Home Page > Notícias > O rapaz e o cão

O rapaz e o cão


src=


Kodi Smit-McPhee e o seu fiel amigo em “Alpha”


É uma história ?de sobrevivência há 20 mil anos, quando o homem aprendeu a domesticar canídeos selvagens e ganhou aliados para a vida


Jorge


JORGE LEITÃO RAMOS


Em 1981, “A Guerra do Fogo” de Jean-Jacques Annaud atrevia-se a ir aos tempos pré-históricos para figurar o momento em que os homens descobriram a arte de produzir/dominar o fogo e, com isso, se tornaram mais humanos, até nas artes da libido que, até então, pelo menos no filme, eram dominadas apenas pelo grande impulso da reprodução da espécie. Quem viu o filme — e quem não viu há que tentar vê-lo porque é obra notável — deve lembrar-se que uma das maiores apostas de Annaud foi a ausência de linguagem verbal percetível dos nossos antepassados, confiando a inteligibilidade do filme ao poder das imagens. Era uma afirmação nobre no poder do cinema e, ao mesmo tempo, uma forma de assumir um facto: ninguém sabe que línguas falavam os homens primitivos e, em vez de fingir naturalisticamente um idioma, melhor deixar a comunicação entre eles reduzida a fonemas básicos sem equivalente atual.


Muitos anos volvidos sobre o filme de Annaud, numa ação milénios posterior à de “A Guerra do Fogo”, Albert Hughes não quis seguir idêntica e radical postura e inventou uma língua para os europeus de há 20 mil anos, ainda havia mamutes a rondar por aí. Fez mal: a larga maioria dos diálogos são supérfluos, praticando uma confirmação/explicação do que já tínhamos entendido, em enervante redundância.


A história de “Alpha” é de uma meridiana simplicidade. Filho de um chefe tribal, o jovem Keda (Kodi Smit-McPhee) parte com o pai (Jóhannes Haukur Jóhannesson) e um grupo de outros homens da tribo para a grande caçada anual aos bisontes, que lhes garanta alimento e agasalho para o longo inverno de neves severas, na época glaciar em que o filme se situa. O processo de caça é básico, embora engenhoso: rodear uma manada à beira de uma falésia, assustá-la por via de muita gritaria, fazer uma espécie de cerca com lanças que limite o espaço de fuga dos animais e provocar que um grande número acabe por se despenhar no estouro da boiada. Depois é só ir ao fundo do desfiladeiro esquartejar os caídos. Mas nem todos os bisontes apontam para o abismo. Há tresmalhos — e um deles assesta direito a Keda... A cena da caçada — que abre o filme — é muito impressiva e demonstra um bom equilíbrio dramático e uma perfeita mestria nas imagens de síntese onde a manipulação digital tem parte de leão. Pena que o resto do filme não seja assim. Keda, muito ferido, dado como morto, vai ter de voltar para casa sozinho, ao mesmo tempo que prova a si mesmo e aos outros que a sobrevivência não é só uma questão de força física, de tolerância ao sofrimento, mas um processo onde outros recursos poderão ser decisivos. No caso — e é esse o cerne do filme — Keda consegue domesticar um canídeo selvagem (um lobo?) e é numa parceria de entreajuda (porventura) inaugural para a Humanidade que consegue chegar ao seu destino, ao mesmo tempo que abre uma porta para o futuro da sua tribo, como as imagens finais deixam entrever. Mas todo esse caminho — não demasiado longo, o filme só dura 96 minutos, parece mais — é tão previsível, uma vez instalados no coração da coisa, que até à espetacularidade de algumas sequências (como a da queda no lago gelado) parece diminuída. Um ambicioso filme para toda a família sem tonicidade dramática bastante para nos agarrar é uma oportunidade perdida.


 



Fonte da Notícia: https://expresso.sapo.pt/cultura/2018-09-02-O-rapaz-e-o-cao#gs.Gd7pRsk



Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletA metamorfose das borboletas

bulletAranha hangover

bulletCavalos De Muda

bulletSe você fosse um peixinho

bulletTelevisão de cachorro pato fu



Dicas Veterinárias:

bulletConhecendo mais o ser humano !

bulletAnimais em apartamentos 2

bulletUso de remédios humano em animais

bulletDiabetes em cães e gatos 2

bullet6 coisas para fazer seu gato feliz



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Juliane Seixas Juliane Seixas Website.: www.facebook.com/veterinariadrajulianeseixas Graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, PUC/PR. Atua como plantonista na área clínica e cirurgica de animais de companhia CRMV: 11430 / PR Cont>

bullet Eng Agrônomo André Fabbrocini Gonçalves, atua na área de manejo de pastagem, segurança dos animais, nutrição, desenvolvimento de projetos http://www.andrefabbrocini.com.br/ (11) 93829722 e (11) 77435504 e nextel 96*40594>

bullet Rafael Wisneski http://blog.meucaocompanheiro.com/>

bullet Israel M. BleichDiretor Técnico do Laboratório CEPAV Tecnologia em Saúde AnimalR. Tanabí, 185 S?o Paulo SP BRASILCEP05002010 Fone/Fax (011) 38729553email: info@cepav.com.br>

bullet Rafael Senos Médico Veterinário UFF Mestrando USP Técnico em Biotecnologia CEFETEQ RJ>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletFlipper (1996)

bulletGato e rato (yu mao san xi jin mao shu)

bulletCorrendo pra cachorro (man about dog)

bulletSeefood um peixe fora d agua (seefood)

bulletAs nove vidas de fritz - o gato (the nine lives of fritz the cat)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletFalando de passaros e gatos

bulletUm gato aprende a morrer

bulletCrianca, cachorro que fala!

bulletO homem que amava os cachorros

bulletOs passaros e suas doencas

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos