Home Page > Dicas Veterinrias > Abraço no asfalto

Abraço no asfalto


Era uma manh? normal do tempo em que, uma vez por semana, eu saía de itapetininga para trabalhar em são paulo era o ano de 2004, pois meu carro era o ka branco, novinho, eu estava indo dar aula no centro hípico do cláudio, em itapecerica ainda antes de são roque, bem anterior ao ponto onde são comuns os retardos nas manh?s da castello, o trânsito começou a engarrafar, melhor, a ficar lento centenas de carros seguíamos a quarenta por hora, tentando entender o que se passava: as faixas da direita andavam mais rápido, como se houvésse um acidente interrompendo a esquerda, mas aquilo continuou por quilômetros, sem melhora nem piora lá pelas tantas, a faixa da direita acelerava mais, os carros e caminh?es faziam fila para ultrapassar, e comecei a enxergar uma van da viaoeste, um funcionário meio pendurado fora da janela, sinalizando aos motoristas que ultrapassassem rápido, rápido ultrapassei, mas devagar, em um segundo registrei e compreendi a cena, naqueles vislumbres de clareza que ?s vezes temos ainda vejo a cor alaz? do p?lo do potro, clarinho mas escurecido pelo suor, com pequenos cortes sfolados nas pernas pois era um potrinho alaz?o, de uns cinco meses talvez, galopando na reta interminável, ritmado porém perto da exaust?o: olhos arregalados, narinas dilatadas, flancos e peitos escurecidos os casquinhos dele firmes no galope, buscando a saída, a manada, a m?e, que tinham que estar em algum lugar ? frente dele, quilômetros vazios de asfalto: os carros que ultrapassavam desapareciam rápidos atrás, tr?s pistas mais os acostamentos, e a van o empurrando para frente, não o deixando parar os homens da viaoest estavam perplexos, é verdade que sozinhos ali, com um único veículo, não tinham muito o que fazer ? separar o potrinho dos veículos era preferível a provocar um acidente vai ver que esperavam que ele parasse, desviasse para o largo trecho de grama do canteiro central ninguém lhes ensinara, pelo jeito, que um cavalo em modo de fuga pode correr até morrer preciso confessar que minha genética européia, aliada aos meus primeiros anos de vida passados disciplinada por governantas, jardins-de-infância e professoras primárias germânicos, costuma ser forte: não devemos transgredir leis e regulamentos a autoridade deve ser obedecida mas olhei o potrinho, sinalizei aos homens da van, e fui tocando para o acostamento ? direita, acelerando até parar alguns metros ? frente da van, do potro, do fluxo de tráfego mas havia calculado errado: lento demais, perto demais, e nem havia descido do carro para já ser ultrapassada pelos outros veículos tentei de novo, vim pelo acostamento em maior velocidade e por um trecho maior, até parar bem ? frente dos outros há esses momentos definidores, em que não pensamos, apenas agimos, aqueles que no cinema ?s vezes passam em câmera lenta acho que este recurso foi criado pois reproduz o modo de funcionamento do nosso cérebro nestes instantes; como quando caímos do cavalo, e a queda parece levar um minuto desci do carro entrei na pista, todos aqueles carros vindo para cima, e levantei as m?os pedindo que diminuíssem, esperassem, nos dessem uma chance fui andando até entrar na trajetória do potrinho, e torci para que o pessoal da viaoest ntendesse abri os braços como se quisesse abraçar o mundo ? não apenas um potrinho ? e respirei pausadamente, colocando no arredondado dos meus ombros, na calma de meus olhos, no sussuro de minha voz, toda a proteção de uma manada imaginária eu teria apenas uma chance a exaust?o do potrinho ajudou ele me viu, começou a trotar, não parecia ter medo de mim, pelo contrário, talvez eu lhe parecesse a única coisa familiar naquele caos ele chegou perto, eu avancei, falavea com ele, em um instante havia abarcado-o, um braço em volta do peito, o outro na garupa e agarrando a cauda, naquela contenção que os veterinários que já fizeram resid?ncia em haras praticam tanto sorte do potro ser pequeno em um segundo, tr?s ou quatro dos rapazes da viaoest estavam juntos de nós, cada um procurando um pedaço de cavalinho para segurar: as pernas, as orelhas, o pescoço
- bom dia, sou veterinária ? cumprimentava eu - assim ó, desculpe, não segura ele pela perna nem puxa a cabeça deixa, está firme aqui
logo a van estava encostada ? nossa frente, na área de carga uma profusão de caixas e ferramentas, mas o potrinho caberia ninguém reclamou quando assumi a liderança do procedimento (talvez era porque estivesse de culote, indo que estava para as aulas da manh??) ? levantamos o anterior do potro para a van, um dos rapazes eu entrelaçamos nossos braços para empurrar a garupa, e o bichinho estava dentro expliquei a eles como cont?-lo ? não agarrem as pernas, que ele vai ficar com mais medo assim, um na garupa e outro no peito não segurem ele com força enquanto ele estiver quietinho eles agradeceram, bateram as portas, a van partiu a base da viaoeste não era longe, existia o caminh?o dos ?cowboys do asfalto?, cuja função é recolher e transportar animais na rodovia, os ferimentos do potro eram superficiais, tudo indicava que ele estava salvo mas seria resgatado pelo dono? teria um dono? veria de novo a sua m?e? tudo isso eu nunca soube atravessei a pista, enquanto voltava ao meu carro, o tráfego retornava aos cento e vinte (cento e vinte e sete, dentro do limite concedido) de toda manh? p?los no meu moleton, riscos de suor e uma pequena mancha de sangue de cavalo no meu culote nada havia acontecido, nunca mais eu esqueceria aqueles cinco minutos sempre quis escrever sobre esta manh?, nunca o fiz, talvez porque fosse a um tempo uma história simples e complicada demais talvez porque achasse que eu pareço querer posar de super-heroína (claudia erguendo a m?o paralisa o tráfego, o potrinho ao v?-la corre para a segurança de seus braços), mas foi assim que aconteceu para mim, foi a manh? em que tive a oportunidade de fazer uma diferença, pequena que fosse, para melhor, em que consegui honrar esta chance

Claudia Leschonski Veterinária de Cavalos Blog http://leschonski.blog.terra.com.br/

O contedo presente no texto acima responsabilidade dos Autores citados

Gostou do contedo animal acima! Ento compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Msica com temas Animais:

bulletNo dia em que eu saí de casa

bulletÁguas de março

bulletÁgua da minha sede

bulletUrsinho Pimpão

bulletCamarão que dorme a onda leva



Dicas Veterinrias:

bulletMitos e verdade sobre cio de gatos

bulletEnvenenamento por inseticida em cães

bulletJararaca veneno de serpente toxicose e cães

bulletPneumonia (fúngicas) em cães

bulletLuxaçao/sub luxaçao interfalangica distal



Ver todas as Dicas Veterinrias



Colunistas - Veterinrios que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Centro de Pesquisas Hospital Evandro Chagas Departamento de Doenças Infecciosas Serviço de Zoonoses Serviço de Dermatologia Infecciosa
http://www.inpa.com.br>

bullet Av. Brasil 1772, Jd. Chapad?o Campinas/SP * ATENDIMENTO 24HRS * (ao Lado do posto Shell cruzamento com a Imperatriz Leopoldina x Francisco josé de Camargo Andrade) (19) 3212 2601 // (19) 9822 3758 contato>

bullet CEPAV Centro de Patologia Clínica Veterinária Ltda. Rua Tanabi, 185 Água Branca S?o Paulo SP. CEP. 05002 010 Tel.: (11) 3872 9553>

bullet sergio villa santi svillasanti@aolcom
embaixador da oster no brasil
república dos c?es
avorozimbo maia, 1515, cambui, campinas/sp
fone: (19) 3255-1578>

bullet Jeronimo Ribeiro http://www.showdebicho.com>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletO pássaro das plumas de cristal (l uccello dalle piume di cristallo)

bulletA morte anda a cavalo (da uomo a uomo / death rides a horse)

bulletA lenda do homem crocodilo (the legend of gator face)

bulletFamoso pra cachorro (in the doghouse)

bulletA maldição dos gatos (the uncanny



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletGato que gostava de cenoura

bulletNo meu peito não cabem pássaros

bulletA arca de noé

bulletVida de cão

bulletPequenos passaros

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Crditos