Digite aqui a palavra-chave.





Home Page > Dicas Veterinárias > Dioctofimose renal

pinterest



Dioctofimose renal


O parasita Dioctophyma renale consiste em um nematódeo, popularmente conhecido como verme gigante renal, que tem sido descrita em diferentes espécies de animais e também no homem. Com relação às espécies de animais domésticos, afeta com maior frequência os cães, embora já tenha sido descrito em suínos, felinos, equinos e bovinos, além de diferentes animais silvestres.


São vermes delgados, de coloração avermelhada, que podem alcançar, quando adultos, até 45 cm de comprimento, com 3 a 6 mm de diâmetro, os machos, e até 103 cm de comprimento e 5 a 13 mm de diâmetro os nematódeos do sexo feminino.


Quando no interior dos rins, as fêmeas adultas colocam os seus ovos, que são liberados ao meio externo juntamente com a urina do animal parasitado, com os ovos podendo permanecer viáveis por até 2 anos em ambiente adequado. Dentro de 1 a 7 meses, esses ovos eclodem, liberado larvas que, ao serem ingeridas pelos hospedeiros intermediários, como o anelídeo oligoqueta aquático Lumbriculis variegatus, evoluem para a larva do grau II, passando, por conseguinte, para o estágio de Larva infestantes dos graus III e IV.


Quando outros animais, como os cães, ingerem os hospedeiros intermediários infectados pela larva, esses se tornam hospedeiros definitivos, pois já abrigam o verme adulto.


Este nematódeo se instala no rim de seus hospedeiros definitivos, alimentando-se do parênquima desse órgão, resultando em danos irreparáveis ao órgão, podendo levar à morte de seus hospedeiros. Estes parasitas também podem ser encontrados no interior da cavidade abdominal, uma vez que podem destruir por completo um dos rins de seu hospedeiro, passado, então, a destruir as suas vísceras. Quando o parasitismo é de apenas um dos rins, o hospedeiro pode sobreviver por um longo período de tempo, apresentando somente sintomas de cólicas renais.


O diagnóstico é feito por meio da identificação dos ovos do parasita na urina do animal.


Até o momento, a única forma de tratamento é a remoção dos parasitas por meio de cirurgia, ou até mesmo, ressecção cirúrgica do rim acometido.



Débora Carvalho Meldau

O conteúdo presente no texto acima é responsabilidade dos Autores citados


Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:



Letras de Música com temas Animais:

bullet  Flora

bullet  Burro Xucro

bullet  Estilo cachorro

bullet  Passaro Ferido

bullet  Receita de Mulher

Ver todas as Músicas

Dicas Veterinárias:

bullet  Três palavras que podem estar arruinando sua vida

bullet  Cuidados de saúde do seu gato

bullet  Habronemose cutanea

bullet  Jararaca veneno de serpente toxicose e cães

bullet  Rabdomialise de esforço

Ver todas as Dicas Veterinárias

Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet  Adriana Morales Médica Veterinária CRMV: 6467 Membro do Colégio Brasileiro de Oftamologia Veterinária. Avenida 11 de Agosto, 1693. Valinhos/SP Tel.: 19 38492522

bullet  drajulianabortoletto@hotmail.com http://www.desviralata.com/plantastoxicas/

bullet  marcelo f franco
médico veterinário
crmv-sp
clínica veterinária taquaral
av bar?o de itapura 2968- campinas/sp
fone: (19) 32553899
www.vettaquaral.com.br

bullet  Keila Regina de Godoy

bullet  Dalva Marques http://www.infohorse.com.br/2018/03/18/a marcha dos muares/

Confira todos os Colunistas



Cinema, Filmes e Seriados:

bullet  Flipper (1996)

bullet  Correndo pra cachorro (man about dog)

bullet  No olho do gato (dans l oeil du chat)

bullet  Gatos numa roubada (tomcats)

bullet  Tarzan

Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bullet  Marley e eu

bullet  O estranho caso do cachorro morto

bullet  Explicação dos pássaros

bullet  A perigosa vida dos passarinhos pequenos

bullet  Livro de banho galinha pintadinha

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br & - Todos os direitos reservados - Créditos