Home Page > Notícias > Com gaviões e falcões, galeão não tem colisão de pássaro e avião há 3 meses

Com gaviões e falcões, galeão não tem colisão de pássaro e avião há 3 meses


Jacyara Pianes

Uma turma de 16 aves de rapina – entre falcões e gaviões – está se destacando entre os funcionários mais dedicados do Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, no Rio de Janeiro. Juntos, eles participam do trabalho de falcoaria iniciado em 2013, que, com a ajuda dessas aves, tem a missão de afugentar e capturar pássaros que rodeiam a região e podem colidir com as aeronaves.


O resultado tem sido tão eficiente que há três meses o Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) não registra colisões entre aviões e pássaros no aeroporto.


Ampliar


Veja imagens dos aeroportos pelo Brasil136 fotos


21 / 136


Funcionários usam falcão-robô para espantar aves de aeroporto. Colisões de aviões com aves triplicaram em 10 anos, e aeroportos brasileiros apelam para fogos, falcões e até robô VEJA MAIS > Imagem: Ricardo Duarte/Agência RBS


De acordo com o relatório de risco aviário de 2012 do Cenipa – o último disponível--, só naquele ano foram registradas 1.604 ocorrências de choque entre aves e aviões. E o Galeão estava em quinto lugar entre os aeroportos de todo o Brasil, com 67 colisões.


O primeiro lugar em colisões em 2012 foi Guarulhos, com 117 ocorrências, e o segundo foi o aeroporto internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, com 114. Eles não têm falcoaria. Já o terceiro lugar neste ranking é o Salgado Filho, em Porto Alegre, com 106 ocorrências. Este, assim como o Galeão, trabalha com a falcoaria. Além dos dois, apenas Pampulha, em Minas Gerais, conta com o trabalho permanente das aves de rapina, segundo a Infraero.


Ampliar


Veja fotos das aves de rapina usadas nos aeroportos7 fotos


2 / 7


Inédita no país, a utilização de falcões e gaviões, como o gavião-de-penacho, como forma de combate à presença de aves no entorno de aeroportos foi introduzida ano passado no aeroporto Carlos Drummond de Andrade, localizado na Pampulha, em Belo Horizonte VEJA MAIS > Imagem: Rayder Bragon/UOL


O caso mais famoso de acidente desse tipo aconteceu há cinco anos, em Nova York, nos Estados Unidos. Depois de se chocar contra um bando de pássaros, as turbinas de um avião perderam a potência e o piloto teve que realizar um pouso de emergência sobre o rio Hudson.


A coordenadora de Meio Ambiente do Galeão, Priscila da Silva Souza, conta que a falcoaria, já exercida em outros países e aeroportos do Brasil, chegou extensivamente ao Galeão em maio, mas que o Cepar (Centro de Preservação de Aves de Rapina), empresa terceirizada que executa o serviço, só teve a licença para capturar os pássaros –e não apenas afugentá-los-- em junho de 2013. "Desde que começou esse trabalho, já tem diminuído em 90% as aves vistas no sítio aeroportuário", diz.


Com a nova vigilância, mais de 300 pássaros que colocavam em risco a segurança dos voos, principalmente durante pouso e decolagem, já foram remanejados. De acordo com Uitamar Abreu Júnior, falcoeiro e sócio do Cepar, depois de capturados, eles são identificados, passam por veterinários e são soltos no parque do Gericinó, em Nilópolis.


Trabalhadores exemplares


Umas das aves de rapina do Galeão se destaca: a gavião Sora, de 700 g, sete meses de vida e instinto aguçado. Segundo Júnior, ela é a única da falcoaria brasileira que caça urubus –ave grande, sem predador natural, que leva maior risco à aviação por conta do porte (pesa cerca de 3 kg), sendo inclusive maior que o gavião. Sora já soma dez capturas em sua lista, número que ainda deve aumentar bastante.


Outro exímio trabalhador do aeroporto é Thor, um falcão de apenas 190 g e dois anos de vida, mais tranquilo no trato, mas também bom de serviço. Suas presas principais são os quero-queros –espécie que, em 2012, conforme o Cenipa, era a que mais havia colidido com as aeronaves, em cerca de 20% das ocorrências.


Segundo o falcoeiro e veterinário Danilo Braghero, as habilidades de falcões e gaviões são diferentes. A turma de Thor é menor e mais rápida. Além disso, concentra sua força no bico. Já a família de Sora é naturalmente maior e mais forte, com força principalmente nas garras.



Fonte da Notícia: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2014/03/07/com-gavioes-e-falcoes-galeao-nao-tem-colisao-de-passaro-e-aviao-ha-3-meses.htm



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletEu nasci há dez mil anos atrás

bulletO burrinho do vizinho

bulletVaca profana caetano veloso

bulletHomem-aranha

bulletO Beijo E A Reza



Dicas Veterinárias:

bulletHérnia de disco e espasmos musculares em cães

bulletOs equipamentos utilizados na odontológia equina

bulletcrise de coluna em cães

bulletQual a diferença entre zootecnia e veterinária?

bulletInflamação da boca e úlceras (crônico) em cães



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Policlnica Veterinria de Cotia Av. Ralf Boli, 25 Granja Carolina, Cotia SP Tel.: 11 46162677 >

bullet M.V Helena Monkevic Casarin 19 993353793 Clinica Juliu´s 32134539>

bullet Leila de Mello>

bullet Karine Kleine www.grupokleine.com.br>

bullet por Priscila Pinheiro - Pet Sitter

 

Bicho Feliz Pet Sitter

Site: https://sites.google.com/site/bichofelizpetsittercotiasp/

Whatsapp e celular: (11) 98586-9212

Twitter: @bichofelizps

>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletO filho do ace ventura

bulletConfusão pra cachorro (dog gone)

bulletManda-chuva o filme (don gato y su pandilla)

bulletJurassic park iii

bulletMeu irmão virou um cachorro (mein bruder ist ein hund / my brother is a dog)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletVida de cão

bulletO cachorro e o lobo

bulletPasso, trote, galope - uma familia e seus cavalos

bulletLivro de banho galinha pintadinha

bulletA volta do gato preto

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos