Home Page > Dicas Veterinrias > Cochotomia e caudectomia: fazer ou não fazer?

Cochotomia e caudectomia: fazer ou não fazer?


Entre as mais de 400 raças de cães existentes, algumas delas definiram como padr?o o corte de caudas, de orelhas ou ambos este padr?o foi definido de acordo com o desenvolvimento da raça e observamos que na sua grande maioria, a amputação ocorria de acordo com a função que o cão exercia a federação cinológica internacional, determinou que o corte de caudas e orelhas, não é mais obrigatório
observemos por exemplo, o poodle ele tem a sua cauda cortada logo nos primeiro dias de vida e isto ocorre porque o poodle originalmente foi desenvolvido para exercer a função de caça de aves aquáticas a cauda longa e com pelos atrapalharia o cão, dificultando a sua movimentação na água e também podendo enroscar em plantas e galhos comuns em áreas em que essas aves habitam além disso, a cauda deve ser cortada em um tamanho que permita ao dono do cão usá-la para puxar o cão para fora da água em caso de necessidade hoje em dia, os poodles não caçam patos, são usados como cão de companhia, porém este padr?o estético agrada e acabou ficando
agora, vamos pensar em cães de guarda vou dar o exemplo do cane corso; um cão de origem antiga, que tem suas orelhas e cauda amputadas, pois a sua origem como cão de batalha determinou que isto ocorresse; pois a orelha é um ponto vulnerável ao correr, o animal pode ter a sua visão prejudicada, ou a orelha poderá s enroscar em alguma coisa, ou ainda, ser alvo da mordida de um outro cão, ou mesmo de outro animal além disso, o cão com as orelhas cortadas apresenta um semblante mais ameaçador, impondo desconfiança e medo ao inimigo humano quanto a cauda, ela também seria um ponto vulnerável o corte mais longo permite que o dono, assim como no caso dos poodles, a use para puxar o animal ergu?-lo, separando uma briga, ou somente para retirá-lo de algum local inadequado em pinturas esculturas do século dezoito, observamos cães usados em batalhas com cauda longa e orelha cortada alguns cães nesta época tinham, além das orelhas, a cauda cortada; pois eram usados na caça de javali e a cauda seria um ponto vulnerável hoje em dia, o corte de caudas tornou-se rotineiro é feito nos primeiros dias de vida do cão já o corte de orelhas deixamos ? critério do proprietário
alguns órg?os de proteção animal defendem a tese de que estas cirurgias seriam mutilações e batalham por leis que regulamentem esse procedimentos eles preconizam que o corte de caudas em recém nascidos provoca muita dor ao animal e que caudas mal amputadas podem formar um neuroma (inflamação do nervo periférico) que o incomodará pelo resto da vida realmente, a dor em um animal recém nascido é maior que em um adulto, porém o corte de caudas feito corretamente, usando-se anestesia local e pelas m?os de um veterinário, deixará de ser um procedimento cruento, e sem a formação de neuromas que realmente incomodam muito
em minha criação da raça cane corso temos exemplares de uma mesma ninhada de orelhas cortadas e orelhas inteiras o que pude observar é que não houve diferença no desenvolvimento destes animais, e também nenhuma diferença comportamental, ou ainda, qualquer dor ou incomodo no local da incisão o que observo é que cães desta raça com orelhas inteiras tem maior tend?ncia ? otite
certa vez fiz um desafio: escolheria um filhote em minha ninhada, saudável e de tamanho normal, nem grande , nem o menor da ninhada, e deixaria a sua cauda inteira resultado: o filhote teve o crescimento igual ao dos irm?os, o que para mim levou ? conclusão que o corte de caudas não é um trauma que prejudicaria o desenvolvimento de um filhote
na minha opini?o, um cãozinho que sente muita dor, fica mais prostrado, não com acaba tendo o seu crescimento prejudicado é claro que qualquer procedimento em recém nascidos nos causa pena, até mesmo em recém nascidos humanos, o teste do pezinho parece doloroso; porém como já citei, o corte de caudas deve ser feito de uma maneira indolor, usando-se anestésicos, material esterelizado e adequado ao procedimento, fazendo-se um pós operatório cauteloso, com produtos seguros, indolores eficazes e, principalmente, por veterinários que conhecem a anatomia do local e a fisiologia do animal

Luciana Leite Ribeiro dos Santos Médica veterinária CRMVSP 8298 www.spaces.msn.com/members/vetemcasa lulrs@yahoo.com.br

O contedo presente no texto acima responsabilidade dos Autores citados

Gostou do contedo animal acima! Ento compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Msica com temas Animais:

bulletOlha o caminho da roça!

bulletO gato vinicius de moraes

bulletPonbinha branca

bulletRomaria

bulletForró de cavalgada



Dicas Veterinrias:

bulletOrelha coçando depois do banho

bulletPrimeiro banho no filhote passo a passo e dicas para cão adulto

bulletComo escolher acessórios adequados para passear com seu cão

bulletPreparação para chegada dos filhotes!

bullet6 coisas para fazer seu gato feliz



Ver todas as Dicas Veterinrias



Colunistas - Veterinrios que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Rafael Wisneski http://blog.meucaocompanheiro.com/>

bullet Sérgio Villa Santi>

bullet Alexandre Domingues>

bullet Ag?ncia de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas ADEAL >

bullet Archivaldo Reche, professor de veterinária da USP.>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletOs pássaros (the birds)

bulletO gato preto (the black cat)

bulletBenji - o filme

bulletUma dupla quase perfeita

bulletThe dark knight (2008)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletLivro de banho galinha pintadinha

bulletO gato de botas

bulletNo meu peito não cabem pássaros

bulletCachorro tem cada uma

bullet97 maneiras de fazer seu cachorro sorrir

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Crditos