Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]


Home Page > Dicas Veterinárias > Acidose respiratória

Compartilhe em suas redes sociais:

Acidose respiratória


A acidose respiratória é definida como uma acidose (redução do pH sanguíneo) resultante de uma ventilação reduzida dos alvéolos pulmonares, levando a uma alta concentração de dióxido de carbono (PaCO2).


A acidose respiratória é um problema clínico consequente da hipoventilação. Há uma produção acelerada de dióxido de carbono, com aumento de PaCO2 devido à insuficiência ventilatória imediata. A hipoventilação alveolar resulta em uma hipercapnia, que é o PaCO2 aumentado, que por sua vez reduz a proporção de HCO3−/PaCO2 e diminui o pH. Em outras palavras, a hipercapnia e a acidose respiratória ocorrem quando o problema na ventilação se estabelece e a retirada de CO2 pelos pulmões é menor do que a produção de CO2 pelos tecidos.


Esta disfunção é classificada em dois tipos:


  • Acidose respiratória aguda: na qual o PaCO2 encontra-se acima do limite superior (6,3 kPa ou 47 mm Hg), com acidemia (pH inferior a 7,35). Ocorre em casos de insuficiência súbita da ventilação. A insuficiência ventilatória pode iniciar-se por uma depressão do centro respiratório central, resultante de uma doença cerebral ou uso de drogas, inabilidade de ventilar adequadamente em consequência de uma doença neuromuscular ou obstrução das vias aéreas relacionada à asma ou agravamento da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

  • Acidose respiratória crônica: neste caso, o PaCO2 encontra-se acima do limite superior, mas com pH sanguíneo dentro da normalidade (7,35 a 7,45) ou pH próximo ao normal secundário à compensação renal e um bicarbonato sérico elevado (HCO3− maior do que 30 mm Hg). Este tipo de acidose apresenta diferentes etiologias, como parada cardiopulmonar, pneumotórax, hidrotórax, distensão abdominal aguda, hipertermia maligna e insuficiência cardíaca congestiva (ICC).


As manifestações clínicas podem iniciar-se com cefaléias e sonolência. Também podem estar presentes dispnéia, tosse, sudorese, desmaio, cianose, arritmias, taquicardia, tremores e convulsão. O quadro pode evoluir para um estado comatoso.


Normalmente, o diagnóstico de acidose metabólica é definitivamente estabelecido quando se analisam os valores do pH sanguíneo e do CO2 nas amostras de sangue arterial.


O tratamento varia de acordo com sua etiologia. Contudo, em todos os casos é necessário melhorar a ventilação-perfusão e o apoio ventilatório, como, por exemplo, por meio da utilização de broncodilatadores e uso de antibióticos. Indivíduos que por algum motivo apresentam funcionamento pulmonar severamente alterado podem necessitar de respiração artificial através de ventilação mecâ;nica.


A actinobacilose, também conhecida como “língua de pau” ou “língua de madeira”, é uma doença infecciosa, não contagiosa, crônica e granulomatosa que acomete os tecidos moles de bovinos, resultando no aparecimento de piogranulomas com presença de drusas no seu interior.


Apresenta como agente etiológico o Actnobacillus lingnieresii, que vive no trato digestivo dos bovinos, uma bactéria susceptível às influências ambientais, não sobrevivendo mais de 5 dias na palha ou feno. Esta bactéria penetra e leva à afecção quando existe uma lesão na mucosa oral, que pode ser resultado de traumatismo por alimentos grosseiros. Esta enfermidade afeta bovinos de todas as idades, sendo infrequente em ovinos, suínos e eqüinos.


Normalmente a doença ocorre esporadicamente, sendo observados casos isolados, mas dependendo de fatores epidemiológicos, podem haver surtos da doença.


A doença divide-se em três formas: forma que afeta os linfonodos, forma lingual e forma pulmonar. Estas lesões possibilitam a instalação do agente etiológico no local e alcança os linfonodos regionais e outros órgãos, por via linfática ou hemática. A partir do momento em que as bactérias atingem as camadas mais profundas, há o estabelecimento de uma infecção local e o surgimento de uma reação inflamatória aguda, que progride para a formação de lesões crônicas, do tipo granulomatoso com necrose e supuração, liberando descarga purulenta para o meio exterior.


O quadro clínico típico da doença é a forma lingual, caracterizando-se por glossite (inflamação da língua), levando, consequentemente, a falta de apetite, sialorréia, dificuldade de mastigação e de deglutição do alimento. Podem estar presentes lesões labiais, palato, faringe, fossas nasais e face, os quais, quando difusas, levam a um quadro clínico conhecido popularmente como “cara de hipopótamo”.


As formas de comprometimento dos linfonodos são mais comuns em casos de surtos, onde está presente linfadenopatia, especialmente dos linfonodos da cabeça e cervicais. À palpação, estes se apresentam infartados, duros, indolores e frios, podendo haver edema periférico e subcutâ;neo. Há casos que podem fistular e liberar pus.


O tratamento é feito com o uso de antibióticos à base de penicilina, sulfas ou estreptomicina, administrada por via muscular, durante 5 a 7 dias, associada com solução de iodeto de potássio a 10% na dose de 1g/12kg de peso vivo, por via intravenosa, dose única.


A profilaxia dessa doença é realizada através do isolamento de animais doentes, impedindo que ocorra contaminação de alimentos devido à secreção de lesões, bem como evitar uma dieta com alimentos grosseiros que podem causar ferimentos na cavidade bucal.



Débora Carvalho Meldau

O conteúdo presente no texto acima é responsabilidade dos Autores citados

Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletPassaros

bulletA dança da tartaruga asa de águia

bulletEspinha de peixe

bulletTelegrama

bulletGavião mestre ambrósio



Dicas Veterinárias:

bulletProtocolo de vacinação de cavalos

bulletVantagens em criar um dia de adoção de animais? no seu pet shop

bulletDiabetes água em cães

bulletAprumos dos equinos

bulletTapeworms em cães



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Virgínia Figuerôa (11) 55061144 / virginia@ecco.inf.br>

bullet LUIZA CERVENKA DE ASSIS http://emais.estadao.com.br/blogs/comportamento animal/morte e luto o que fazer quando o cachorrogato morre/>

bullet UniversoEquino.com.br
Médica Veterinaria Mariana Marcantonio Coneglian CRMV PR 07428>

bullet Karine Kleine www.grupokleine.com.br>

bullet Mariana LageMarques Médica Veterinária graduada pela Universidade Paulista em 2002. Mestre em Cirurgia pela FMVZUSP em 2008. Sócia Fundadora ABOV (Associação Brasileira de Odontologia Veterinária), 2002. Faço atendimento odontológico móvel. >



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletThe dark knight (2008)

bulletBabe, o porquinho atrapalhado

bulletAracnofobia

bulletBatman begins (2005)

bulletUma cilada para roger rabbit



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletMais que um leao por dia

bulletPássaros amarelos

bulletSinopse do livro 97 maneiras de fazer seu cachorro sorrir

bulletCães de guerra

bulletOs segredos dos gatos tudo para entender e ensinar o seu companheiro

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos