Digite aqui a palavra-chave.





Home Page > Raças & Espécies > Cães > Rhodesian ridgeback

pinterest



Rhodesian ridgeback

 RHODESIANRIDGEBACK

País de origem: África do Sul
Nome no país de origem: Rhodesian Ridgeback é ainda utilizado para a caça
em muitas partes do mundo, mas é especialmente
apreciado como cão de guarda e de companhia familiar.
Utilização: Levantador de caça
Sem prova de trabalho
RESUMO HISTÓRICO: o Rhodesian Ridgeback é a única raça registrada nativa da
África do Sul. Seus antepassados podem ser rastreados no Cape Colony da África do
Sul, onde eles cruzaram com os cães dos pioneiros e com os cães semidomesticados
com crista dos Hottentot. Caçando principalmente em grupos de 2 ou 3, a função
original do Rhodesian Ridgeback ou “Cão de Leão” era localizar a caça, especialmente
o leão e, com grande agilidade, guardálo
a distância até a chegada do caçador.
O padrão original que foi redigido por F.R.Barnes, em Bulawayo, Rodésia, em 1922,
foi baseado no padrão do Dálmata e foi aprovado pelo South African Kennel Union,
em 1926.
APARÊNCIA GERAL: deve representar um cão bem balanceado, forte, musculoso,
ágil e ativo, de silhueta simétrica, de alta capacidade de resistência e alto potencial de
velocidade. A ênfase está na agilidade, elegância e fi rmeza, sem nenhuma tendência
a ser pesado. A peculiaridade da raça é a crista no dorso que é formada pelos pêlos
que crescem em direção oposta ao restante da pelagem. A crista é uma marca distinta
da raça. Ela deve ser claramente defi nida e simétrica e se afi nar gradualmente em
direção à garupa. Começa a formarse
imediatamente atrás dos ombros e continua
até os quadris. A crista deve ter duas coroas idênticas e opostas entre elas. As bordas
da crista não devem estenderse
baixas mais do que um terço de seu comprimento. A
largura da crista pode chegar a 5cm.
COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: revela dignidade, inteligência, é
reservado com os estranhos, sem apresentar agressividade ou timidez.
CABEÇA
REGIÃO CRANIANA
Crânio: de bom comprimento (a largura da cabeça entre as orelhas, a distância do
occipital ao stop, do stop até o fi m da trufa devem ser iguais), achatado e largo entre
as orelhas; sem apresentar rugas, quando em repouso.
Stop: razoavelmente bem defi nido e não em uma linha reta da trufa ao osso do occipital.
REGIÃO FACIAL
Tr ufa: de cor preta ou marrom. Um cão de trufa preta pode ser acompanhado de
olhos escuros e os de trufa marrom, por olhos de cor âmbar.
Focinho: longo, profundo e poderoso.
Lábios: bem ajustados aos maxilares.
Maxilares / Dentes: maxilares fortes, com uma perfeita e completa mordedura em
tesoura. Os dentes devem ser bem desenvolvidos, especialmente os caninos.
Bochechas: devem ser planas.
Olhos: moderadamente separados, redondos, brilhantes, de expressão inteligente. A
cor dos olhos harmonizase
com a cor da pelagem.
Orelhas: inseridas altas, de tamanho médio, bem largas na base e diminuindo
gradualmente para uma ponta arredondada; portadas próximas à cabeça.
PESCOÇO: de bom comprimento, forte e sem barbelas.
TRONCO
Dorso: poderoso.
Lombo: forte, musculoso e ligeiramente arqueado.
6
Peito: não muito largo, porém muito profundo e com muita capacidade; deve
alcançar os cotovelos. O antepeito deve ser visível quando visto de perfi l. As costelas
moderadamente arqueadas, nunca arredondadas, em forma de barril.
CAUDA: forte na raiz e diminui gradualmente até a ponta sem ser grosseira. De
comprimento moderado. Não deve ser inserida nem muito alta nem muito baixa e
deve ser portada com uma ligeira curva para cima, jamais enrolada.
MEMBROS
ANTERIORES: devem ser perfeitamente retos, fortes e de boa ossatura, com os
cotovelos bem ajustados ao corpo. Vistos de perfi l, os anteriores devem ser mais
largos do que quando vistos de frente.
Ombros: oblíquos, bem delineados e musculosos.
Metacarpos: fortes, com leve elasticidade.
POSTERIORES: devem ter músculos modelados e bem defi nidos.
J oelhos: bem angulados.
J arretes: fortes e bem descidos.
Patas: compactas e redondas, com dígitos bem arqueados e fl exíveis, almofadas
plantares elásticas, protegidas por pêlos que nascem entre os dedos e as almofadas.
MOVIMENTAÇÃO: em linha reta para a frente, fl uente e enérgica.
PELAGEM
Pêlo: o pêlo deve ser curto e denso, de aspecto liso e brilhante, sem ser lanoso ou
sedoso.
COR: do trigo pálido ao vermelho trigo. Uma pequena mancha branca no peito e nos
dedos é permitida, mas excesso de pêlos brancos nessas áreas, no peito, no ventre
ou acima dos carpos ou tarsos é indesejável. Admitese
que o focinho e as orelhas
sejam de cor preta. Excesso de pêlos pretos na pelagem do resto do corpo é altamente
indesejável.
TAMANHO / PESO
altura na cernelha: machos: 63 cm 69
cm.
fêmeas: 61 cm 66
cm.
Peso: machos: 36,5 kg.
fêmeas: 32 kg.
FALTAS: qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta
e penalizado na exata proporção de sua gravidade.
NOTAS:
· os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem descidos
e acomodados na bolsa escrotal.
· todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento




Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:



Letras de Música com temas Animais:

bullet  Vampiro

bullet  Teia da aranha virgem

bullet  Gavio cacuri de dona tet

bullet  A galinha magricela

bullet  Serpente

Ver todas as Músicas

Dicas Veterinárias:

bullet  Como ? os animais tem direitos ??

bullet  Luxao medial e lateral da patela (deslocamento de rtula)

bullet  Alergia a animais domsticos: o que fazer?

bullet  Vacinao em equinos

bullet  Hepatite contagiosa canina

Ver todas as Dicas Veterinárias

Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet  Ren Schubert Psiclogo Clnico. Atua como psicanalista em consultrio e hospital psiquitrico. Desenvolve trabalho com Equoterapia na Hpica das Araucrias (Tel:44821983) Contato: schubert_rene@hotmail.com

bullet  Bruno Tausz(Etlogo)

bullet  Luelyn Jockyman CRMVSP 14.512 Clnica Animaletto (19) 32589280 Av. Mrio Garneiro 438 (Estrada do San Conrado) Sousas

bullet  Arlette Farias FISH GARDEN (19) 32365073 Campinas SP

bullet  Vanessa Castro Pesquisador Cientfico Laboratrio de Doenas Bacterianas da Reproduo castro@biologico.sp.gov.br

Confira todos os Colunistas



Cinema, Filmes e Seriados:

bullet  Rio

bullet  gua para elefantes

bullet  Pssaros excntricos (pretty bird)

bullet  Eu sou a lenda

bullet  Qualquer gato vira-lata

Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bullet  O gato que falava com fantasmas

bullet  Crianca, cachorro que fala!

bullet  Um gato indiscreto e outros contos

bullet  Nosso planeta verde - 100 timas propostas para trabalhar na educao infantil

bullet  O gato e a revoluo

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br & - Todos os direitos reservados - Créditos