Home Page > Dicas Veterinárias > Doença periapical equinos

Doença periapical equinos


INTRODUÇÃO


A doença periapical (DP) é uma das afecções dentárias mais graves em eqüinos. Pode ser de origem primária em eqüinos de até sete anos de idade (Schumacher, Honnas, 1993) ou secundária a afecções das estruturas relacionadas ao ápice dentário (Dixon, 1997).


Os sintomas clínicos variam de acordo com a idade e o dente afetado, sendo freqüente o emagrecimento, cólicas por impactação, queda de alimento durante a mastigação, halitose, epífora e problemas de adaptação à embocadura (Mueller, 1991; Lane, 1994). O sinal clínico mais evidente é o aumento de volume facial ou mandibular assimétrico, com ou sem corrimento nasal ou fístula (Schumacher, Honnas, 1993).


O diagnóstico deve basear-se na anamnese, no exame clínico e na avaliação radiológica para descartar outras causas de aumento de volume facial ou mandibular (Dixon, 1997).


O tratamento depende do grau de comprometimento do ápice e do dente, podendo ser conservativo ou cirúrgico, mediante apicectomia ou extração, que é a mais praticada.


O objetivo deste trabalho foi relatar e discutir quatro casos de DP em eqüinos.


 


CASUÍSTICA


Eqüino 1


Garanhão da raça Mangalarga Marchador de sete anos de idade com aumento de volume facial esquerdo (Fig. 1), de quatro meses de evolução, período em que foi feito tratamento tópico com vários produtos. Ao exame físico, o eqüino apresentou as características clínicas nos limites fisiológicos e aumento de volume facial semi-esférico de aproximadamente 10cm e consistência dura. Ao exame radiológico verificou-se área de radioluscência em torno do ápice do dente M1, compatível com doença periapical.



 



 


Na cirurgia realizou-se aspiração de líquidos seroso e hemorrágico, provenientes do volume facial. Pela abordagem cirúrgica do volume, foi aberto o seio maxilar, constatando-se a presença de abscesso em continuidade com os ápices dos dentes M1 e PM4, além de osteólise parcial maxilar. A apicectomia foi realizada devido à ausência de alterações visíveis em estruturas orais ou periodonto e pela presença do abscesso. Após debridamento de tecidos necrosados e lavagem do seio, a ferida cirúrgica foi suturada, mantendo-se um dreno capilar.


O pós-operatório constituiu de limpeza do dreno e terapia à base de antibiótico e antiinflamatório. Houve cicatrização adequada e recomposição óssea maxilar, porém com evolução de fístula.


Eqüino 2


Égua da raça Brasileiro de Hipismo de quatro anos de idade, portadora de fístula purulenta na borda ventral da mandíbula esquerda, de cinco meses de evolução, período em que se fez tratamento conservativo local com iodopovidona1 solução fisiológica2 e parenteral com antibioticoterapia. O exame radiológico confirmou a presença de doença periapical no dente PM3. Realizou-se apicectomia devido à ausência de alterações em estruturas orais e no periodonto.


No pós-operatório foram administrados enrofloxacina3 durante 10 dias e flunixin meglumine4 por cinco dias. O dreno foi mantido por 72 horas e a ferida cirúrgica foi tratada com solução de permanganato de potássio5 e rifocina6.


Após sete meses, devido à permanência da fístula, foram realizadas extrações dos dentes PM3 e PM4 devido ao comprometimento avançado. O pós-operatório foi conduzido conforme o primeiro caso, acrescido de metronidazol7 por via oral do 10º ao 20º dia de pós-operatório e lavagem oral diária. A ferida cirúrgica foi mantida com um dreno capilar, trocado a cada 24 horas. Aos 21 dias de pós-operatório verificou-se granulação na ferida e aos 53 dias houve cicatrização completa.


Eqüino 3


Égua da raça Brasileiro de Hipismo de três anos e meio de idade, portadora de fístula relacionada ao dente PM3 mandibular esquerdo, mantida sob tratamento conservador até a regressão com formação de crosta ocorrida depois de dois meses. Um ano e meio após, houve recidiva da fístula com secreção purulenta, sendo então extraído o dente PM3.


O pós-operatório seguiu-se com antibioticoterapia à base de penicilina8 e gentamicina9 e tratamento local com permanganato de potássio e solução fisiológica. Aos 43 dias de pós-operatório, após desenvolver granulação com secreção discreta durante três semanas, a fístula passou a drenar exsudato em maior quantidade e o eqüino apresentou halitose. A ferida passou a ser tratada com ácido metacresolsulfônico gel10. Dois meses e meio após a cirurgia, ainda havia uma pequena fístula que drenava menos exsudato.


Eqüino 4


Égua da raça Quarto de Milha de três anos de idade, portadora de fístula mandibular relativa à DP do M1 direito, submetida a cirurgia de extração dentária. Após quatro meses, retornou com sintomas de dificuldade de mastigação associada à queda na alimentação, sialorréia intensa e halitose. Pelo exame físico evidenciou-se aumento de volume no ramo mandibular esquerdo relativo ao cisto de erupção do PM4, confirmado pelo exame radiológico. Observou-se, ainda, presença de capas dos dentes PM3 e PM4 maxilares esquerdos e uma esquírola óssea na ferida cirúrgica alveolar. Procedeu-se à retirada das capas e da esquírola óssea seguida de lavagem oral com iodopovidona diluída e aplicação de iodo a 5% na ferida alveolar.


O pós-operatório seguiu-se com metroniadazol oral. Houve melhora progressiva dos sintomas clínicos.


 


DISCUSSÃO


A ausência de cistos de erupção e alterações orais no eqüino 1 descarta a possibilidade de doença periapical primária e secundária, sugerindo outras possibilidades etiológicas, como traumatismo, sinusite e hiperparatireoidismo secundário nutricional, não relacionadas na literatura consultada. A sinusite maxilar presente constitui complicação adicional, freqüente em casos de doença periapical crônica nos dentes com raízes alojadas no seio maxilar (Dixon, 2000).


O tratamento conservador mostrou-se ineficaz nos eqüinos 2 e 3, fato já salientado por Dixon (2000) que o considerou eficaz só nos casos de doença periapical em dentes mandibulares, na ausência de fístulas. A doença periapical nos dentes pré-molares e molares mandibulares geralmente ocorre em eqüinos jovens, restringindo-se ao ápice dentário, sendo raro o envolvimento de estruturas orais (Dixon, 2000), o que coincide com os casos dos eqüinos 2 e 4. No entanto, a demora para o tratamento cirúrgico deve ter sido a razão para o comprometimento dentário, conforme ocorreu no eqüino 3.


A apicectomia é uma técnica indicada em casos de doença periapical sem envolvimento de estruturas orais, como nos eqüinos 1 e 2. No entanto, deve ser seguida de tratamento endodôntico (Dixon, 1997), o que explica a falta de êxito ocorrida nos dois casos.


A cicatrização por segunda intenção após extrações dentárias é um processo demorado devido à contaminação e cruência cirúrgica. Por isso, antibióticos de amplo espectro e antiinflamatórios estão indicados, além de curativo diário na ferida alveolar com soluções antissépticas e quimioterápicos seguido de impactação com bucha de gaze (Lowder, 1999). Durante o pós-operatório, o eqüino pode desenvolver complicações como diminuição do apetite, halitose, fístulas, osteomielite e até carcinoma odontogênico (Lilich, 1998). A halitose foi observada no eqüino 3, concomitante com o aumento de secreção na ferida cirúrgica, e no eqüino 4 devido ao acúmulo de alimento pela dificuldade de mastigação. A presença da esquírola óssea no eqüino 4 deveu-se à cruência cirúrgica conseqüente da extração dentária por repulsão que pode ocasionar pequenas fraturas no osso alveolar (Prichard et al., 1992).


 


CONCLUSÕES


A DP tem causas adicionais a serem definidas, além das classificadas e descritas como primária e secundária. Em eqüinos acometidos de DP, a dificuldade de cura completa da infecção pode permanecer após a extração dentária. A apicectomia sem tratamento endodôntico não deve ser realizada, mesmo nos casos de doença periapical sem alterações de estruturas orais. A extração dentária permanece como melhor conduta para tratar a doença periapical secundária, devendo também ser feita quando não for possível a apicectomia associada ao tratamento endodôntico, em eqüinos com doença periapical primária.



http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102 09352004000100006&script=sci_arttext

O conteúdo presente no texto acima é responsabilidade dos Autores citados

Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:

Letras de Música com temas Animais:

bulletO portão

bulletHomem com h

bulletCachorro na feira os paralamas do sucesso

bulletHaja amor

bulletCobra Criada



Dicas Veterinárias:

bulletHábito e problemas alimentares iii

bulletChocolate, um veneno para seu pet

bulletProlapso uretral em cães

bulletAfinal, cães enxergam cores?

bulletAlimentos proibidos para cães



Ver todas as Dicas Veterinárias



Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet Rosmeire de O.S.Jacinavicius Médica Veterinária Acupunturista tel: (19)999971911 email: stuffzinha@gmail.com>

bullet André Barreto www.andrebarreto.com 1150936244 / 25037333>

bullet Heloísa Helena Amaro>

bullet Daniel Zacharias Zago Médico Veterinário Clínica Geral e Reprodução Equina 11 82627922>

bullet Jo?o Kleinerdr jo?o alfredo kleiner dvm, msc especialista em oftalmologia e clínica cirúrgica geral acvo ophthalmology course wisconsin, madison ? 1998 e-mail: docjak@vetweb.com.br>



Cinema, Filmes e Seriados:

bulletVinte mil léguas submarinas

bulletPeixe grande e suas histórias maravilhosas (big fish)

bulletBatman e robin (1997)

bulletTarzan

bulletThe batman (1943)



Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bulletSinopse do livro 97 maneiras de fazer seu cachorro sorrir

bulletPassaros sao eternos, os

bulletA perigosa vida dos passarinhos pequenos

bulletSucesso na criação de pássaros canários e periquitos

bulletO gato que falava com fantasmas

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br - Todos os direitos reservados - Créditos