Home Page > Notícias > Litoral tem recorde de animais achados mortos de são paulo a santa catarina

Litoral tem recorde de animais achados mortos de são paulo a santa catarina


De julho a setembro foram 15.547 bichos, sendo só 801 resgatados ainda com vida


Klaus Richmond


SANTOS


Aves com múltiplas fraturas nas asas, vítimas de agressões. Uma tartaruga encontrada já sem o casco. Leões-marinhos com balas alojadas de um revólver calibre 32. Pequenos golfinhos mutilados e encontrados encalhados na praia. Mais de dez mil pinguins recolhidos já sem vida.


1 23


Litoral tem recorde de animais achados mortos


Minha


  1. Projeto
  2.  
  3.  
  4.  
  5.  
  6.  
  7.  
  8.  
  9.  
  10.  
  11.  
  12.  
  13.  
  14.  
  15.  
  16.  
  17.  
  18.  
  19.  
  20.  
  21.  
  22.  
  23.  
  24.  
  25.  
  26.  
  27.  
  28.  
  29.  
  30.  
  31.  
  32.  
  33.  
  34.  
  35.  
  36.  
  37.  
  38.  
  39.  
  40.  
  41.  
  42.  
  43.  
  44.  
  45.  
  46.  

 


Projeto de monitoramento registra um ?boom? de animais achados nas praias no litoral de São Paulo, Paraná e Santa Catarina nos últimos meses. De julho a setembro foram 15.547 bichos, sendo só 801 resgatados ainda com vida. Na foto, Toninha, espécie com risco de extinção, encontrada morta ferida por redes de pesca e já com a presença de parasitasNilson Coelho/ Divulgação/ Associação R3 Animal/


Compartilhe


LEIA MAIS


 


 


 


 



Voltar


  • Facebook
  • Whatsapp
  • Twitter
  • Messenger
  • Google
  • Pinterest
  • Linkedin
  • E-mail
  • Copiar link

Loading


Os relatos são reais e dão o tom preocupante de um “boom” de animais achados nas praias no litoral de São Paulo, Paraná e Santa Catarina nos últimos meses. De julho a setembro foram 15.547 bichos, sendo só 801 resgatados ainda com vida. Em apenas três meses, o número já supera, com folga, todo o ano de 2017, com 12.971 animais recolhidos.


Os números são do Projeto de Monitoramento de Praias, criado em 2015 que reúne universidades e ONGs dos três estados. Diariamente, pesquisadores percorrem as praias para recolher, catalogar e tentar salvar bichos que sejam encontrados na faixa de areia. 


A proposta é financiada pela Petrobras como condicionante ambiental para a exploração de petróleo e gás e cobre mais de 822 quilômetros diariamente entre Ubatuba a Laguna-SC.


Desde o início do projeto, esse é um recorde absoluto. Os principais registros foram principalmente em Santa Catarina e Paraná.


Em São Paulo, o maior impacto foi sentido pelo Instituto de Pesquisas de Cananéia (IPeC). “Foram muitas espécies, muitos registros. Parecia um apocalipse com essa junção de ocorrências”, disse Daniela Ferro de Godoy, responsável IPeC, que monitora as cidades paulistas de Iguape, Ilha Comprida e Cananéia.


O período intensificou o aparecimento de animais pouco vistos e de espécies como lobos-marinhos, tartaruga cabeçuda e de couro, esta com risco de extinção, além de focas e aves oceânicas.


Os pinguins puxaram a fila da taxa de mortalidade: 10.401. Cenas com barcos ou carros lotados com até 200 corpos empilhados em um só dia foram recorrentes. 


O trimestre observado ainda reservou casos pitorescos. A Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), por exemplo, encontrou vacas, capivaras e até cavalos mortos devido às chuvas.


“Vimos cenas chocantes e preocupantes. Achamos projéteis de uma arma calibre 32 em alguns lobos [marinhos], que geraram fraturas e lesões. Houve casos com interação de pesca. Muitos animais foram mutilados e agredidos”, disse Pedro Volkmer, professor e coordenador do PMP pela Udesc.  


HIPÓTESES


As hipóteses, por sua vez, ainda são diversas e sem conclusões. “Os indicativos que temos são de fatores oceanográficos que trouxeram os animais para o sul do país, a maior parte deles fracos e debilitados”, afirma André Barreto.

A média do projeto registra, ao menos, 10% de animais vivos encontrados. No período, a margem caiu para aproximadamente 5%.


“Temos ciclos dentro de períodos da natureza, pode ser um ciclo natural, ou não. Ainda temos uma visão fragmentada por três anos de projeto”, disse Barreto, que acredita que a base ideal para entender o fenômeno seja de dez anos de estudos.


O caso, no entanto, já é atípico para as baleias francas. O projeto Baleia Franca, liderado por Karina Groch, do Instituto Australis, em Imbituba-SC, registrou em setembro o maior número da espécie desde o início do projeto, em 1982. Desde 87, há 30 anos, o instituto realiza sobrevoos para registros aéreos, com média de 100 a 120 baleias. O número triplicou para quase 300.


Há suspeitas, também, do aumento da atividade pesqueira o que explicaria, além de muitas mortes de animais que se enroscaram nas redes, a dificuldade das espécies de encontrarem alimentos.


O excesso de bichos aumentou, e muito, a carga de trabalho das dez instituições envolvidas no monitoramento diário das praias. Foi comum estenderem o horário, além de solicitarem apoio de estagiários e funcionários de outros setores que, geralmente, não vão a campo.


“Começávamos às 6h e íamos até 21h30, muitas vezes precisávamos finalizar o monitoramento antes de acabar a praia”, lembrou um dos pesquisadores.



Fonte da Notícia: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/11/litoral-tem-recorde-de-animais-achados-mortos-de-sao-paulo-a-santa-catarina.shtml



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletPunk da periferia

bulletTenente bezerra

bulletA tartaruga tatiana rocha

bulletDança do bicho

bulletMeu Jumento



Dicas Veterinárias:

bulletBrigando como cão e gato

bulletWobbler síndrome em cães

bulletDesordem da medula espinhal causada por vaso sanguíneo bloqueado em cães

bullet5 dicas essenciais para deixar seu pet feliz

bulletVc gosta de gatos ?



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet UniversoEquino.com.br
Médica Veterinaria Mariana Marcantonio Coneglian>

bullet Dr. Carmello Liberato Thadei Médico Veterinário CRMV SP 0442  São José do Rio Preto SP>

bullet Dra Renata Avancini Médica veterinária, formada pela Universidade de Santo Amaro em 2007. Mestre e Doutora em Ci?ncias pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da Universidade de S?o Paulo (USP), em 2009 e 2012 respectivamente. Graduada em 2014 no Curso de Especialização em Produção e Sanidade de Animais de Biotério pela FMVZ USP. Experi?ncia em clínica geral, medicina regenerativa, biotecnologia com concentração em células tronco e experi?ncia em doc?ncia na disciplina de Anatomia dos Animais Domésticos. Professora de Anatomia Veterinária da Faculdade das Metropolitanas Unidas (FMU) e na Universidade Paulista (UNIP). Médica veterinária na CURAVET. Contato: contato@curavet.com.br>

bullet Dra Cleuma Ferreira, Medica Veterinária, telefone 11 41164783, Rua Jacira, 80 Moema São Paulo/SP, contato@dracleumaferreira.com, www.dracleumaferreira.com, instagram @endocrinopatinha, facebook/endocrinopatinha>

bullet Desirée Schiffer Mariotti, Médica Veterinária, Pósgraduanda em Diagnóstico por Imagem, Indaiatuba/SP desiree.veterinaria@hotmail.com tel 19 98633617>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletJurassic park ii

bulletAnimais unidos - jamais serão vencidos

bulletNas montanhas dos gorilas

bulletOlhos de gato (cat s eye)

bulletÁgua para elefantes



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletLivro de banho galinha pintadinha

bulletPasso, trote, galope - uma familia e seus cavalos

bulletO gato que falava com fantasmas

bulletEu não sou cachorro, não

bulletO gato e a revolução

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos