Home Page > Dicas Veterinárias > Inseminação artificial em cavalos

Inseminação artificial em cavalos


segundo a história, consta que a primeira inseminação artificial em equino foi realizada no século xiv, por um chefe árabe que, desejando obter um produto do garanh?o do chefe inimigo, excitou o animal com algod?o embebido com secreções de uma e égua em cio, transferiu o s?men colhido, também em algod?o para o interior da vagina de outra e égua em cio, e obteve um produto atualmente a técnica da inseminação artificial está muito difundida entre os criatórios brasileiros, muitos investimentos e novos estudos est?o a cada dia aprimorando a técnica e obtendo excelentes resultados chegando a índices de gestação altíssimos, porém com a especificidade de serviços ligados a área, diversos fatores devem ser levados em consideração para se obter sucesso, e desde o controle folicular durante stro da e égua , a utilização e respostas dos hormônios pelos animais até a hora da coleta, envio e manuseio do s?men do garanh?o são diversas as vantagens da inseminação, entre las; o aumento dos índices de fertilidade devido ao maior controle sobre a ovulação da e égua e qualidade espermática do padreador; e o controle da disseminação de doenças transmitidas através do coito; a utilização de éguas e garanh?es com alguma impossibilidade física; evitar traumas quando falamos de animais muito valiosos; diminuir a distância entre o garanh?o e a e égua com a logística do s?men, evitando deslocar os animais e aumentar o número de descendentes por temporada de um garanh?o passando de 80 para até 200 ou mais quando a e égua for submetida ao processo da inseminação, após a escolha do garanh?o adequado, é imprescindível que o proprietário consulte um médico veterinário especialista para que faça tal serviço e coordene como será todo o processo para saber um pouco mais sobre o assunto é importante entender sobre a fisiologia reprodutiva desses animais a e égua é considerada um animal poliéstrico estacional, ou seja, por natureza deverá e ciclar e mostrar cios nos períodos de primavera e ver?o, quando os dias são maiores a luminosidade captada pelos olhos gera estímulos neurológicos que controlam uma cascata de hormônios envolvidos na reprodução e portanto dependendo da latitud em que ela s encontra poderá apresentar mais cios durante o ano e éguas que se encontram mais próximas ao equador, no norte nordeste brasileiro tendem a entrar no cio praticamente o ano todo enquanto que as e éguas que se encontram nas regi?es sul e sudeste tendem a ser bem específicas com relação as estações alguns criatórios adotam a iluminação artificial durante o outono e inverno para que os cios sejam adiantados essas e éguas venham a ser inseminadas ainda antes da primavera, permitindo que sejam melhores aproveitadas em sua vida reprodutiva e que seus produtos venham a nascer dentro do ano hípico estabelecido por algumas raças como o puro sangue ingl?s , quarto de milha, appaloosa e paint horse ainda abordando sobre o cio, é importante saber que existem muitas particularidades entre cada animal, algumas e éguas apresentam cios de 3 dias enquanto que outras podem apresentar cios de até mais que 10 dias mas a média é entre 6 e 7 dias para o veterinário é importante saber o momento exato da ovulação para que tenha bons resultados para isso deverá ser feito o controle folicular com aparelho de ultrassonografia para a medição e visualização do folículo ovariano, estrutura ovalada repleta de liquido que possui um óvulo em maturação em seu interior, sendo que, quando há o rompimento desta estrutura é o que chamamos de ovulação geralmente o folículo ovariano se rompe com um tamanho médio entre 40 e 45mm e quando é possível fazer a medição deste ele atinge tal tamanho deve-se proceder a inseminação a inseminação em si é um ato relativamente simples e baseia-se na deposição do s?men do garanh?o no e útero da e égua para o sucesso desta técnica é importante que se tenha um s?men de qualidade e para isso deve ser bem manuseado e processado desde a hora da coleta a coleta é feita desviando o p?nis do garanh?o na hora do coito para dentro de uma vagina artificial composta por um tubo rígido de pvc, água morna, uma mucosa de látex, uma mucosa de plástico e um copo coletor de s?men após a coleta o s?men deverá ser analisado para verificação do vigor e motilidade dos espermatozóides e também para que seja feita a contagem em média um garanh?o produz por ejaculado de 20 a 80 ml de s?men com 100 a 200 milh?es de espermatozóides por ml e após ter passado por todo esse processo, o s?men deverá ser diluído em um meio específico, que possui açúcares e antibióticos que melhoram a qualidade do s?men e o protegem contra injúrias oxidativas e térmicas esse s?men deverá ser acondicionado a até 15 e deg;c por 24 horas ou 5 e deg;c por 36 horas ou até mesmo congelado a -196 e deg;c em nitrog?nio líquido podendo ser armazenado durante anos atualmente no brasil, a técnica mais utilizada é a inseminação artificial com s?men resfriado a 15 e deg;c, o transporte desse material é feito em uma caixa de isopor própria, a durabilidade é em média 24 horas, o suficiente para que esse se desloque por praticamente todo país e estando a e égua com um folículo superior a 35 mm, o veterinário deverá induzir a ovulação com hormônios apropriados e solicitar o s?men prevendo que este cheguem um prazo predeterminado após a coleta, processamento e manuseio, o s?men poderá seguir através de logística a e érea, sendo despachado diretamente no aeroporto ou por via rodoviária o sucesso é fruto da dedicação exclusiva de cada pessoa envolvida no processo, desde a pessoa que coleta o s?men, quem transporta até o veterinário que insemina

Daniel Zacharias Zago Médico Veterinário Clínica Geral e Reprodução Equina 11 82627922

O conteúdo presente no texto acima é responsabilidade dos Autores citados

Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletGata me liga

bulletHomem-aranha

bulletO gato vinicius de moraes

bulletTartaruga uguinha celelê e talili

bulletVida de cachorro



Dicas Veterinárias:

bulletVómito em cães e gatos

bulletProfissão tosador, ou melhor, groomer

bulletCuidados de saúde do seu gato

bulletA deficiência de sódio em cães

bulletEpilepsia em cães



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Marina Rodrigues http://adestradoradecaes.blogspot.com.br/>

bullet Juliane Seixas Juliane Seixas Website.: www.facebook.com/veterinariadrajulianeseixas Graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, PUC/PR. Atua como plantonista na área clínica e cirurgica de animais de companhia CRMV: 11430 / PR Cont>

bullet Antonio Roberto Bacila é médicoveterinário, diretor técnico e presidente da Organnact Saúde Animal.>

bullet Rita Ericson http://bichosaudavel.com/meu cao late demais/>

bullet Adriana Morales Médica Veterinária CRMV: 6467 Membro do Colégio Brasileiro de Oftamologia Veterinária. Avenida 11 de Agosto, 1693. Valinhos/SP Tel.: 19 38492522>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletQualquer gato vira-lata

bulletHarry, o amigo de tonto

bulletO filho do ace ventura

bulletCorrendo pra cachorro (man about dog)

bulletBenji - o filme



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletLivro dos passaros magicos, o

bulletExplicação dos pássaros

bulletUm gato indiscreto e outros contos

bulletCachorro tem cada uma

bulletPassaro-camaleao, o

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos