Digite aqui a palavra-chave.





Home Page > Raças & Espécies > Cães > Cesky fousek

pinterest



Cesky fousek

 CESKYFOUSEK

País de origem: Anteriormente Checoslováquia, atualmente República
Tcheca.
Nome no país de origem: Cesky Fousek
Utilização: Cão de aponte
Sem prova de trabalho.
RESUMO HISTÓRICO: no período que antecedeu a Primeira Guerra Mundial,
o Cesky Fousek foi o cão de aponte de pêlo duro mais criado na região em que
hoje se constituem as Repúblicas Tcheca e Eslovaca. Esta Guerra Mundial e suas
conseqüências foram responsáveis pela quase extinção durante a década de 20. A
regeneração da raça foi implementada. A base para esta regeneração foi realizada
através de alguns exemplares típicos originais, por meio de uma seleção planejada,
ao qual obtivemos o tipo moderno do Cesky Fousek. Atualmente seus registros estão
em segundo lugar entre as raças de caça utilizadas nas Repúblicas Tcheca e Eslovaca.
APARÊNCIA GERAL: o Cesky Fousek é de médio porte, pêlo áspero, um cão de
aponte nobre, cuja aparência geral mostra força e resistência. É um cão que possui
qualidades inatas para o trabalho no campo e na água, tanto quanto para o trabalho
em fl orestas, mostrando múltiplas utilidades. Apesar de sua inata esperteza para a
caça, ele é facilmente treinado e muito dedicado ao seu dono.
CABEÇA: delgada, um tanto estreita e longa, é inserida alta no pescoço. O focinho
é um pouco mais longo que o crânio e a cana nasal é moderadamente arqueada.
REGIÃO CRANIANA
Cr ânio: em sua parte superior da região frontal e na região craniana, ele é
moderadamente abobadado e ligeiramente arredondado, um tanto mais largo
nos machos do que nas fêmeas. Os arcos superciliares são claramente defi nidos e
pronunciados, tanto, que enfatizam a expressão angulosa da cabeça, sugerindo órbitas
oculares mais profundas. O occipital é apenas notado.
Stop: Moderado, ainda que marcado em direção à região frontal.
REGIÃO FACIAL
Tr ufa: larga com narinas abertas e sensíveis. A cor da trufa deve ser sempre marrom
escuro.
Focinho: estreitandose
moderadamente dos olhos para a trufa.
Lábios: fortes e razoavelmente desenvolvidos; formam uma borda fl exível no focinho
4
com a parte superior cobrindo a parte inferior.
Maxilares / Dentes: maxilares fortes, claramente defi nidos e bem musculosas. Dentes
fortes, com mordedura em tesoura e dentição completa.
Olhos: de forma amendoada, mostram uma expressão amigável e indica uma natureza
astuta. Devem ser profundos, de coloração âmbar escuro ao castanho profundo. As
pálpebras são justas, de modo que permitam o fechamento total dos olhos e bem
desenvolvidas; são de cor cinza escuro.
Orelhas: de inserção alta e largas, estreitandose
de maneira notável em direção
às pontas. O seu comprimento alcança dois terços das bochechas e suas pontas são
moderadamente arredondadas. As orelhas devem estar rentes à cabeça.
PESCOÇO: de comprimento médio com músculos bem desenvolvidos, seco e de
inserção alta em relação à cernelha. A nuca é moderadamente arqueada.
TRONCO
Dorso: fi rme e curto inclinando desde a cernelha bem desenvolvida em direção à
garupa.
Lombo: curto, relativamente largo e moderadamente arqueado.
Garupa: moderadamente inclinada, sufi cientemente larga e adequadamente longa.
Peito: junto com a escápula, visto de frente, o peito tem a forma de lira. A caixa
torácica deve ser oval e sua largura proporcional à construção geral do cão. A parte mais
inferior do peito deve alcançar pelo menos o nível dos cotovelos. O antepeito deve ser
bem desenvolvido. Visto de perfi l, o osso esterno deve ser claramente protuberante.
A caixa torácica é formada por costelas bem arqueadas que estão dispostas em boa
proporção por toda a sua extensão.
Ventre: deve ser um pouco esgalgado, para facilitar a movimentação livre, sem dar
a impressão de magreza.
CAUDA: o sacro deve estar posicionado de modo que a musculatura não infl uencie
no porte da cauda, que deve ser horizontal ou apenas ligeiramente levantada. Sua
implantação deve dar a idéia de uma continuação da linha superior. É moderadamente
forte e deve ser amputada em 3/5 de seu comprimento.
MEMBROS
ANTERIORES
Ombros: as escápulas são defi nidas por uma musculatura bem desenvolvida. Sua
colocação deve ser bastante inclinada e formar um ângulo obtuso com o antebraço.
Cotovelos: devem ser fi rmemente construído e musculosos.
Antebr aços: verticais e retos com musculatura pronunciada e seca.
Metacarpos: devem ser relativamente curtos, quase verticais e apenas moderadamente
inclinados para a frente.
Patas: compactas; devem ter a forma de uma colher, com dedos fechados e bem
arqueados, e unhas de cor cinza escura ou preta. As almofadas plantares são grossas,
duras e completamente pigmentadas. Existe um notável vestígio de membrana
natatória, atrofi ada, entre os dedos.
POSTERIORES
Pélvis: deve ser sufi cientemente longa.
Coxas: largas e com musculatura bem desenvolvida.
Per nas: inclinadas para trás; deve ter angulação correta para propiciar uma
movimentação fl exível.
J ar retes: não muito altos, magros, com calcâneos longos e apenas ligeiramente
proeminentes.
Metatarsos: quase verticais, curtos e adequadamente fortes.
Patas: com a mesma forma das anteriores. Ergôs são removidos.
MOVIMENTAÇÃO: movimentação deve ser completamente regular tanto a passo
quanto ao trote com a linha superior mostrando pouquíssima oscilação e as pegadas
cobrem umas as outras durante o trote.
6
PELAGEM
PÊLO
Constituição: a pelagem consiste em três tipos de pêlo:
Subpêlo: macio e denso, com 1,5cm de comprimento. Evita a entrada de umidade
na pele e durante o verão é praticamente inexistente.
Pêlo: de 3 a 4cm de comprimento, áspero, duro e bem assentado à pele.
Pêlo de Guar da: de 5 a 7cm de comprimento, especialmente áspero e reto.
Particularmente perceptível no antepeito, linha superior, fl ancos e ombros.
Na parte anterior das pernas e braços o pêlo é mais curto e áspero; é mais longo
na parte posterior destes membros, formando uma franja. A cauda não deve ter
um aspecto de escova em sua parte inferior.
Pêlo na cabeça: tanto na mandíbula quanto nos lábios, o pêlo é mais longo e
mais macio, formando uma barba, típica desta raça. O pêlo das sobrancelhas é
abundante e direcionado para cima. A testa, a região craniana e bochechas são
cobertas com pêlos curtos e ásperos. As orelhas são cobertas por pêlos curtos,
macios e lisos.
COR: as cores permitidas são:
· Ruão escuro, com ou sem marcações marrons.
· Marrom, com marcações salpicadas no antepeito e partes inferiores dos membros.
· Marrom sem quaisquer marcações.
TAMANHO / PESO
Altura na cernelha: Machos: 60 a 66cm
Fêmeas: 58 a 62cm.
Peso : Machos: Mínimo: 28 kg
Máximo: 34 kg
Fêmeas: Mínimo: 22kg
Máximo: 28kg
FALTAS: qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta
e penalizado na exata proporção de sua gravidade.
· proporções erradas entre a altura na cernelha e o comprimento do corpo.
· cabeça curta,em forma de cunha ou redonda.
· olhos proeminentes. Olhos de cores diferentes dos mencionados no padrão.
· orelhas muito longas ou de inserção muito baixa.
· pescoço muito forte e muito curto com pele solta.
· cernelha insufi cientemente defi nida.
· garupa caída.
· antepeito pouco desenvolvido e esterno pouco defi nido.
· patas espalmadas ou pés de lebre. Muito pêlo nas patas.
· pelagem muito fi na, muito curta ou muito longa.
· barba ou sobrancelhas pouco defi nidas.
· falta de pigmentação.
· predominância da cor branca (particolor não é permitido).
PRINCIPAIS MEDIDAS
Machos Fêmeas
Peso corporal 34 kg 25 kg
Altura na cernelha 63 cm 60 cm
Comprimento da cabeça 28 cm 23 cm
Comprimento do crânio 14 cm 11 cm
Largura do crânio 12 cm 10 cm
Comprimento da cana nasal 13 cm 11 cm
Largura do peito 20 cm 18 cm
Profundidade de peito 25 cm 23 cm
Comprimento do tronco 56 cm 53 cm
Perímetro do peito medido
atrás do cotovelo 80 cm 72 cm
Perímetro do peito medido
atrás da última costela 72 cm 64 cm
ANGULAÇÕES
Entre a escápula e os ombros: 110º
Entre os ombros e os cotovelos: 135º
Entre a pélvis e as coxas: 110º
Entre as pernas e as coxas: 125º
Entre as coxas e os jarretes: 135º
 




Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:



Letras de Música com temas Animais:

bullet  Vida de cachorro

bullet  Rock das aranha

bullet  Tripa de peixe

bullet  Gatinha assanhada

bullet  Peacock

Ver todas as Músicas

Dicas Veterinárias:

bullet  Tumor testicular (células de sertoli) em cães

bullet  Tratamentos alternativos para pets

bullet  O que fazer enquanto o veterinário não vem?? episódio 1 ? feridas

bullet  Ansiedade de separação em cachorros

bullet  Por dentro da boca dos potros!

Ver todas as Dicas Veterinárias

Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet  SKS Promoes Silvia Milani sksprom@uol.com.br

bullet   LUIZA CERVENKA DE ASSIS http://emais.estadao.com.br/blogs/comportamento animal/morte e luto o que fazer quando o cachorrogato morre/

bullet  Policlnica Veterinria de Cotia Av. Ralf Boli, 25 Granja Carolina, Cotia SP Tel.: 11 46162677

bullet  dr ricardo gabeira
crmv-sp 11103
clnica veterinria dr vicente moreno (24 horas)
av independ?ncia, 1062, valinhos/sp,
fone: (19) 3849-1274

bullet  Jo?o Kleinerdr jo?o alfredo kleiner dvm, msc especialista em oftalmologia e clnica cirrgica geral acvo ophthalmology course wisconsin, madison ? 1998 e-mail: docjak@vetweb.com.br

Confira todos os Colunistas



Cinema, Filmes e Seriados:

bullet  Manda-chuva o filme (don gato y su pandilla)

bullet  

bullet  Eu sou a lenda

bullet  gua para elefantes

bullet  As nove vidas de fritz - o gato (the nine lives of fritz the cat)

Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bullet  Nosso planeta verde - 100 timas propostas para trabalhar na educao infantil

bullet  Pssaros amarelos

bullet  Um gato aprende a morrer

bullet  Os passaros e suas doencas

bullet  Sinopse do livro 97 maneiras de fazer seu cachorro sorrir

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br & - Todos os direitos reservados - Créditos