Home Page > Notícias > Ttulocasos de malria devem crescer 50por cento no brasil este ano, mostra pesquisa

Ttulocasos de malria devem crescer 50por cento no brasil este ano, mostra pesquisa


Lígia Formenti


src=


Projeção feita pelo pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz Cláudio Maierovitch aponta que o Brasil poderá ter um aumento de 50% nos casos de malária neste ano. Até março, o País registrou 50 mil infecções. Pelos cálculos do pesquisador, com base nos dados de janeiro e fevereiro, até o fim do ano os registros poderão chegar a 293 mil. O avanço esperado é de proporção semelhante à que foi identificada em 2017.

Depois de seis anos de queda, a malária voltou a aumentar no País no ano passado e a preocupar autoridades sanitárias e especialistas. "Estávamos em ritmo de declínio muito significativo. Mas a doença perdeu prestígio político, as ações de prevenção foram deixadas de lado e os casos voltaram a aumentar", afirmou o professor da Universidade de Brasília (UnB) Pedro Tauil. Em 2017, foram notificados no País 193 mil casos, 50% a mais do que o registrado no ano anterior.

Diante do aumento de casos, um comitê assessor decidiu na semana passada preparar uma carta de alerta para o governo brasileiro. "O programa perdeu prioridade para outras doenças que atingem grupos com maior poder de reivindicação, como a população urbana. Os recursos foram transferidos para dengue, zika e chikungunya. A malária perdeu recursos financeiros e recursos humanos", resume Tauil.

A retomada de crescimento da doença por dois anos consecutivos ocorre pouco tempo depois de o Brasil comemorar o avanço no combate à malária. "Em 2016, chegamos a alcançar 128 mil infecções, o menor número da história", diz Maierovitch. Na época, avisos já haviam sido dados para autoridades não baixarem a guarda. "Esse é um problema comum. Quando a doença começa a cair, a atenção se dispersa."

Municípios

Secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Osnei Okumoto atribuiu o aumento de casos nos últimos dois anos a falhas na prevenção que deveria ser feita por municípios. Assim como Tauil, ele disse que algumas cidades acabaram priorizando o combate ao Aedes aegypti, deixando em segundo plano as medidas de contenção da doença, transmitida pela picada do mosquito Anopheles infectado. Okumoto observa que o avanço foi mais expressivo em 35 cidades da Amazônia Legal. "Juntas, elas respondem por 80% dos casos atuais." O secretário ainda afastou qualquer relação do aumento com a imigração de pessoas procedentes da Venezuela.

Com a retomada do avanço, fica ainda mais distante a meta de se eliminar a transmissão de uma das formas da doença, provocada pelo protozoário Plasmodium falciparum. Integrantes do comitê julgam essencial controlar a malária no País o quanto antes, sobretudo diante da ameaça de que o medicamento usado para tratar a doença se torne pouco eficaz. Na Ásia, o plasmódio já desenvolveu resistência ao medicamento.

"O que desejávamos era evitar que isso ocorresse, eliminar a transmissão no Brasil antes da chegada do protozoário resistente." Okumoto reforça a preocupação. "Por enquanto, a medicação tem sido eficaz. Mas o ideal é reduzir ao máximo o número de casos."

Uma das providências para evitar a expansão da doença é o uso de mosquiteiros impregnados por inseticidas. A medida começou a ser usada no País em 2011. Em um projeto piloto, 1,1 milhão de peças foram distribuídas em municípios prioritários. Posteriormente, nenhuma outra compra centralizada foi realizada. Okamoto afirmou que recursos foram repassados para que Estados e municípios fizessem a operação.

Outra recomendação é reforçar o diagnóstico rápido e o tratamento precoce. "Isso evita o ciclo. Se há poucas pessoas doentes, menor o risco de o mosquito se contaminar e, com picadas, transmitir a doença", afirma o secretário. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Fonte da Notícia: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/estado/2018/05/16/casos-de-malaria-devem-crescer-50-no-brasil-este-ano.htm



Gostou do contedo animal acima! Ento compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Msica com temas Animais:

bulletPassaro veloz

bulletRei leo - o leo dorme esta noite

bulletFesta do boi bumba

bulletBurguesia

bulletSe voc fosse um peixinho



Dicas Veterinrias:

bulletDoenas funcionais

bulletHidroterapia

bulletComo fazer seu cachorro parar de destruir tudo

bulletCes que montam - minha perna no uma cachorrinha

bulletA intoxicao por paracetamol nos felinos pode ser fatal



Ver todas as Dicas Veterinrias



Colunistas - Veterinrios que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Adriana Morales Mdica Veterinria CRMV: 6467 Membro do Colgio Brasileiro de Oftamologia Veterinria. Avenida 11 de Agosto, 1693. Valinhos/SP Tel.: 19 38492522>

bullet Dr. Ciro Pinheiro Mathias Franco Medico Veterinrio atuante em odontologia eqina. Cel. (11) 9814 6666 E mail: ciromedvet@ig.com.br>

bullet Sergio Lobato www.sergiolobato.com.br>

bullet silvana em souza m dica veterinria crmv-sp 9617 animalcamp rua d pedro i n? 663; guanabara - campinas/sp fone: (19) 32425370 www.animalcampcjbnet homeovete@yahoo.com.br >

bullet Matheus Rodrigues Bonfim matheus@petlive.com.br>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletConfuso pra cachorro (dog gone)

bulletAquele gato danado (that darn cat!)

bulletThe batman (1943)

bulletO favor, o relgio e o peixe muito grande (the favour, the watch and the very big fish)

bulletComo ces e gatos (cats e dogs)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletExplicao dos pssaros

bulletGato que gostava de cenoura

bulletMemorias de um gato

bulletPassaros sao eternos, os

bulletPassaro-camaleao, o

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos