Home Page > Notícias > Armazenado por 25 anos em museu, espécime de pássaro-dinossauro empolga cientistas

Armazenado por 25 anos em museu, espécime de pássaro-dinossauro empolga cientistas


src=


Ilustração: Brian Engh


Um museu pode te impressionar com todos seus espécimes fósseis à mostra, mas, frequentemente, isso é só uma pequena parte do que está lá dentro — espécimes são guardados nos fundos, em gavetas ou em caixas embrulhadas, silenciosamente contendo segredos a serem revelados ou mais mistérios sobre o passado. Esse é o caso de um incrível fóssil de pássaro, encontrado 25 anos atrás no estado do Utah e mantido no Museu de Paleontologia da Universidade da Califórnia, mas descrito só recentemente.


• Descobriram uma nova espécie de dinossauro apelidada de “incrível dragão” na China
• Fragmentos de Luzia, o fóssil humano mais antigo das Américas, foram encontrados no Museu Nacional


O fóssil é bem maluco — um pássaro extinto do tamanho de um peru chamado enantiornithine, aparentemente bastante capaz de voar e talvez um dos mais completos de seu tipo já encontrados na América do Norte. Isso aumenta o mistério sobre por que alguns dinossauros foram extintos, enquanto outros (os pássaros que vemos hoje) ficaram por aqui.


src=


Fúrcula, ou “osso da sorte”. Foto: Atterholt et al (PeerJ 2018)


“O esqueleto conta uma história evolutiva interessante. Antes de se extinguirem, os pássaros enantiornitinos haviam separada e independentemente desenvolvido adaptações para voos avançados, exatamente como os pássaros modernos”, disse a autora Jessie Atterholt, professora assistente da Western University of Health Sciences, em entrevista ao Gizmodo.


Este fóssil tem uma história de um quarto de século. O paleontólogo Howard Hutchison o encontrou em uma viagem ao Grand Staircase-Escalante National Monument, no Utah, em rochas de 75 milhões de anos. Vários paleontólogos sabiam sobre o “importante” espécime explicou Atterholt — mas nunca haviam completado sua análise. Atterholt estava interessada especificamente em como esses enantiornitinos evoluíram e perguntou se ela poderia trabalhar nisso. “Agora, estamos finalmente fazendo isso acontecer”, ela disse. Atterholt, Hutchison e a pesquisadora Jingmai O’Connor publicaram os resultados nesta terça-feira (13), no PeerJ.


O esqueleto fóssil, agora uma nova espécie chamada Mirarce eatoni, inclui várias vértebras, a base da espinha que sustentaria as penas da cauda, quase todos os ossos do pé esquerdo e alguns do direito, um úmero, um fêmur, o osso mais baixo da perna encontrado em aves chamado tarsometatarso, uma fúrcula (também conhecida como “osso da sorte”) e outras peças. A espécie tinha aspecto de pássaro e provavelmente o tamanho de um peru. Talvez mais empolgante ainda, a ulna, ou osso anterior, apresentava pequenos entalhes ásperos interpretados como “botões de pena” (“quill knobs”), saliências frequentemente usadas como indicação indireta de penas fortemente fixadas em espécimes fósseis, indicando, consequentemente, presença de voo avançado, disse Atterholt.


src=


Peças de pé esquerdo. Foto: Atterholt et al (PeerJ 2018)


“Sem dúvida, esse é um dos mais importantes fósseis de aves da era dos dinossauros”, disse Steve Brusatte, paleontólogo da Universidade de Edimburgo que não participou do estudo, em entrevista ao Gizmodo.


Esse fóssil conta a história de um grupo de aves que evoluiu em paralelo aos precursores dos pássaros modernos de hoje, mas que não conseguiu sobreviver ao evento de extinção em massa. Seu alto nível de detalhes preservados mostra ainda que uma enorme quantidade de diversidade não conseguiu suportar o impacto do asteroide. Mas ele também aumenta o mistério. Após a colisão, apenas algumas aves sobreviveram, e elas então se diversificaram até chegarmos às dez mil espécies que existem atualmente. Brusatte falou mais sobre o mistério:


“Talvez eles tinham bicos e conseguiam comer sementes — uma fonte de alimento nutritivo que pode sobreviver no solo por décadas ou séculos, um banco de alimentos para quando o mundo virasse um inferno quando o asteroide o atingisse. Ou talvez esses pássaros se aninharam no chão e, então, não foram exterminados com os pássaros que viviam em árvores quando as florestas desmoronaram após o impacto do asteroide. Ou talvez eles conseguiam voar por mais tempo, crescer mais rápido ou se esconder mais facilmente. Nós não sabemos realmente. Mas essa nova descoberta nos diz que os pássaros que viviam com os últimos dinossauros eram ainda mais diferentes do que pensávamos, então é mais um mistério por que tão poucos sobreviveram ao asteroide.”


src=


Todos os ossos encontrados. Ilustração: Scott Hartman


Atterholt continua pesquisando esses ossos para estudar como era esse pássaro e como ele evoluiu. Ela também mencionou a recente polêmica sobre o local de origem do fóssil, o Grand Staircase-Escalante. Recentemente, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reduziu o tamanho desse monumento nacional. Ela apontou que decisões assim poderiam pôr fim a descobertas como essa.


“Esse material estaria sob risco de destruição e ameaça de reduzir o tamanho das terras protegidas.”



Fonte da Notícia: https://gizmodo.uol.com.br/passaro-dinossauro-museu-25-anos



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletHomem-aranha

bulletOceanos suspensos anel dos anfíbios

bulletA lebre e a tartaruga xuxa

bulletVagalumes (pollo)

bulletA galinha e o galo carijó galinha pintadinha



Dicas Veterinárias:

bulletPrecificação

bulletErupção cutânea devido ao contato com substâncias irritantes ? cães

bulletEstudo revela que algas podem prejudicar recifes de corais

bulletLagartas e taturana

bulletAlerta sobre os riscos de alimentar cães e gatos com sobras das refeições



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet dr clélio costa carreira
médico veterinário
crmv 1910
hovet campinas - hospital veterinário campinas av orosimbo maia 2565 - campinas fone (19) 3294 3377>

bullet Centro de Pesquisas Hospital Evandro Chagas Departamento de Doenças Infecciosas Serviço de Zoonoses Serviço de Dermatologia Infecciosa
http://www.inpa.com.br>

bullet Vicente Moreno Médico Veterinário CRMVSP 6613 Clínica Veterinária Vicente Moreno Av. Independ?ncia, 1062 Valinhos SP Fone: (19) 38491274 >

bullet Ag?ncia de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas ADEAL >

bullet Dr. Luiz Bolfer formou se em Medicina Veterinária no Brasil e mudou se para os Estados Unidos para se especializar em Cardiologia, Emerg?ncia e Cuidados Intensivos em cães e gatos. Completou 12 meses de Internato em Clínica Médica e Cirúrgica Veterin>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletA quinta execução

bulletUm homem, um cavalo, uma pistola (un uomo, un cavallo, una pistola / a man, a horse, a gun)

bulletDogão - amigo pra cachorro (doogal)

bulletNetto e o domador de cavalos

bulletBatman forever (1995)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletO gato de botas

bulletAmazonas aguas, passaros, seres e milagres

bulletUm gato indiscreto e outros contos

bulletCrianca, cachorro que fala!

bulletVida de cão

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos