Digite aqui a palavra-chave.





Home Page > Raças & Espécies > Cães > Griffon nivernais

pinterest



Griffon nivernais

 GRIFFONNIVERNAIS

País de origem: França
Nome no país de origem: Griffon Nivernais
Utilização: Cão de faro, utilizado, principalmente
na caça ao javali, geralmente em matilha, mas também
individualmente.
Sujeito à prova de trabalho para campeonato internacional.
RESUMO HISTÓRICO: o Griffon Nivernais descende dos cães segusianos utilizados
pelos Gauleses e dos Cães Cinzas de Saint Louis. Este cão foi muito apreciado
durante 200 anos, até o reinado de Luis XI, depois foi abandonado das matilhas reais,
por Francisco I, que preferia cães brancos. Porém, alguns fi dalgos de Nivernais os
mantiveram até a revolução francesa onde a raça parecia ter desaparecido. Um século
mais tarde, o Griffon Nivernais, chamado, muitas vezes de “cães do país” foi recriado
a partir de cães conservados, todavia, no berço da raça. Ao fi nal do século XIX e no
início do século XX, esses cães receberam sangue de Vendéen, de Foxhound e depois
de Otterhound para chegar à raça que conhecemos hoje. O clube foi criado em 1925.
APAR ÊNCIA GERAL: com uma pelagem dura e emaranhada (em francês
“Barbouillaud”) bem típico, robusto, muito rústico e de pêlo duro (hirsuto). Membros
e músculos secos, destinados a fornecer mais capacidade no trabalho do que na
velocidade. De aspecto um pouco triste mas não medroso.
PROPORÇÕES IMPORTANTES: o comprimento do corpo (escápuloisquial)
é ligeiramente superior à altura na cernelha. O crânio e o focinho são do mesmo
comprimento.
COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO
· compor tamento: cão com um faro muito bom, penetrante, principalmente em
terrenos difíceis e cerrados.
· temperamento: excelente para se aproximar da caça, muito bom caçador, corajoso
sem ser medroso. Sua coragem e seu espírito de iniciativa permitem que ele seja
utilizado, com sucesso, em pequenas matilhas para caça ao javali. Apesar de poder
treinálo
facilmente, as vezes demonstra ser obstinado e independente, dessa forma,
seu dono deverá fazêlo
obedecer desde a idade mais jovem.
CABEÇA
4
Região Craniana: muito seca, leve sem ser pequena, um pouco longa sem excesso.
As linhas do crânio e do focinho são paralelos.
Crânio: quase plano, de largura mediana, as laterais são defi nidas pelas arcadas
zigomáticas ligeiramente pronunciadas. A crista occipital é só perceptível quando
tocada.
Stop: ligeiramente marcado, parecendo mais aumentado quando os pêlos se levantam,
mas sem exagero.
Região Facial
Tr ufa: preta, bem marcada.
Focinho: do mesmo comprimento que o crânio, sem ser largo em sua extremidade;
suas faces convergem ligeiramente, mas não a ponto de ser pontudo. Um pouco de
barba no queixo.
Lábios: pouco desenvolvidos, cobrem a mandíbula. São cobertos pelos bigodes, bem
pigmentados.
Maxilares / Dentes: maxilares de aspecto robusto, normalmente desenvolvidos.
Articulados em tesoura, às vezes em torquês. Incisivos inseridos em ângulo reto em
relação aos maxilares. Dentição completa (os PM1 não são levados em consideração).
Olhos: de preferência escuros. Olhar vivo e penetrante. Supercílios pronunciados mas
sem cobrir os olhos. Conjuntiva não aparente. As pálpebras são bem pigmentadas.
Orelhas: de inserção mediana (mais ou menos 3 cm de largura), nivelada à linha
superior dos olhos, caídas, fl exíveis, mais para fi nas, de largura média, ligeiramente
viradas para dentro nas suas extremidades, bastante peludas, semilargas,
atingindo
a raiz da trufa.
PESCOÇO:de preferência leve, seco e sem barbelas.
TRONCO
Linha super ior: reta, da cernelha ao lombo.
Cernelha: levemente acima da linha do dorso e estreita devido a aproximação das
pontas da escápula. Unese
harmoniosamente ao pescoço.
Dorso: sólido e bastante longo, preferencialmente estreito e fi rme, com uma boa
musculatura, mesmo que seja pouco aparente.
Lombo: sólido, ligeiramente arqueado.
Garupa: ossuda, ligeiramente oblíqua, com músculos secos.
Peito: o mais descido possível até os cotovelos. O antepeito é pouco desenvolvido na
largura. Caixa torácica longa e alargando em direção às últimas costelas.
Costelas: as primeiras são um pouco mais planas; as últimas mais arredondadas.
Flancos: cheios, sem excesso.
Linha inferior: ligeiramente elevado para trás mas não esgalgado.
CAUDA: de inserção um pouco alta, não muito longa. Mais peluda no meio. Em
repouso, é portada ligeiramente abaixo da horizontal; em ação, é portada em forma
de sabre, para o alto e pode curvarse
sobre o sorso em sua extremidade.
MEMBROS
Anter iores:
Vistos em conjunto: bons aprumos. Geralmente e em repouso, os membros anteriores,
vistos de perfi l, parecem um pouco atrás da vertical (debaixo do cão, visto de frente).
Ombros: ligeiramente inclinados, secos, bem justos ao tórax.
Cotovelos: bem aderentes ao corpo.
Antebr aços: parecem mais fortes por causa do pêlo, mas na realidade são mais secos
que grossos e bem retos.
Metacarpos: mais curtos e ligeiramente inclinados.
Posteriores:
6
Vistos em conjunto: de perfi l, ligeiramente abaixo do cão. Vistos por trás, a linha
vertical parte da ponta da nádega devendo passar pela ponta do jarrete dividindo o
metatarso igualmente.
Coxas: mais para planas.
J arretes: descidos. Vistos de perfi l, o ângulo do jarrete é ligeiramente fechado.
Metatarsos: um pouco direcionados para a frente (ligeiramente abaixo do cão, vistos
por trás).
PATAS: de forma oval, ligeiramente alongadas, com dedos sólidos e fechados,
lembrando os pés de lebre; com uma boa pigmentação das unhas e almofadas.
MOVIMENTAÇÃO: fl exível e fácil (nem irregular ne saltitante). O cão cobre
bastante terreno.
PELE: fl exível e aderente, bem aplicada sobre todo o corpo, bastante espessa,
pigmentada. Manchas pretas sobre o corpo, lábios bem pigmentados, sem barbelas.
PELAGEM
Pêlo: longo, hirsuto e espesso, bastante forte e duro (nem lanoso, nem crespo). O
ventre e o interior das coxas não devem ser destituídos de pêlos. As sobrancelhas bem
pronunciadas, não encobrem os olhos. Um pouco de barba no queixo e as orelhas
bastante peludas.
COR: sempre encarvoado; quer dizer, que a extremidade do pêlo é sempre mais
escura que a base (encarvoada). O fulvo pode ser mais ou menos escuro, mas jamais
laranja. A extremidade encarvoada pode ser azulada. A intensidade do tom escuro na
extremidade do pêlo é que dará o aspecto de mais claro ou mais escuro da pelagem. A
presença de pêlos brancos disseminados, em maior ou menor quantidade na pelagem, é
tolerada e formam nuanças que vão do cinza claro ao cinza escuro, passando pelo cinza
javali. O pêlo é mais freqüentemente marcado de fulvo no nível das sobrancelhas, nas
bochechas, no tórax, nas extremidades dos membros e sob a cauda. Esta característica,
muito visível nos fi lhotes, se atenua com a idade.
O pêlo é caracterizado por uma cor de base, a propagação dos pêlos encarvoados
e a possível associação com os escassos pêlos brancos. Se descreve, por exemplo,
“fulvo ligeiramente encarvoado” (pêlo de lebrél), “sable encarvoado” (cinza lobo) e
o “fulvo encarvoado de azul” (cinza azulado). Tolerase
uma mancha branca no peito.
TAMANHO
Altura na cernelha: Machos: 55 a 62 cm
Fêmeas: 53 a 60 cm
NOTAS:
· os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem
desenvolvidos e acomodados na bolsa escrotal.
· todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento
deve ser desqualifi cado.




Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:



Letras de Música com temas Animais:

bullet  Oceanos suspensos anel dos anfbios

bullet  Procisso

bullet  Riacho do navio

bullet  Rogai por boi

bullet  Passaros

Ver todas as Músicas

Dicas Veterinárias:

bullet  Angiografia pulmonar

bullet  Inchaço da glândula salivar em cães

bullet  Aumento da frequ?ncia cardíaca em cães

bullet  Erupções e trocas dos dentes do cavalo

bullet  Metrite em cães

Ver todas as Dicas Veterinárias

Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet  Carla Diele CRMVRJ 6165

bullet  Dr. Ciro Pinheiro Mathias Franco Medico Veterinrio atuante em medicina e odontologia eqina. Cel. (11) 9814 6666 E mail ciromedvet@ig.com.br www.dentistadecavalo.com.br

bullet  Rafael Senos Mdico Veterinrio UFF Mestrando USP Tcnico em Biotecnologia CEFETEQ RJ

bullet  Prof. Fabiano Gregolin professorfg@uol.com.br

bullet  Antonio Roberto Bacila mdicoveterinrio, diretor tcnico e presidente da Organnact Sade Animal.

Confira todos os Colunistas



Cinema, Filmes e Seriados:

bullet  Harry, o amigo de tonto

bullet  Compramos um zoolgico

bullet  O pssaro das plumas de cristal (l uccello dalle piume di cristallo)

bullet  Os pinguins de madagascar: operao patrulha pinguim

bullet  Jurassic park i

Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bullet  Um gato entre os pombos

bullet  Livro de banho galinha pintadinha

bullet  O estranho caso do cachorro morto

bullet  Marley e eu

bullet  O gato que falava com fantasmas

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br & - Todos os direitos reservados - Créditos