Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

Home Page > Notícias > Com grilo no chocolate e larva frita, bióloga busca incluir insetos na alimentação humana

Compartilhe em suas redes sociais:

Com grilo no chocolate e larva frita, bióloga busca incluir insetos na alimentação humana


Bolsista montou biofábrica na Esalq, em Piracicaba, para produzir insetos para ingestão animal. Venda para consumo humano depende de autorização governamental.

Por Arthur Menicucci, G1 Piracicaba e Região

12/02/2019 07h00  Atualizado há 2 horas


Bióloga

Bióloga Patrícia Milano faz grilos com chocolate ao leite e tenébrios fritos — Foto: Arthur Menicucci/G1

"Experimente, é muito gostoso". É com essa frase, seguida de informações nutricionais e um bom humor característico, que a pesquisadora Patrícia Milano tenta convencer seus interlocutores a comerem insetos. Pós-doutora em Entomologia, a bióloga montou em Piracicaba (SP) uma biofábrica que produz grilos, tenébrios e baratas para alimentação animal e, se os planos dela se concretizarem, humana.

O projeto de Patrícia, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), chama-se "Insetos para alimentação animal e humana: adaptações e pesquisas para futura criação massal no Brasil".

Com o fundo, ela criou um método próprio de produção na incubadora de empresas da Escola Superior de Ensino Luiz de Queiroz (Esalq), o campus da USP em Piracicaba. No local, Patrícia desenvolveu uma dieta nutritiva aos insetos e chegou a um processo que permite concluir o ciclo de um grilo em dois meses.

Grilos

Grilos banhados no chocolate fazem parte das receitas desenvolvidas pela pesquisadora — Foto: Arthur Menicucci/G1

A biofábrica possui compradores como zoológicos, pet shops, e empresas de piscicultura, já que os insetos são consumidos por peixes, lagartos, aves e primatas.

Mas é de uma previsão nada animadora que a bióloga propõe intensificar o estudo para incluir insetos no cardápio também dos seres humanos. Patrícia acredita que a alimentação baseada na carne deve colapsar em algumas décadas. Uma opção funcional e que não degrada o meio ambiente é o inseto.

"Você começa a ler que em 2050 vamos ser 9 bilhões de pessoas no planeta e que a criação dos insetos pode ser vertical. A parte ecológica da coisa, que é uma preocupação grande, para produzir um quilo de grilo você gasta oito litros de água e um único animal [de corte] você gasta 15 mil litros".

 

"Eu comecei a ler e descobri que isso aqui [aponta para grilos] é muito rico em proteínas, aminoácidos, vitaminas, sais minerais. A gente fala muito do ferro, cálcio, mas ele tem muito zinco, selênio, que faz bem para o sistema nervoso", diz a pesquisadora.

 

Tenébrio,

Tenébrio, que é a fase larval de besouros, são servidos fritos por Patrícia Milano — Foto: Arthur Menicucci/G1

A bióloga afirma que estudos norte-americanos apontam que 100 gramas de grilos possuem 21 gramas de proteínas, enquanto a carne bovina tem 28 gramas de proteínas na mesma quantidade. Além disso, o grilo é mais rico em cálcio e ferro que a mesma proporção da carne de boi.

 

'Quem prova, aprova'

 

Foi em um congresso em Goiânia (GO, em 2014, que Patrícia teve o primeiro contato com insetos fabricados para consumo humano. Ela lembra experimentou pois uma empresa levou grilos para degustação.

Após o congresso, ela passou a ler e estudar o assunto e descobriu que há consumo de insetos e diversos países europeus e nas Américas. Um deles é o México, de onde ela buscou a proposta do grilo com chocolate. Os mexicanos também comem o animal com sal, garante a pesquisadora.

Patrícia fez mestrado, doutorado e pós-doutorado em Entomologia, que é o estudo dos insetos, todos pela Esalq. Deixou a vida acadêmica para trabalhar em empresas de controle biológico, mas buscava ter o próprio negócio.

Grilos

Grilos produzidos por Patrícia em Piracicaba são criados em caixas de plástico e, quando crescem, vão para recipientes maiores — Foto: Arthur Menicucci/G1

A década de estudos deu suporte suficiente para ela desenvolver o projeto da biofábrica para produzir insetos que alimentassem outros animais. "No meu doutorado eu verificava, se retirasse proteínas de vitaminas de algumas mariposas que a gente cria em laboratório, qual seria a consequência para esses animais".

Há três anos, comprou os insetos e começou uma pequena criação. Conseguiu o apoio da Esalq por meio da incubadora de empresas e a bolsa da Fapesp. Com isso, "profissionalizou" a produção.

Depois de testes, Patrícia chegou a uma dieta baseada em farelo de trigo, sementes, hortaliças, legumes e água. Os ingredientes se transformam em uma massa que é servida aos insetos e os mantêm nutridos.

Da eclosão dos ovos até o abate, os grilos vivem dois meses, enquanto que as baratas e os tenébrios têm ciclos mais variáveis.

Um ano após começar a produção, um professor formado na Esalq perguntou se ela fazia insetos para alimentação humana, pois queria usar em sala de aula. "Eu falei 'olha, eu nunca fiz, mas já li muito sobre isso. Posso começar a fazer para você".

Tenébrios

Tenébrios são criados na Esalq, em Piracicaba — Foto: Arquivo pessoal

O professor, que dá aulas em uma universidade de Ribeirão Preto (SP), fez um evento e ofereceu os grilos de chocolate. Desde então, a "propaganda de boca" deu repercussão para que mais pessoas pedissem a iguaria.

E Patrícia garante tem bom retorno tanto das crianças quanto dos adultos, mas sente que as mulheres são mais corajosas na hora de provar.

 

"Nós fomos em praça pública em Limeira e eu achei que os homens fossem comer mais, mas no fim das contas as mulheres comeram mais", conta.

 

Grilo

Grilo se alimenta de massa feita pela bióloga Patrícia Milano, em Piracicaba — Foto: Arquivo pessoal

 

Receitas

 

A receita do grilo ao chocolate foi desenvolvida por tentativa e erro, conta Patrícia. Os animais são abatidos por congelamento, forma que, segundo a pesquisadora, é mais ética.

Depois, são fervidos, desidratados e levemente assados para em seguida receberem a cobertura de chocolate.

Os tenébrios molitor, que são besouros na fase larval, são "servidos" por Patrícia fritos e ao sal, como se fossem uma porção de tira-gosto ou um salgadinho. A pesquisadora nunca usou baratas nas receitas por acreditar que a negação seria maior.

Fritada

'Fritada' de tenébrios feita por Patrícia Milano em Piracicaba — Foto: Arquivo pessoal

Como a comercialização não é permitida no Brasil, Patrícia faz as receitas somente para sob pedidos e para degustação em eventos acadêmicos.

Um deles, na Esalq, ocorreu em xx. Patrícia levou os grilos ao chocolate e também propôs uma nova receita, com iogurte de morango. Garante que até se surpreendeu com o quanto os visitantes gostaram.

 

Industrialização

 

Apesar de saber que há produtores que também estudam a tentativa de inserir os insetos na culinária, Patrícia acredita que é preciso dar "mais ciência" ao processo de produção para conseguir viabilizar a comercialização. Isso porque a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deve aprovar a venda dos insetos para consumo humano.

"Eu achei que havia a necessidade de se colocar mais ciência na criação dos insetos para que essa criação tivesse melhor aproveitamento em escala industrial e também fosse mais higiênica para atender normas sanitárias para poder destinar os insetos para alimentação humana".

 

"Assim elaborei dieta pastosa a base sementes, hortaliças , legumes e farelo de trigo o que enriqueceu o valor nutricional dos insetos, diminuiu tempo de execução de tarefas e mão-de-obra assim como o desperdício de alimentos. [E] Adaptações nos locais de criação permitiram a redução na produção de lixo".

 

Segundo a pesquisadora, após alcançar um resultado que considera suficiente, está "se adequando para pedir autorização a Anvisa." Ela não deu, no entanto, um prazo para fazer a solicitação.

Em nota, a agência informou que nunca recebeu um pedido como esse.

"O Brasil acompanha as discussões da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) sobre o tema, mas até o momento ainda não existe um conjunto de regras para enquadrar tal tipo de alimentos", informou a Anvisa.



Fonte da Notícia: https://g1.globo.com/sp/piracicaba-regiao/noticia/2019/02/12/com-grilo-no-chocolate-e-larva-frita-biologa-busca-incluir-insetos-na-alimentacao-humana.ghtml



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletO tempo não para

bulletPára de peixe

bulletVida de cachorro teodoro e sampaio

bulletTartaruga ninja trem da alegria

bulletSalve jorge! o guerreiro na fé



Dicas Veterinárias:

bulletHaemobartonelose felina

bulletAusência de ânus em cães e gatos

bulletTumor da bainha do nervo em cães

bulletHarpejamento

bulletConviver com animais faz bem para a saúde



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Juliane Seixas Juliane Seixas Website.: www.facebook.com/veterinariadrajulianeseixas Graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, PUC/PR. Atua como plantonista na área clínica e cirurgica de animais de companhia CRMV: 11430 / PR Cont>

bullet Agencia de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas ADEAL >

bullet Dalva Marques http://www.infohorse.com.br/2018/03/18/a marcha dos muares/>

bullet Archivaldo Reche, professor de veterinária da USP.>

bullet Alexandre Domingues>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletCacados

bulletErnest e célestine

bulletA vingança do homem chamado cavalo (the return of a man called horse)

bulletQualquer gato vira-lata

bulletBatman forever (1995)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletCrianca, cachorro que fala!

bulletVida de cão

bulletQuem e mais feliz: voce ou o seu cachorro?

bulletGato viriato

bulletCama de gato

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos