Home Page > Notícias > Girafa do zoo morreu ao cair num fosso quando visitante a chamou para comer

Girafa do zoo morreu ao cair num fosso quando visitante a chamou para comer


João Pedro Pincha
É proibido os visitantes alimentarem os animais no zoo de Lisboa, mas por vezes ainda acontece, apesar da vigilância dos tratadores. A girafa tinha 11 anos e deixa uma cria de seis meses de idade.


src=


Só há girafas-de-Angola em três zoológicos europeus DANIEL ROCHA


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

  •  
  •  
  •  

Tópicos


  1. Lisboa
  2. Animais
  3. Jardim Zoológico de Lisboa
  4. Ambiente

Mais


  • Com 1,9 metros à nascença, há uma nova cria no Jardim Zoológico de Lisboa


Uma girafa do Jardim Zoológico de Lisboa morreu no sábado passado ao cair para o fosso que separa estes animais das pessoas. Um visitante não respeitou a indicação para não alimentar os animais e a girafa aproximou-se da borda mais do que devia e precipitou-se, não resistindo à queda. O visitante foi identificado pela PSP.


Tratava-se de uma girafa-de-Angola com 11 anos e cinco meses, que em Novembro tinha dado à luz uma cria – um acontecimento noticiado em toda a imprensa, depois de a equipa do Jardim Zoológico ter divulgado um vídeo do parto e dos primeiros passos da jovem girafa no YouTube.


“Isto aconteceu ao lado da placa a pedir que não alimentem os animais”, diz ao PÚBLICO Inês Carvalho, do departamento de marketing do zoo. Foi algo “inédito” que veio ensombrar as comemorações dos 134 anos do Jardim Zoológico, que se assinalaram precisamente esta segunda-feira. “É uma situação muito triste, por todos os motivos.”


A responsável explica que, após a queda do animal, “vedou-se a zona e encerrou-se o teleférico”, continuando o restante parque a funcionar normalmente. A pessoa que “esteve a alimentar a girafa e a provocá-la” foi “identificada pela polícia” e “foram identificadas também testemunhas”, acrescenta Inês Carvalho. Para lá das diligências policiais, neste momento está igualmente a decorrer um processo de averiguação interno.


“Os animais são alimentados, não é necessário as pessoas trazerem comida de casa”, insiste Inês Carvalho. Apesar de haver placas com essa indicação por todo o lado, de o folheto distribuído à entrada também ter isso escrito e de haver um vídeo com as regras do zoo logo nas bilheteiras, alguns visitantes continuam a tentar alimentar os animais. Talvez porque, durante muito tempo, essa prática não só era permitida como até incentivada. Por exemplo, à entrada do Jardim Zoológico existiam máquinas de venda de amendoins para dar aos macacos.


Há uns anos, porém, o paradigma mudou. “O jardim deixou de ser uma montra de animais”, diz Inês Carvalho, explicando que o objectivo passou a ser o de proporcionar melhores condições aos bichos, para que estes se sintam mais próximos do seu habitat natural e se reproduzam. O zoo retirou então muitas grades e mexeu nas instalações, procurando um equilíbrio entre o conforto dos animais e a segurança dos visitantes. De então para cá, “temos menos casos de visitantes a dar comida aos animais”, explica, mas ainda vai havendo casos.


As girafas-de-Angola (Giraffa camelopardalis angolensis) estão presentes em apenas em três jardins zoológicos da Europa: além de Lisboa, os de Dortmund, na Alemanha, e Amersfoort-Utrecht, na Holanda. É uma espécie considerada “vulnerável” pela União Internacional para a Conservação da Natureza, uma vez que a sua população tem diminuído nas áreas de onde é originária, sobretudo o Botsuana e a Namíbia. Os quatro principais motivos para a girafa estar em perigo são a perda de habitat, os conflitos locais, a caça ilegal e a alteração dos ecossistemas.


“Caracterizada pelo seu pescoço longo, que lhe possibilita procurar alimento em ramagens muito altas, e pela sua língua comprida e azulada, cujo revestimento de queratina a protege dos espinhos das acácias, possui dois cornos curtos, cobertos de pele e pelo, que crescem lentamente ao longo da sua vida”, explicava o Jardim Zoológico num comunicado lançado em Janeiro para anunciar o nascimento da nova cria.


Essa cria tem agora seis meses de vida e já come sozinha, o que é menos uma dor de cabeça para os tratadores: as crias costumam ser amamentadas até aos oito meses. Ainda assim, as girafas mantêm-se dependentes da progenitora até aos dois anos de idade ou mesmo até mais tarde, pelo que o apoio do restante grupo será fundamental para o desenvolvimento desta cria.



Fonte da Notícia: http://publico.uol.com.br/local/noticia/girafa-do-jardim-zoologico-morreu-quando-visitante-a-chamou-para-comer-1832455



Gostou do contedo animal acima! Ento compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Msica com temas Animais:

bulletO rei da cavalgada

bulletGata me liga

bulletChovendo na roseira

bulletTrocando em midos

bulletA balada do cachorro louco lenine



Dicas Veterinrias:

bulletNutrio do ferret

bulletA indiferena humana levando outras espcies ao sofrimento e a morte

bulletLgrima parede atrial em ces

bulletErupes e trocas dos dentes do cavalo

bulletMinha dona



Ver todas as Dicas Veterinrias



Colunistas - Veterinrios que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Patricia Oliveira>

bullet GAAR CAMPINAS http://www.gaarcampinas.org.br>

bullet Carla Diele CRMVRJ 6165>

bullet Projeto C?o Moderno Felipe Consentini felipe@caomoderno.com.br>

bullet Luciana Leite Ribeiro dos Santos Mdica veterinria CRMVSP 8298 www.spaces.msn.com/members/vetemcasa lulrs@yahoo.com.br>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletCujo

bulletBatman begins (2005)

bulletQualquer gato vira-lata

bulletGatos numa roubada (tomcats)

bulletO cachorro bombeiro (firehouse dog)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletO estranho caso do cachorro morto

bulletGato que gostava de cenoura

bulletO gato que falava com fantasmas

bulletQuem e mais feliz: voce ou o seu cachorro?

bulletMemorias de um gato

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos