Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

Home Page > Notícias > filhotes de raia brasileiros são os primeiros já nascidos em cativeiro

Compartilhe em suas redes sociais:

filhotes de raia brasileiros são os primeiros já nascidos em cativeiro


Após o primeiro nascimento histórico de cinco raias-borboleta mantidas em cativeiro no ano passado, aquário está pronto para a chegada da próxima ninhada.terça-feira, 23 de julho de 2019

 

Raias-borboleta

Raias-borboleta mescladas na areia, se camuflando para caçar pequenos peixes, crustáceos e moluscos. Elas se reproduziram em cativeiro pela primeira vez em agosto como parte do projeto de conservação da espécie.

FOTO DE BLICK WINKEL, ALAMY

Quase um ano depois do nascimento histórico de cinco raias-borboleta no Aquário Marinho do Rio de Janeiro (AquaRio), biólogos e veterinários estão se preparando para receber outra leva de pequeninas raias na família.

Em apenas seis meses — período gestacional da Gymnura altavela, nativa das águas rasas da costa do Atlântico, inclusive na fronteira com o sudeste do Brasil — os filhotes, cujo número ainda é desconhecido,  se juntarão a três machos e duas fêmeas, que são os primeiros nascidos em cativeiro no mundo, em agosto do ano passado, um sinal positivo para uma espécie que pode entrar em extinção futuramente.

Apesar da ilegalidade da captura e venda dessas espécies no Brasil, a pesca é uma das principais ameaças enfrentadas pelas raias-borboleta, que podem chegar a quase dois metros de largura. Elas são procuradas por pescadores artesanais, que as comercializam, e também ficam presas acidentalmente em redes de arrasto. A outra ameaça que inibe sua população é a poluição. Esses dois motivos levaram a espécie a ser classificada na Lista Vermelha da IUCN como vulnerável, com sua população em declínio. No Brasil, elas são consideradas gravemente ameaçadas de extinção.

Lar doce lar

As primeiras raias nascidas em cativeiro foram vistas pelo público pela primeira vez quando a TV Globo recebeu autorização para filmá-las no mês passado. Marcelo Szpilman, biólogo marinho e Diretor-Presidente do AquaRio conta que elas estão se desenvolvendo e que sua estreia ao público acontecerá em breve no Tanque Oceânico, onde desempenharão um importante papel de conscientização dos visitantes.

“Você não preserva aquilo que não conhece”, ele diz. “O aquário tem o papel de mostrar as espécies ameaçadas, ajudando as pessoas a entenderem a importância de sua conservação. É preciso conhecer para conservar”.

Os nascimentos sem precedentes do AquaRio em agosto do ano passado, a gestação e os cuidados após o nascimento de cinco filhotes fizeram parte de um delicado processo planejado pela equipe do aquário.

Devido às raias-borboletas serem particularmente sensíveis ao ambiente em que vivem, os pesquisadores precisaram criar condições ideais para que elas se sentissem confortáveis e pudessem viver naturalmente, como se estivessem no oceano.

“Queríamos nos certificar de que as arraias teriam condições para se reproduzir por conta própria”, diz Szpilman. O sucesso se deve ao tamanho do Tanque Oceânico, que comporta 3,5 milhões de litros de água, à qualidade excepcional da água e ao ecossistema estável criado por diversas espécies de tubarão, raias e peixes que chamam o tanque de lar.

“A reprodução em cativeiro, quando bem-sucedida, é de extrema importância para a conservação da espécie”, explica Patricia Charve do grupo especializado em tubarões da IUCN e bióloga especializada em tubarões e raias. “É importante porque indica que estão sendo bem cuidadas e que querem deixar seus descendentes”.

 

Três

Três das raias-borboleta reproduzidas em cativeiro nadam em um tanque do Aquário Marinho do Rio de Janeiro.

FOTO DE ALEXANDRE MACIEIRA

O nascimento ocorreu em um tanque menor dentro do Tanque Oceânico, normalmente utilizado por mergulhadores que cuidam da espécie. O tanque permitiu que a fêmea permanecesse em seu habitat e que os veterinários monitorassem seus filhotes por meio de ultrassonografia ajudando os recém-nascidos a entrarem na água pela primeira vez. Os filhotes de raia apresentam alta taxa de mortalidade devido aos predadores naturais, portanto, os cinco filhotes ficaram em quarentena, uma medida que tinha como objetivo mantê-los longe dos tubarões do tanque maior.

Agora com 11 meses de idade, eles estão se desenvolvendo e aguardando para serem introduzidos em breve ao Tanque Oceânico.

Retornando ao mar aberto

Para Izeni Pires Farias, biólogo e professor da Universidade Federal do Amazonas, manter mais raias em cativeiro não é o que empolga nos nascimentos ocorridos no AquaRio, e sim a possibilidade de reintroduzi-las no oceano, que é de extrema importância.

“Após o êxito da reprodução em cativeiro, o próximo passo é a futura introdução de indivíduos na natureza para repopular as áreas afetadas”, ela explica.

Szpilman espera que algum dia as raias-borboleta sejam reintroduzidas na natureza — “Esse é o objetivo final de todo esse processo”, ele diz — mas ainda faltam alguns anos para que esse objetivo seja alcançado, pois sem uma população maior de raias fêmeas e machos criadas em cativeiro e sem melhores condições de sobrevivência na natureza, tudo isso fará pouca diferença.

Contudo ele está otimista que elas chegarão lá. E caso elas não consigam, ele tem certeza de que o trabalho da equipe do AquaRio ajudou a raia-borboleta a se afastar um pouco da extinção.

“Quando um animal é extinto na natureza e não houver nenhum exemplar dele em cativeiros, zoológicos ou aquários, essas espécies ficarão extintas do mundo”, ele diz. “Caso essa espécie, a raia-borboleta, desapareça da natureza, o que não é impossível, pelo menos ainda poderemos manter a biodiversidade do nosso planeta de alguma forma, por elas ainda existirem em cativeiro.”



Fonte da Notícia: https://www.nationalgeographicbrasil.com/animais/2019/07/filhotes-de-raia-brasileiros-sao-os-primeiros-ja-nascidos-em-cativeiro



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:



Dicas de Profissionais do ramo pet e agropecuário:


bulletParalisação ventricular em cães

bulletChoque devido é infecção bacteriana em cães

bulletA neurectomia equina

bulletA superprodução de estrogênio em cães

bulletA instabilidade atlantoaxial (iaa


Ver todas as Dicas de Profissionais



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores



bullet Gabriel Guerreiro Qual quer dúvida ou sugesteatilde;o enbsp;estarei respondendo no email Gabriel_g_f@hotmail.com no twitter @AdestramentoDOG

bullet Fernanda Aparecida de Gouvêa Oliveira Paro bióloga e crbio 43684/01 protetora animal independente educadora ambiental nanda_paro@yahoocombr

bullet Equipe Agiliteiros

bullet M.V. Arthur César Ferreira Av. Brasil 1772, Jd. Chapadão Campinas/SP * ATENDIMENTO 24HRS * (ao Lado do posto Shell cruzamento com a Imperatriz Leopoldina x Francisco josé de Camargo Andrade) (19) 3212 2601 // (19) 9822

bullet Marne Campos
aquarismo online [aqol]
www.aquaonline.com.br

Ver todas as Dicas dos Colunistas

Letras de Música com temas Animais:


bulletMilagre dos peixes

bulletMenino passaro

bulletConversa pra boi dormir

bulletO pescoço da girafa

bulletReidosratos

Ver todas as Letras de Músicas

Cinema, Filmes e Seriados:


bulletUm homem chamado cavalo (a man called horse)

bulletO gato de madame

bulletBabe, o porquinho atrapalhado

bulletEu sou a lenda

bulletGodzilla


Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletO homem que amava os cachorros

bulletSinopse do livro 97 maneiras de fazer seu cachorro sorrir

bulletExplicação dos pássaros

bulletAtlas colorido de anatomia veterinária do cão e gato

bulletNosso planeta verde - 100 ótimas propostas para trabalhar na educação infantil

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos