Digite aqui a palavra-chave.





Home Page > Raças & Espécies > Cães > Cirneco do etna

pinterest



Cirneco do etna

 CIRNECODOETNA

País de origem: Itália
Nome no país de origem: Cirneco do etna
Utilização: Caça
Sem prova de trabalho
RESUMO HISTÓRICO: os clássicos estudos das raças caninas disseminadas
na bacia do Mediterrâneo chegaram à conclusão de que o Cirneco do Etna seria
descendente dos antigos cães de caça criados no Vale do Nilo na época dos faraós,
cães estes que teriam chegado à Sicília com os Fenícios. Porém, pesquisas mais
recentes falam em favor de uma nova concepção, segundo a qual o Cirneco do Etna
seria uma raça autóctone de origem siciliana, vindo precisamente das imediações do
Etna. Moedas e gravuras revelam que o Cirneco do Etna existiu nesta região muitos
séculos antes de Cristo.
APARÊNCIA GERAL: cão do tipo primitivo, de forma elegante e delgada, de
tamanho médio, não atarracado, robusto e resistente. De conformação morfológica
ligeiramente longilínea e de clara construção; seu corpo se encaixa em um quadrado;
sua pele é fi na.
PROPORÇÕES IMPORTANTES:
· o comprimento do tronco é igual a altura na cernelha (construído em um quadrado).
· a profundidade do peito é ligeiramente menor que a altura do solo ao cotovelo.
· o comprimento do focinho não deve atingir a metade do comprimento da cabeça
(a relação crâniofocinho
é de 10:8), mas a preferência é dada aos exemplares cujo
comprimento do focinho seja igual ao do crânio.
COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: cão de caça adaptado a terrenos
difíceis, sendo especialmente indicado para a caça de coelhos selvagens; dotado de
forte temperamento, ele é ao mesmo tempo gentil e afetuoso.
CABEÇA
REGIÃO CRANIANA
Crânio: de forma oval em sentido longitudinal; os eixos superiores do crânio e do
focinho são pouco divergentes ou paralelos. O perfi l superior do crânio é tão pouco
convexo que aparenta ser quase plano; a largura do crânio entre os arcos zigomáticos
não deve ultrapassar a metade do comprimento da cabeça; as arcadas superciliares
não são muito pronunciadas; o sulco frontal é apenas ligeiramente marcado; a crista
occipital e a protuberância occipital são ligeiramente desenvolvidas.
Stop: bem acentuado, com um ângulo de aproximadamente 140º.
REGIÃO FACIAL
Tr ufa: de formato verdadeiramente retangular e preferivelmente grande, sua cor
corresponde a cor da pelagem (marrom bastante escuro, marrom claro ou cor de carne).
Focinho: o comprimento do focinho é pelo menos 80% do comprimento do crânio;
sua profundidade ou altura (medida na metade do focinho) atinge no mínimo a metade
do seu próprio comprimento; sua largura (medida na metade do focinho) é inferior
a metade de seu comprimento. Assim, o focinho é pontiagudo e a cana nasal é reta;
seu perfi l lateral inferior é defi nido pela mandíbula.
Lábios: fi nos, delgados e ajustados, apenas cobrindo os dentes do maxilar inferior.
A mucosa da comissura labial é apenas visível.
Maxilares / Dentes: maxilares normalmente desenvolvidos apesar de não parecerem
fortes; mandíbula ligeiramente desenvolvida, com queixo recuado. Incisivos
implantados em ângulo reto, perfeitamente alinhados e adaptados. Dentes bem
desenvolvidos e completos; mordedura em tesoura.
Bochechas: planas.
Olhos: mais para pequenos, são de cor ocre não muito escuro, âmbar ou cinza; nunca
marrons ou de cor avelã escuro; em posição lateral, expressão doce; de forma oval,
a pigmentação das bordas das pálpebras corresponde a cor da trufa.
Orelhas: inseridas bem altas e próximas, eretas e bem rígidas, abertas para frente; de
formato triangular com as pontas estreitas, não devem ser cortadas. Seu comprimento
não ultrapassa a metade do comprimento da cabeça.
PESCOÇO: perfi l superior bem arqueado (convexo). Seu comprimento é igual
ao da cabeça. De forma similar a um cone truncado; os músculos são aparentes,
especialmente ao longo do bordo superior. A pele é fi na e esticada, muito ajustada e
sem formar barbela.
TRONCO
Linha super ior: reta e inclinandose
elegantemente da cernelha para a garupa.
Cernelha: elevada sobre a linha dorsal, estreita por causa da convergência das
escápulas; unese
harmoniosamente ao pescoço sem deixar marca alguma na linha
superior.
6
Dorso: de perfi l superior reto, com músculos moderadamente desenvolvidos. O
comprimento da parte torácica mede aproximadamente 3 vezes o comprimento da
parte lombar.
Lombo: o comprimento do lombo alcança aproximadamente 1/5 da altura na cernelha
e sua largura se aproxima de seu comprimento; os músculos são curtos e ligeiramente
visíveis, porém fi rmes.
Garupa: o perfi l superior é bastante plano e sua inclinação é de cerca de 45° com a
horizontal. O comprimento desta garupa inclinada, seca e sólida atinge quase 1/3 da
altura na cernelha e a largura é quase a metade de seu comprimento; os músculos da
garupa não são visíveis.
Peito: o comprimento do peito é ligeiramente maior do que a metade da altura na
cernelha (aproximadamente 57%) e sua largura (medida na sua parte mais larga) é
ligeiramente menor do que 1/3 da altura na cernelha; o tórax desce até a altura dos
cotovelos ou quase, mas sem ultrapassar o seu nível; as costelas são ligeiramente
arqueadas, mas jamais planas; o perímetro do peito ultrapassa a altura da cernelha
em aproximadamente 1/8, determinando um peito preferivelmente estreito.
Linha infer ior : o perfi l inferior ascende regularmente até o ventre, sem qualquer
interrupção brusca. Ventre seco e retraído, fl ancos de comprimento igual ao da região
renal.
CAUDA: inserida baixa, bastante grossa e de espessura uniforme em todo o seu
comprimento, bastante longa, atinge ou ultrapassa ligeiramente o jarrete; portada em
sabre quando em repouso; enrolada sobre o dorso, em forma de trompete, quando
em ação. Pelo liso.
MEMBROS
Anteriores: retos e paralelos. Vistos de perfi l, uma linha vertical imaginária do ombro
toca a ponta dos dedos. Uma outra linha vertical imaginária, indo da articulação úmeroradial,
divide o antebraço e o carpo em duas partes mais ou menos iguais, terminando
na metade do metacarpo. Vistos de frente, os aprumos devem corresponder a uma linha
vertical imaginária que parte do ponto do ombro que divide o antebraço, o carpo, o
metacarpo e as patas em duas partes mais ou menos iguais. A altura dos anteriores,
do cotovelo ao solo, é ligeiramente maior do que a metade da altura na cernelha.
Ombros: o comprimento da escápula deve atingir aproximadamente 1/3 da altura na
cernelha, com uma inclinação abaixo da horizontal de 55º; as pontas das escápulas
estão próximas entre si; o ângulo escápuloumeral
mede de 115º a 120°.
Braços: seu comprimento é igual à metade do comprimento do membro medido do solo
ao cotovelo; quase perfeitamente paralelos ao plano mediano do corpo, ligeiramente
inclinado abaixo da horizontal, com músculos notáveis e distintos.
Cotovelos: inseridos no nível ou abaixo da linha do esterno, paralelos ao plano
mediano do tronco; a angulação úmeroradial
medindo aproximadamente 150º.
Antebr aços: o comprimento é igual a 1/3 da altura na cernelha; retos e paralelos; a
articulação carpocubital
é bem visível; a estrutura óssea é leve, mas sólida.
Ar ticulação do Car po: prolonga uma linha reta do antebraço; osso pisiforme
proeminente.
Metacarpos: o comprimento dos metacarpos não deve ser inferior a 1/6 da altura do
membro anterior, medido do solo ao cotovelo; mais largos que os carpos, mas planos e
secos; são ligeiramente inclinados de trás para frente. A estrutura óssea é plana e seca.
Patas: de formato oval (patas de lebre), com dedos compactos e arqueados. Unhas
fortes e curvadas, de cor marrom ou ocre rosado, mas nunca pretas. Almofadas duras,
da mesma cor que as unhas.
Posteriores: retos e paralelos. Vistos de perfi l, uma linha vertical, que desce da ponta
da nádega até o solo, quase toca ou toca a ponta dos dedos. Vistos por trás, uma linha
imaginária vertical que vai da ponta da nádega até o solo divide a ponta do jarrete, o
metatarso e as patas em duas partes iguais. O comprimento total do membro posterior
mede aproximadamente 93% da altura na cernelha.
Coxas: longas e largas. Seu comprimento e de 1/3 da altura na cernelha. Os músculos
são planos e o bordo posterior da coxa é ligeiramente convexo. A largura da face
externa da coxa é igual a 3/4 de seu comprimento. O ângulo coxofemoral mede
aproximadamente 115°.
Joelhos: devem se situar sobre a vertical que vai da ponta da nádega ao solo. O ângulo
tíbiofemoral
é de aproximadamente 120°.
Per nas: de comprimento ligeiramente inferior que o da coxa e angulada a 55º com a
horizontal. Os músculos que a revestem são secos e bem aparentes. A estrutura óssea
é leve com a canela bem marcada.
J arretes: a distância do solo à ponta do jarrete não ultrapassa 27% da altura na
8
cernelha. Sua face externa é larga; o ângulo tíbiotarsiano
é de aproximadamente 135º.
Metatarsos: seu comprimento e igual a 1/3 do comprimento do membro anterior,
medido do solo ao cotovelo; de forma cilíndrica e em posição vertical, ou seja,
perpendicular ao solo; não apresenta ergôs.
Patas: ligeiramente ovais, com as mesmas características das patas anteriores.
MOVIMENTAÇÃO: galope com períodos intermitentes de trote.
PELE: fi na, bem aderente sobre todas as partes do corpo. A cor varia de acordo com a
cor da pelagem. As mucosas e a pele da trufa são pigmentadas com as cores descritas
para a da trufa e nunca devem apresentar manchas pretas e nem serem despigmentadas.
PELAGEM
Pelo: curto na cabeça, nas orelhas e nos membros; semilongo
(mais ou menos 3cm),
mas bem liso e assentado sobre o corpo e cauda. Pelos retos e rígidos como os pelos
de cavalos.
COR:
· fulvo unicolor, mais ou menos intenso ou diluído como isabela, areia, etc.
· fulvo com branco mais ou menos extenso (lista branca na cabeça, marca branca no
peito, branco nas patas, branco na ponta da cauda, ventre branco; um colar branco
é menos apreciado). Branco unicolor ou branco com manchas de cor laranja são
tolerados; um pelo fulvo mesclado com pelos ligeiramente mais claros ou mais
escuros são permitidos.
TAMANHO / PESO
Altura na cernelha:
Machos: de 46 cm a 50 cm Tolerância até 52 cm.
Fêmeas: de 42 cm a 46 cm Tolerância até 50 cm.
Peso:
Machos: 10 a 12 kg.
Fêmeas: 8 a 10kg.
 




Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:



Letras de Música com temas Animais:

bullet  ltimo pau de arara

bullet  Narrao de quadrilha junina

bullet  Menino passaro

bullet  Pssaro Livre

bullet  Peacock

Ver todas as Músicas

Dicas Veterinárias:

bullet  Brônquios estreitados em cães

bullet  Laminite

bullet  Doenças de pele de alergias em cães

bullet  Anestesia voc tem medo?

bullet  Sequestro de córnea em felinos

Ver todas as Dicas Veterinárias

Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet  https://upacfortaleza.wordpress.com/artigos/como resgatar um cao da rua/

bullet  Giorgia Bach advocacia@praticaclinica.com.br

bullet  Patricia Oliveira

bullet  Douglas Frigo
crmv 15675
ki canrio pet complex http://www.kicanario.com.br

bullet  SKS Promoes Silvia Milani sksprom@uol.com.br

Confira todos os Colunistas



Cinema, Filmes e Seriados:

bullet  Moby dick

bullet  Errado pra cachorro (who s minding the store?)

bullet  Um peixe chamado wanda (a fish called wanda)

bullet  Cama de gato (cama de gato / cat s cradle)

bullet  Bolt - superco

Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bullet  Os segredos dos gatos tudo para entender e ensinar o seu companheiro

bullet  O gato de botas

bullet  Vida de co

bullet  Ces de guerra

bullet  Enfermidades dos cavalos

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br & - Todos os direitos reservados - Créditos