Digite aqui a palavra-chave.





Home Page > Dicas Veterinárias > Dioctofimose renal

pinterest



Dioctofimose renal


O parasita Dioctophyma renale consiste em um nematódeo, popularmente conhecido como verme gigante renal, que tem sido descrita em diferentes espécies de animais e também no homem. Com relação às espécies de animais domésticos, afeta com maior frequência os cães, embora já tenha sido descrito em suínos, felinos, equinos e bovinos, além de diferentes animais silvestres.


São vermes delgados, de coloração avermelhada, que podem alcançar, quando adultos, até 45 cm de comprimento, com 3 a 6 mm de diâmetro, os machos, e até 103 cm de comprimento e 5 a 13 mm de diâmetro os nematódeos do sexo feminino.


Quando no interior dos rins, as fêmeas adultas colocam os seus ovos, que são liberados ao meio externo juntamente com a urina do animal parasitado, com os ovos podendo permanecer viáveis por até 2 anos em ambiente adequado. Dentro de 1 a 7 meses, esses ovos eclodem, liberado larvas que, ao serem ingeridas pelos hospedeiros intermediários, como o anelídeo oligoqueta aquático Lumbriculis variegatus, evoluem para a larva do grau II, passando, por conseguinte, para o estágio de Larva infestantes dos graus III e IV.


Quando outros animais, como os cães, ingerem os hospedeiros intermediários infectados pela larva, esses se tornam hospedeiros definitivos, pois já abrigam o verme adulto.


Este nematódeo se instala no rim de seus hospedeiros definitivos, alimentando-se do parênquima desse órgão, resultando em danos irreparáveis ao órgão, podendo levar à morte de seus hospedeiros. Estes parasitas também podem ser encontrados no interior da cavidade abdominal, uma vez que podem destruir por completo um dos rins de seu hospedeiro, passado, então, a destruir as suas vísceras. Quando o parasitismo é de apenas um dos rins, o hospedeiro pode sobreviver por um longo período de tempo, apresentando somente sintomas de cólicas renais.


O diagnóstico é feito por meio da identificação dos ovos do parasita na urina do animal.


Até o momento, a única forma de tratamento é a remoção dos parasitas por meio de cirurgia, ou até mesmo, ressecção cirúrgica do rim acometido.



Débora Carvalho Meldau

O conteúdo presente no texto acima é responsabilidade dos Autores citados


Gostou do conteúdo animal acima! Então compartilhe em suas Redes Sociais:



Letras de Música com temas Animais:

bullet  Tô bem

bullet  Cobra Sucuri

bullet  Menina veneno

bullet  Vampiro

bullet  Burro Xucro

Ver todas as Músicas

Dicas Veterinárias:

bullet  Partículas na urina em cães

bullet  Alimentação para filhotes

bullet  Como escolher um veterinario

bullet  Brônquios estreitados em cães

bullet  Diarréia em pequenos animais

Ver todas as Dicas Veterinárias

Colunistas - Veterinários que escrevem sobre temas aos leitores

bullet  Roberto Delort A. Leite e Laura Celi de Souza Silva 

bullet  Douglas Frigo
crmv 15675
ki canário pet complex http://www.kicanario.com.br

bullet  Jeronimo Ribeiro http://www.showdebicho.com

bullet  Camila Mello, adestradora franqueada da C?o Cidad?o

bullet  Manuelle Audino Rodrigues de Sá Médica veterinária CRMV 25073 fisiopet@yahoo.com.br

Confira todos os Colunistas



Cinema, Filmes e Seriados:

bullet  Batman e robin (1949)

bullet  Aquele gato danado (that darn cat!)

bullet  O mar não está prá peixe o mar não está prá peixe

bullet  A morte anda a cavalo (da uomo a uomo / death rides a horse)

bullet  Amor pra cachorro (year of the dog)

Ver todos os filmes e seriados

Livros Animais

bullet  O gato de botas

bullet  Passaro-camaleao, o

bullet  A princesa e o sapo

bullet  Cachorro tem cada uma

bullet  Amazonas aguas, passaros, seres e milagres

Ver todos os Livros

Digite aqui a palavra-chave


© Desde 2000 na Web - CONTEÚDOANIMAL.com.br & - Todos os direitos reservados - Créditos