Home Page > Notícias > Pesquisadores formam rede para investigar chikungunya no Brasil

Pesquisadores formam rede para investigar chikungunya no Brasil


iStock

A doença é uma das menos estudas entre as transmitidas pelo Aedes aegyptiImagem: iStock

Vinícius Lisboa

Agência Brasil

11/05/2019 09h31

A cabeleireira Vanessa Miranda, de 32 anos, mal conhecia a chikungunya quando foi diagnosticada com a doença, em maio de 2015 e enfrentou quatro anos de dores persistentes e incapacitantes que a afastaram do trabalho. O caso de Vanessa é um dos muitos estudados no Brasil por pesquisadores interessados em entender a evolução da virose para uma doença crônica.

Entender essa evolução é um dos principais objetivos da Rede de Pesquisa Clínica e Aplicada em Chikungunya (Replick), lançada hoje (10) em um simpósio no Rio de Janeiro. Pesquisadores de 11 centros de pesquisa em nove estados brasileiros fazem parte da iniciativa, que é coordenada pelo Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, da Fundação Oswaldo Cruz (INI/Fiocruz). A abrangência da rede vai permitir a investigação de 2 mil casos das cinco regiões do país.

Veja também

O grupo é multidisciplinar e inclui desde profissionais da área da saúde, como médicos, fisioterapeutas e psicólogos, até economistas e cientistas sociais. Além da evolução dos quadros clínicos, os pesquisadores querem mapear os impactos da doença no trabalho, no lazer e no estado psicológico e emocional dos pacientes.

"A gente quer dados para entender melhor a doença e quais as formas de amenizar o sofrimento das pessoas", diz o coordenador do INI/Fiocruz, André Siqueira, que também coordena a Replick. O infectologista explica que ainda há muitas perguntas a serem respondidas sobre a chikungunya, que foi menos estudada do que a dengue e a zika e tem se mostrado mais complexa e com uma maior diversidade de manifestações. Assim como a dengue e a zika, a chikungunya também é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti.

Os pesquisadores também buscam entender a letalidade da chikungunya, que também é maior do que se pensava. "Havia uma impressão de que a doença causava dor e não causava óbito, mas isso está sendo revisto", disse Siqueira. "Pode ser devido tanto ao efeito do próprio vírus como por ser uma doença que causa muita dor e leva ao uso de medicações que podem ser tóxicas em alta quantidade e isso acaba sendo outro fator de complicações".

Incidência

Até meados de abril, o Brasil teve 24 mil casos de chikungunya confirmados, uma taxa de incidência de 11,6 casos para cada 100 mil habitantes. Em tratamento há quatro anos, Vanessa diz que já sente efeitos colaterais dos medicamentos, como problemas no estômago, enjoos e desequilíbrios no diabetes que trata desde a infância.

"Eu sinto muita dor nas articulações, e sinto um cansaço que não é meu. Posso estar sem fazer nada e mesmo assim o cansaço está me consumindo. As dores são todos os dias. Eu não vivo sem dor", lamenta Vanessa, que mora em um apartamento no terceiro andar em um prédio sem elevador. "É difícil lavar uma roupa, não consigo torcer as coisas e tem dias que não consigo beber água, abrir uma garrafa nem me vestir sozinha. Quando acordo, não consigo mais levar minha filha na escola



Fonte da Notícia: https://vivabem.uol.com.br/noticias/redacao/2019/05/11/pesquisadores-formam-rede-para-investigar-chikungunya-no-brasil.htm



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletVaca estrela e boi fubá

bulletPassarinho

bulletCachorro na feira os paralamas do sucesso

bulletPedro, o pescador

bulletA rainha da cavalgada



Dicas Veterinárias:

bulletActinobacilose

bulletVocê sabe por que os gatos dormem tanto ?

bulletDoenças da pele no nariz em cães

bulletYersinia pestis em cães

bulletCirrose hepática



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet monica gil www.monijil.nom.br/canil caocia@globocom fone: (21) 2260 9427 >

bullet LUIZA CERVENKA DE ASSIS http://emais.estadao.com.br/blogs/comportamento animal/morte e luto o que fazer quando o cachorrogato morre/>

bullet Janaina Biotto Camargo http://www.vilachicopethotel.com.br/ Médica veterinária graduação (2003), residência e mestrado pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp de Botucatu; Área de atuação em Anestesiologia, Acupuntura e Terapias complementares.>

bullet Aquarium Lab http://aquariumlab.com.br>

bullet Américo F. Pelicioni, CRF: 29.670 >



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletMulher-gato (catwoman)

bulletA maldição dos gatos (the uncanny

bulletSilver a lenda do cavalo prateado the silver brumby

bulletNo olho do gato (dans l oeil du chat)

bulletO cavalo de ferro (the iron horse)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletGato que gostava de cenoura

bulletMais que um leao por dia

bulletAmazonas aguas, passaros, seres e milagres

bulletO cachorro e o lobo

bulletUm gato aprende a morrer

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos