Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

Home Page > Notícias > Estados têm baixo estoque de soro contra raiva

Compartilhe em suas redes sociais:

Estados têm baixo estoque de soro contra raiva


O Ministério da Saúde alerta para o uso racional dos estoques, que estão em baixa desde 2015

novembro 15, 2019 (Atualizado em: 15-11-2019)

src=

Imagem: bbstudio_aad/iStock



Uma das estratégias de prevenção da raiva após suspeita de exposição ao vírus, o soro antirrábico tem registrado baixos estoques no país e levado estados a reforçar o alerta sobre o uso racional do produto.

Segundo o Ministério da Saúde, o problema ocorre desde 2015, e voltou a registrar alerta nos últimos meses. Em documento, a pasta diz que, diante da escassez, vem enviando para distribuição “cerca de 10% do quantitativo necessário”.

À reportagem, há estados que disseram ter recebido até 30% das doses de soro contra raiva solicitadas em outubro. 

Historicamente, a média de envio mensal do soro aos estados tem sido 12.000 ampolas. Atualmente, a pasta diz ter 5.000 frascos em seu estoque.

Em geral, o soro antirrábico é utilizado em conjunto com a vacina nos casos em que uma pessoa é mordida ou ferida de forma grave por um animal suspeito e há maior risco de adquirir a doença.

A indicação depende do tipo de exposição e das condições do animal agressor. Entre os critérios, está a ocorrência de ferimentos mais profundos, lesões em partes do corpo de maior circulação sanguínea e se há possibilidade ou não de monitorar o animal, por exemplo.

“O soro é utilizado toda vez que tem uma agressão grave ou que não conhece o animal, não sabe o status vacinal dele e não se tem como observá-lo”, explica Rita Medeiros, consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia e professora da UFPA (Universidade Federal do Pará).

Segundo ela, a maioria das demandas no país têm sido devido a agressões por cães quando há algum desses critérios — nos demais, a indicação é apenas a vacina.

Ela cita ainda a indicação em caso de agressão por animais silvestres, como morcegos, que respondem pela maioria dos casos de raiva humana nos últimos anos.

Veja também: 13 segredos que vão deixar seus animais de estimação ainda mais felizes

O objetivo é produzir anticorpos no local do ferimento, como forma de controle rápido do vírus. Isso ocorre porque a doença, que causa encefalite (inflamação do cérebro), tem letalidade de aproximadamente 100% –daí a importância de prevenção.

Só em 2018, foram 58.505 atendimentos no país com uso de soro e vacina antirrábica. Neste ano, de janeiro a setembro, já foram registrados 32.682 atendimentos.

Embora a vacina contra a raiva também seja indicada e esteja regular, especialistas apontam quem o soro contra raiva é tido como a forma mais rápida de controlar o vírus para casos graves.

Outra opção é a imunoglobulina antirrábica. A produção limitada, o alto custo e a necessidade de importação, porém, dificultam a obtenção do produto, de acordo com o ministério. Em outubro, só 7% da quantidade solicitada pelos estados foi enviada. Atualmente, a pasta diz ter 282 frascos disponíveis.

Secretarias estaduais de saúde de sete estados, entre dez procurados pela reportagem, confirmam os baixos estoques. São eles: Ceará, Bahia, Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina. Já Goiás, Amazonas e Pará disseram ter estoques estratégicos e soros em quantidade suficiente.

A situação tem levado estados com menor volume de soros a adotarem medidas reforçar a profissionais de saúde a necessidade de observar protocolos de indicação do produto, na tentativa de evitar falta em casos de acidentes graves.

Questionado, o Ministério da Saúde diz que o baixo estoque de soro antirrábico está relacionado a entraves na produção. Atualmente, de três fornecedores de soro antirrábico ao SUS, apenas o Instituto Butantan está com a fabricação mantida.

Veja também: Doença do carrapato: o que é e como proteger seus animais

Outros dois produtores, Instituto Vital Brazil e a Funed, informam que a produção foi suspensa devido à mudança nas regras de boas práticas da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) nos últimos anos, o que exigiu obras de adequação da antiga planta das fábricas às novas regras.
Em nota, o Vital Brazil informa ter aberto uma licitação para adequação da área de envases e a produção deve ser retomada em até três meses após a definição da empresa.

Já a Funed diz que as obras estão em fase final e que espera retomar a produção em 2020.

Em meio aos problemas, o Butantan fez um acordo com o ministério para aumentar a produção e fornecer 98 mil frascos em um ano.

Questionado, o ministério nega aumento de casos da doença devido ao problema. Diz ainda que houve apenas um registro de raiva humana neste ano -de uma paciente em Santa Catarina que não procurou atendimento, e morreu 40 dias depois. A secretaria estadual disse ter feito ações de controle local, com reforço na vacinação de animais após o caso.

Segundo a pasta, nos últimos 16 anos, 86% dos casos de mortes por raiva foram de pacientes que não fizeram uso do esquema de prevenção. Em 2018, foram 11 mortes.

Para Medeiros, da SBI, a escassez de soro contra a raiva leva o país a um quadro temeroso. “Se a pessoa for mordida e for uma agressão grave, há risco”, afirma.

O secretário de vigilância em saúde, Wanderson Oliveira, diz que parte do problema ocorre devido ao uso indiscriminado do produto. Daí o reforço pela necessidade de seguir protocolos de indicação. “Às vezes você tem o uso do soro porque o gato que a pessoa cuida a arranhou. Não é necessário.”

Natália Cancian, F



Fonte da Notícia: https://www.selecoes.com.br/especial/estados-tem-baixo-estoque-de-soro-contra-raiva/?origem=terra



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletMimoso

bulletO gato tico

bulletA dança dos ossos

bulletCavalgada/amada amante

bulletÉ o bicho



Dicas Veterinárias:

bulletVisão noturna dos cães

bulletO gato idoso

bulletCarta ao meu humano

bulletSentidos do cão

bulletCrianças e bichos não combinam com cigarros



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Jacqueline R. F. Cremoneze profissão: Médica Veteriária CRMVSP21312 Sou médica veterinária formada pela Faculdade de Jaguariúna em junho 2006, e minha dedicação com as aves começou no ano de 2003. Devido a isso, presto apoio a todos os interess>

bullet René Schubert Psicólogo Clínico. Atua como psicanalista em consultório e hospital psiquiátrico. Desenvolve trabalho com Equoterapia na Hípica das Araucárias (Tel:44821983) Contato: schubert_rene@hotmail.com>

bullet dr clélio costa carreira
médico veterinário
crmv 1910
hovet campinas - hospital veterinário campinas av orosimbo maia 2565 - campinas fone (19) 3294 3377>

bullet Karine Kleine www.grupokleine.com.br>

bullet drajulianabortoletto@hotmail.com http://www.desviralata.com/plantastoxicas/>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletO gato preto (the black cat)

bulletO gato do espaço (the cat from outer space)

bulletKing kong

bulletBingo - esperto pra cachorro (bingo)

bulletComo cães e gatos (cats e dogs)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletLivro dos passaros magicos, o

bulletLivro definitivo de dicas e sugestoes de jardinagem

bulletUm gato entre os pombos

bulletNo meu peito não cabem pássaros

bulletO encantador de cães

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos