limites do padrão.
• todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento
deve ser desqualificado.
NOTA:
• os machos devem apresentar os dois testículos, de aparê;ncia normal, bem
desenvolvidos e acomodados na bolsa escrotal.



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletReprocissão

bulletBlues do iniciante

bulletOnça pintada

bulletMorro Velho

bulletFilha do mar



Dicas Veterinárias:

bulletNariz e inflamação sinusal em cães

bulletCores de gatos

bulletGengivas aumentadas em cães

bulletGato não gosta de carinho

bulletInflamação dos nódulos linfáticos, trato intestinal (lymphangieasia) em cães



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Equipe Agiliteiros>

bullet Dr. Ciro Pinheiro Mathias Franco Medico Veterinário atuante em odontologia eqüina. Cel. (11) 9814 6666 E mail: ciromedvet@ig.com.br>

bullet Camila Mello, adestradora franqueada da C?o Cidad?o>

bullet Tatiana Grillo
Eu atendo em domicílio em Sorocaba SP
(15) 3019 2101>

bullet Eduardo Lobo, 11 973119698, Rua Lomas Valentinas 358 saude SP, eduardolobo.vet@gmail.com, http://www.equilibriumcursos.com.br , http://www.Facebook.com/Equilibriumvet >



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletO cachorro (el perro)

bulletFlipper (1996)

bulletTubarao i

bulletO reino dos gatos (neko no ongaeshi / baron the cat baron)

bulletBud, o cão amigo - air bud



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletNosso planeta verde - 100 ótimas propostas para trabalhar na educação infantil

bulletPassaros sao eternos, os

bulletCachorro tem cada uma

bulletGato que gostava de cenoura

bulletA arca de noé

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos