Digite aqui a palavra-chave.





Home Page > Raças & Espécies > Cães > Cao dágua portugus

pinterest



Cao dágua portugus

 CAODAGUAPORTUGUES

País de origem: Portugal
Nome no país de origem: Cão d’Água Portugu;s
Utilização: Companheiro na pesca e na captura, bem como, cão
de companhia.
Sem prova de trabalho
RESUMO HISTÓRICO: em épocas remotas o Cão d’Água existiu em todo o
litoral portugu;s. Hoje, devido às contínuas modificações nos sistemas de pesca
utilizados, a raça encontra-se, principalmente, na província de Algarve, região essa,
atualmente considerada o seu local de origem. A sua presença nas costas Portuguesas
deve remontar a épocas muito distantes, devendo o Cão d’Água Portugu;s ser
considerado como uma raça do país.
APARÊNCIA GERAL: cão de proporções médias, tipo bracóide, de contorno
com tend;ncias retilíneas à ligeiramente convexas. Formato harmonioso, balanceado;
robusto e bem musculoso. Notável desenvolvimento muscular devido à constante
prática da natação.
PROPORÇÕES IMPORTANTES: de formato quase quadrado, com o
comprimento do corpo aproximadamente igual à altura na cernelha. A proporção
entre a altura na cernelha e a profundidade do peito é de 2:1; a proporção do
comprimento do crânio para o focinho é de 4:3.
COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: um cão de excepcional intelig;ncia,
compreende e obedece facilmente com alegria a todas as ordens do seu dono. Cão
de temperamento ardente, voluntarioso e altivo, sóbrio e resistente à fadiga. Tem a
expressão dura e um olhar penetrante e atento. Possui grande poder visual e apreciável
sensibilidade olfativa. Nadador e mergulhador exímio e resistente, é o companheiro
inseparável do pescador, a quem presta inúmeros serviços, não só pescando, mas
também guardando e defendendo seu barco e propriedade. Durante o trabalho da
pesca, atira-se voluntariamente ao mar para recuperar os peixes que escaparam,
mergulhando se necessário, e procedendo da mesma maneira se uma rede se rompe
ou algum cabo se solta. É também utilizado como agente de ligação entre os barcos e
a terra firme e vice-versa, mesmo quando a grandes distâncias.
CABEÇA: bem proporcionada, forte e larga. Eixos crânio-focinho paralelos.
REGIÃO CRANIANA
Crânio: visto de perfil, o seu comprimento é ligeiramente mais longo que o do
focinho (4:3). A sua curvatura é mais acentuada posteriormente e a crista occipital é
pronunciada. Visto de frente, os parietais t;m a forma abobadada, com leve depressão
central; a fronte é ligeiramente escavada, o sulco frontal prolonga-se até dois terços
dos parietais e as arcadas superciliares são proeminentes
Stop: bem definido e situado um pouco atrás dos cantos internos dos olhos.
5
REGIÃO FACIAL
Trufa: larga, com narinas bem abertas e pigmentadas. De cor preta nos exemplares
de pelagem preta, branca e suas combinações. Nos castanhos, a cor segue a tonalidade
da pelagem. Nunca deve ser cor de carne.
Focinho: reto, mais largo na base que na extremidade.
Lábios: grossos, especialmente na frente. Comissura não aparente. Mucosa bucal
(céu da boca, debaixo da língua e gengivas) acentuadamente pigmentada de preto em
cães com pelagem preta e intensamente marrom em cães marrons.
Maxilares / Dentes: maxilares fortes, dentes saudáveis, não aparentes quando a
boca está fechada. Caninos fortes e desenvolvidos. Mordedura em tesoura ou torqu;s.
Olhos: tamanho médio; perceptíveis e com formato arredondado; bem afastados e
levemente oblíquos. A coloração da íris é preta ou castanha e as pálpebras são finas
e orladas de preto; marrons em cães marrons. Conjuntiva não aparente.
Orelhas: inserção acima da linha dos olhos, colocadas contra a cabeça, levemente
levantadas para trás e cordiformes. Textura fina, com as suas extremidades nunca
ultrapassando a garganta.
PESCOÇO: reto, curto, arredondado, musculoso, bem inserido e portado alto;
conectando-se ao tronco em harmoniosa transição. Sem colar, nem barbela.
TRONCO
Linha superior: reta, nivelada.
Cernelha: larga e não proeminente.
Dorso: reto, curto, largo e bem musculoso.
Lombo: curto e bem unido à garupa.
Garupa: bem proporcionada, levemente inclinada, com extremidades ósseas
simétricas e pouco aparentes;
Peito: largo e profundo. O seu bordo inferior deve tocar o plano do cotovelo. As
costelas são compridas e regularmente oblíquas, proporcionando grande capacidade
respiratória.
6
Linha inferior e ventre: reduzido volume e elegante.
CAUDA: inteira, de inserção mediana, grossa na raiz e afinando para a ponta. Inserção
média. O seu comprimento não deve ultrapassar o jarrete. Quando o cão está atento,
enrola-se em anel, não ultrapassando a linha média do lombo. A cauda é de grande
utilidade quando nadando e mergulhando.
MEMBROS
Anteriores: fortes e retos. Verticais. Metacarpos levemente inclinados são admissíveis.
Ombros: bem inclinados de perfil e transversalmente. Forte desenvolvimento muscular.
Braços: fortes e de comprimento médio. Paralelos à linha média do corpo.
Antebraços: compridos e fortemente musculosos.
Carpos: ossos fortes, mais largos quando vistos de frente que de perfil.
Metacarpos: longos e fortes.
Patas: arredondadas e planas, com dedos ligeiramente arqueados, de comprimento
médio. A membrana digital, que acompanha o dedo em todo o seu comprimento, é
constituída por tecidos flácidos e guarnecida por abundante e comprida pelagem. As
unhas pretas são as preferidas, mas, de acordo com a cor da pelagem, também são
admitidas as brancas, listradas ou castanhas. Unhas não devem tocar o solo. Almofada
plantar central dura, já as demais, naturalmente espessas.
Posteriores: retos e bem musculosos. Jarretes levemente inclinados são admissíveis.
Nádega: forte e bem arredondada.
Coxas: fortes e de comprimento mediano. Muito bem musculosas. Articulação do
joelho não virada nem para dentro, nem para fora.
Pernas: compridas e muito bem musculosas. Não viradas nem para dentro, nem
para fora. Bem inclinadas no sentido antero-posterior. Todos os tendões e ligamentos
são fortes.
Tarsos: fortes.
7
Metatarsos: compridos. Sem ergôs.
Patas: id;nticas às patas anteriores em todos os aspectos.
MOVIMENTAÇÃO: movimento suave, com passos curtos quando caminhando;
trote ágil e cadenciado; galope enérgico.
PELE: grossa, elástica; não muito justa; membranas mucosas internas e externas
preferivelmente pigmentadas.
PELAGEM
Pelo: todo o corpo se encontra abundantemente revestido de pelos resistentes, sem
subpelo. Há duas variedades de pelos: uma longa e ondulada e outra mais curta e
encaracolada. A primeira é ligeiramente lanosa e brilhante; a última é densa, sem
brilho e forma cachos cilíndricos compactos. Com exceção das axilas e virilhas, os
pelos distribuem-se por igual em todo o corpo. Na cabeça tomam o aspecto de
tufos, na pelagem ondulada, e encaracolada na outra variedade. O pelo das orelhas é
mais longo na variedade de pelo longo e ondulado.
COR: a pelagem é preta ou marrom em suas várias tonalidades, ou branco sólido.
Em pelagens pretas ou marrons, o branco é aceito nos seguintes locais: focinho,
topete, pescoço, antepeito, abdômen, ponta da cauda e parte inferior dos membros,
abaixo dos cotovelos e jarretes. A pelagem branca deve existir sem albinismo,
consequentemente, a trufa, as bordas palpebrais e o interior da boca devem ser
pigmentadas de preto, ou de marrom em cães marrons. É característica nesta raça a
tosa parcial da pelagem, quando esta se torna muito comprida. A metade posterior
do corpo, o focinho e parte da cauda são tosados, deixando-se um tufo de volumosos
pelos longos na sua ponta.
TAMANHO / PESO
Altura na cernelha: machos: 50 - 57cm. Altura ideal 54cm.
f;meas: 43 - 52cm. Altura ideal 46cm.
Peso: machos: 19 - 25kg
f;meas: 16 - 22kg




Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:



Letras de Música com temas Animais:

bullet  Abelha sem mel

bullet  O menino da porteira

bullet  Passaro sem ninho

bullet  Forr de cavalgada

bullet  Que nem jil

Ver todas as Músicas

Dicas Veterinárias:

bullet  Day care ou creche para pet, o que e as vantagens desse servio para seu animal de estimao!

bullet  Como prestar primeiros socorros ao seu co

bullet  Perda da voz (rouquido)

bullet  Perda de equilbrio (marcha desequilibrada) em ces

bullet  Cinomose e os florais de bach

Ver todas as Dicas Veterinárias

Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet  Israel M. BleichDiretor Tcnico do Laboratrio CEPAV Tecnologia em Sade AnimalR. Tanab, 185 S?o Paulo SP BRASILCEP05002010 Fone/Fax (011) 38729553email: info@cepav.com.br

bullet  Gabriel Guerreiro Qual quer deuacute;vida ou sugesteatilde;o enbsp;estarei respondendo no email Gabriel_g_f@hotmail.com no twitter @AdestramentoDOG

bullet  silvana em souza m dica veterinria crmv-sp 9617 animalcamp rua d pedro i n? 663; guanabara - campinas/sp fone: (19) 32425370 www.animalcampcjbnet homeovete@yahoo.com.br

bullet  https://upacfortaleza.wordpress.com/artigos/como resgatar um cao da rua/

bullet  Beatriz Duarte Treinadora Especialista em Comportamento Canino Lord C?o Treinamento de Ces Ltda beatriz@lordcao.com.br

Confira todos os Colunistas



Cinema, Filmes e Seriados:

bullet  Lassie

bullet  Moby dick

bullet  No olho do gato (dans l oeil du chat)

bullet  Os pinguins de madagascar: operao patrulha pinguim

bullet  Os pssaros feridos (the thorn birds)

Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bullet  Os segredos dos gatos tudo para entender e ensinar o seu companheiro

bullet  Gato que gostava de cenoura

bullet  Os passaros e suas doencas

bullet  O estranho caso do cachorro morto

bullet  O gato que falava com fantasmas

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br & - Todos os direitos reservados - Créditos