Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

Home Page > Notícias > Mico-leão-dourado é "case" de sucesso para preservação, mas vê nova ameaça

Compartilhe em suas redes sociais:

Mico-leão-dourado é "case" de sucesso para preservação, mas vê nova ameaça


Unificação

Unificação de unidades de proteção pode afetar sobrevivência do mico-leão-dourado Imagem: Wikimedia

Marcos Candido

De Ecoa, em São Paulo

05/06/2020 04h00

O mico-leão-dourado habitava toda a região costeira do Rio de Janeiro e Espírito Santo antes das cidades e dos caçadores avançarem contra a Mata Atlântica. No Dia Mundial do Meio Ambiente, hoje (5), o primata é o símbolo de como a união de forças pode salvar uma espécie da extinção. O mico-leão-dourado também tem dado sinais de como a pauta ambiental se rodeou de incertezas no Brasil, com demissão de agentes na linha de frente da preservação.

Atualmente, o mico-leão-dourado habita fronteiras bem delimitadas e sob a guarda de pesquisadores, órgãos ambientais, como o Ibama, e de organizações civis e pessoas físicas. Os primeiros estudos de preservação da espécie datam dos anos 1960, mas foi só em 1970 que o governo federal desenvolveu um programa específico para preservá-lo, feito em parceria com o Instituto Smithsonian e o Zoológico Nacional de Washington, nos EUA. Em 1974, foi criada a Reserva Biológica de Poço das Antas para preservar o habitat do mico-leão-dourado.

Tanto trabalho deu resultado. Na década de 60, eram apenas 400 espécimes no país. Hoje, são 2.500.

Dez anos após a primeira associação civil dedicada exclusivamente ao mico-leão-dourado, a Associação Mico-leão-dourado, o animal foi reproduzido na cédula de R$ 20, em 2002. Na mesma época, um estudo da ONG demonstrou ser preciso mais de dois mil micos-leões-dourados em liberdade em uma área de 25 mil hectares de florestas protegidas e conectadas para considerá-lo uma espécie a salvo da extinção.

Apesar do número de animais ter sido atingido, as tais florestas ainda não existem. Os micos-leões-dourados vivem em fragmentos da Mata Atlântica em unidades de conservação no Rio de Janeiro — e só.

As unidades são administradas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio) em trechos na região e buscam preservar o habitat e aumentar sua população para tentar garantir a sobrevivência da espécia. Em maio deste ano, porém, um roteiro de incertezas tem pairado sobre as áreas protegidas.

Risco de desmonte das unidades de conservação

O ICMBio exonerou todos os chefes das unidades de conservação do mico-leão-dourado. O motivo seria a criação de uma só diretoria, com apenas um chefe, para cuidar de todas as áreas protegidas no Rio de Janeiro. A sede do centro será no município de Rio das Ostras. Assim, áreas distantes em quase 80 km entre si e com atividades diferentes, como Arraial do Cabo e Poço das Antas, ficariam muito longe dos olhares da chefia.

A exoneração dos gestores das reservas da União, Poço das Antas e da Área de Proteção Ambiental da Bacia do Rio São João/Mico-Leão-Dourado foi anunciada no Diário Oficial no dia 12 de maio, mas até agora o centro de Gestão Integrada não foi criado.

 

Projeto

Projeto do ICMBio de unificação de áreas onde estão o Mico-leão-dourado

Imagem: Reprodução

 

O Ministério Público Federal (MPF) também afirma que os funcionários não foram devidamente informados sobre a mudança. Muitos souberam da exoneração pelo Diário Oficial. Para os promotores, a criação do núcleo unificado "desloca a tomada de decisões para uma sede única e geograficamente distante das áreas protegidas" e das quais espera-se chefes com conhecimento específico sobre a região.

Ecoa apurou que a exoneração dividiu funcionários entre favoráveis e contrários à medida. Em comum, há a preocupação com a demora para anunciar o novo chefe e quais serão os parâmetros usados para a nomeação.

"Houve uma reforma administrativa durante a pandemia e há conselhos que não foram consultados", explica Luiz Paulo Ferraz, secretário-executivo da Associação Mico-Leão-Dourado. Segundo ele, foi justamente a força entre estado e ONGs que ajudou a alçar o mico-leão-dourado no imaginário do brasileiro a favor da preservação, impulsionado pela coloração dourada e o jeito carismático do bichinho de 26 cm de altura.

Símbolo da importância da preservação

 

Andreia

Imagem: Andreia F. Martins/Associação Mico-Leão-Dourado/Reprodução

 

A fama, porém, colocou o mico-leão-dourado no alvo de caçadores. Descritos desde a chegada dos portugueses ao Brasil em 1519, eles se tornaram populares entre aristocratas desde o século 16 e 17, e foram parar em retratos de pintores europeus. Ao longo de décadas, foram caçados às centenas e vendidos em beiras de rodovia como animais de estimação. Ao mesmo tempo, em 2014 tornou-se um candidato a mascote da Copa do Mundo de 2014 no Brasil, vivendo uma realidade mista entre adoração e perseguição - o posto foi para Fuleco, o tatu-bola.

Em 2011, a ONG conseguiu mobilizar a criação de um viaduto ecológico para a travessia de micos da reserva de Poço das Antas com a área da APA da Bacia Rio São João/Mico-Leão-Dourado. A rodovia BR 101 divide os dois lados, e impede a abertura de mais hectares para trânsito dos micos. A obra deve ser concluída ainda em 2020, quase dez anos depois, e é uma parceria da ONG com o Ibama, ICMBio, Agência Nacional de Transportes Terrestes (Antt), Ministério Público Federal e da concessionária responsável pelo trecho.

"O desmatamento, e por ser muito bonitinho, incentivou os humanos a quase colocá-lo em extinção. Mas com um projeto bem estruturado, o mico-leão-dourado tornou-se um símbolo bem-sucedido de reintrodução de uma espécie. Especialmente um primata, o que é muito difícil de acontecer", explica Rita Portal, professora do departamento de biologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UERJ) que estuda a extração a região.

Quem acompanhou de perto o trabalho de preservação da espécie compreende os possíveis efeitos de ações desastrosas por parte do governo. Os pesquisadores e professores da universidade emitiram um abaixo-assinado contra a exoneração dos chefes das unidades de conservação e contra o distanciamento entre a direção e as áreas de conservação. Para Rita, a apreensão à decisão administrativa foi reforçada pelas declarações do governo federal em "passar a boiada"

Nos últimos meses, uma série de exonerações no ICMbio são promovidas pelo Ministério do Meio Ambiente para a criação de centros unificados. A ação do ministério militarizou as direções em todo o país. Entidades e ONGs também foram retirados do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) no final do ano passado. De 96 sobraram apenas 26 representantes; a maioria atual é de agentes do governo federal. O ICMBio foi consultado para a reportagem, mas não respondeu aos pedidos de Ecoa.

"Com a fala do ministro Ricardo Salles do Meio Ambiente durante a reunião ministerial, vimos que é um ministro que não tem muita preocupação com a biodiversidade", conclui a professora da UERJ.

Como ajudar o mico-leão-dourado?

  • Doe para ONG de proteção ao mico. Mais detalhes em micoleao.org
  • Visite (após a pandemia)! O turismo a parques com a presença do mico-leão-dourado no Rio de Janeiro ajuda a preservá-lo e sustentar as entidades
  • Não compre e denuncie a venda de animais silvestres para o Ibama 0800 618080 ou ao Ministério Público. Também vale para caso de desmatamento!
  • Financie instituições no combate à venda de animais silvestres. Mais informações em Renctas

Desmatamento cresce na Mata Atlântica

O desmatamento na Mata Atlântica aumentou 27,2% entre 2018 e 2019, segundo levantamento da ONG SOS Mata Atlântica em parceria com o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) divulgado no dia 27 de maio, Dia Nacional da Mata Atlântica e publicado em Ecoa.

Isso significa que foram 14.502 hectares a menos de vegetação nativa em todo o país, a maior perda desde 2016. O Mico-leão-dourado é uma espécie endêmica e vive somente na Mata Atlântica. O índice de desmatamento não considera os chamados "microdesmatamentos", em que casas e rodovias desmatam pequenas porções do bioma, que um dia já chegou a ser conectado à região amazônica.



Fonte da Notícia: https://www.uol.com.br/ecoa/ultimas-noticias/2020/06/05/mico-leao-dourado-e-case-de-sucesso-para-preservacao-mas-ve-nova-ameaca.htm



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:



Dicas de Profissionais do ramo pet e agropecuário:


bulletAnestesia em cães e gatos

bulletConfira o que fazer para socorrer uma vítima de ataque de abelhas

bulletPênfigo

bulletAs células tronco mesenquimais na medicina veterinária!

bulletComo saber se seu animal de estimação tem problemas emocionais


Ver todas as Dicas de Profissionais



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores



bullet cepav laboratórios
fone: (11) 3872-9553
rua tanabí, 185 - são paulo/sp
www.cepav.com.br

bullet Joe Abiko, sou adestrador especialista em comportamento canino.

Whatsapp 44 99887 2134
http://www.caoaeduca.com
Maringa, PR

bullet Douglas Frigo
crmv 15675
ki canário pet complex http://www.kicanario.com.br

bullet dr ricardo gabeira
crmv-sp 11103
clínica veterinária dr vicente moreno (24 horas)
av independência, 1062, valinhos/sp,
fone: (19) 3849-1274

bullet Jeronimo Ribeiro http://www.showdebicho.com

Ver todas as Dicas dos Colunistas

Letras de Música com temas Animais:


bulletQue nem jiló

bulletBater das asas

bulletCiranda da bailarina

bulletA pulga e o percevejo

bulletPassaro sem asas

Ver todas as Letras de Músicas

Cinema, Filmes e Seriados:


bulletA morte anda a cavalo (da uomo a uomo / death rides a horse)

bulletK-9 - um policial bom pra cachorro (k-9)

bulletFlipper (1996)

bulletMinha vida de cachorro (mitt liv som hund)

bulletO gato preto (the black cat)


Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletVira-lata? não! também sou cachorro

bulletAtlas colorido de anatomia veterinária do cão e gato

bulletPequenos passaros

bulletA princesa e o sapo

bullet4 vidas de um cachorro

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos